Ad­vo­ga­do é sus­pei­to de aten­ta­do e ame­a­ças

Ga­e­co acu­sa ad­vo­ga­do de ten­tar ar­mar re­pre­sá­lia a pre­so que o apon­tou co­mo su­pos­to man­dan­te do aten­ta­do con­tra a Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal, no ano pas­sa­do; ad­vo­ga­do ne­ga acu­sa­ção

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Rú­bia Pi­men­ta e Ro­ber­to Sil­va

re­da­cao@odi­a­rio.com O ad­vo­ga­do cri­mi­na­lis­ta Mar­cos Cris­ti­a­ni Cos­ta da Sil­va, de Ma­rin­gá, foi de­nun­ci­a­do pe­lo Nú­cleo do Gru­po de Atu­a­ção Es­pe­ci­al de Com­ba­te ao Cri­me Or­ga­ni­za­do (Ga­e­co) por ame­a­çar o de­ten­to Tar­so de Sou­za de Cam­pos Camargo, 20 anos, apon­ta­do co­mo au­tor dos dis­pa­ros, em ju­lho do ano pas­sa­do, con­tra o pré­dio da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Ma­rin­gá. Se­gun­do a de­nún­cia, o ad­vo­ga­do te­ria fi­ca­do in­sa­tis­fei­to, após Tar­so apon­tá-lo co­mo su­pos­to man­dan­te do cri­me, e, por is­so, te­ria ar­ma­do uma si­tu­a­ção pa­ra re­pre­en­dê-lo. O ad­vo­ga­do ne­ga a acu­sa­ção.

De acor­do com o Ga­e­co, após to­mar co­nhe­ci­men­to da con­fis­são de Tar­so, o ad­vo­ga­do te­ria “O ad­vo­ga­do es­ti­mu­lou a po­pu­la­ção car­ce­rá­ria a apli­car a lei do cár­ce­re, on­de o al­ca­gue­te so­fre re­pre­sá­li­as e bar­bá­ri­es” en­tre­gue uma có­pia do in­ter­ro­ga­tó­rio ao de­ten­to He­len­ton de Oli­vei­ra, o “Leitão”, 35 anos, que es­tá pre­so, jun­to Tar­so, na Ca­sa de Cus­tó­dia de Ma­rin­gá (CCM). A in­ten­ção, se­gun­do o Ga­e­co, se­ria es­ti­mu­lar os pre­sos a agre­di­rem ou mes­mo ma­ta­rem Tar­so, uma vez que, se­gun­do os cos­tu­mes do pre­sí­dio, a de­la­ção é um ato re­pug­nan­te.

De acor­do com a de­nún­cia, “é evi­den­te que o ora de­nun­ci­a­do Mar­cos Cris­ti­a­ni agiu cons­ci­en­te ao di­vul­gar pa­ra os de­mais pre­sos da CCM có­pia do in­ter­ro­ga­tó­rio pres­ta­do pe­lo pre­so Tar­so.O ad­vo­ga­do es­ta­ria es­ti­mu­lan­do a po­pu­la­ção car­ce­rá­ria a apli­car-lhe os ri­go­res da im­pi­e­do­sa e si­len­ci­o­sa lei do cár­ce­re, on­de o al­ca­gue­te so­fre gra­ve dis­cri­mi­na­ção, re­pre­sá­li­as e ou­tras bar­bá­ri­es”.

Em de­poi­men­to ao Ga­e­co, Leitão con­fir­mou ter re­ce­bi­do a có­pia do in­ter­ro­ga­tó­rio das mãos do ad­vo­ga­do, mas ne­gou que a in­ten­ção era co­a­gir o co­le­ga de pre­sí­dio. Se­gun­do ele, os de­ten­tos de­se­ja­vam ape­nas “to­mar co­nhe­ci­men­to” se ha­via um “al­ca­gue­te” en­tre eles.

A Pro­mo­to­ria de­nun­ci­ou o ad­vo­ga­do e Leitão no ar­ti­go 344 do Có­di­go Pe­nal, que tra­ta do uso de vi­o­lên­cia ou gra­ve ame­a­ça, com o fim de fa­vo­re­cer in­te­res­se pró­prio ou alheio, con­tra au­to­ri­da­de, par­te, ou qual­quer ou­tra pes­soa que fun­ci­o­na ou é cha­ma­da a in­ter­vir em pro­ces­so ju­di­ci­al, po­li­ci­al ou ad­mi­nis­tra­ti­vo, ou em juí­zo ar­bi­tral.

A pe­na pre­vis­ta va­ria en­tre um e qua­tro anos de re­clu­são, e mul­ta, além da pe­na cor­res­pon­den­te à vi­o­lên­cia. A de­nún­cia foi en­ca­mi­nha­da pa­ra o juiz da 1ª Va­ra Cri­mi­nal de Ma­rin­gá, pa­ra as me­di­das ca­bí­veis.

Pa­ra o Ga­e­co, o aten­ta­do à Câ­ma­ra vi­sa­va “in­ti­mi­dar e de­ses­ta­bi­li­zar as au­to­ri­da­des e o poder da atu­al che­fia ou ad­mi­nis­tra­ção da 9ª SDP, que de­sen­ca­de­ou uma sé­rie de ope­ra­ções pa­ra des­mon­tar vá­ri­os nú­cle­os do trá­fi­co na ci­da­de.

Pro­cu­ra­do pe­la re­por­ta­gem, o ad­vo­ga­do Mar­cos da Sil­va ne­gou to­das as acu­sa­ções e dis­se que vai pro­var a ino­cên­cia de­le no de­cor­rer do pro­ces­so. Ele não quis co­men­tar as de­nún­ci­as. Pos­te­ri­or­men­te, afir­mou à re­por­ta­gem que já es­ta­ria to­man­do as me­di­das ne­ces­sá­ri­as pa­ra pro­ces­sar os au­to­res da de­nún­cia por da­nos mo­rais.

Aten­ta­do

O aten­ta­do à Câ­ma­ra ocor­reu no dia 31 de ju­lho de 2011. Du­as pes­so­as em uma mo­to pas­sa­ram em fren­te ao pré­dio e efe­tu­a­ram vá­ri­os dis­pa­ros com uma pis­to­la 9mm. Tar­so foi au­tor dos dis­pa­ros, en­quan­to um ado­les­cen­te, de 16 anos, pi­lo­tou a mo­to. Não, ain­da não ti­ve­mos aces­so à de­nún­cia. Che­gan­do ao nos­so co­nhe­ci­men­to, ob­vi­a­men­te que a si­tu­a­ção se­rá ava­li­a­da e, se for o ca­so, te­re­mos que ins­tau­rar pro­ces­so éti­co­ad­mi­nis­tra­ti­vo pa­ra ve­ri­fi­car a pro­ce­dên­cia das acu­sa­ções. De­vo res­sal­tar que tudo se­rá fei­to den­tro da lei, das nor­mas que re­gem a en­ti­da­de, com o de­vi­do di­rei­to ao con­tra­di­tó­rio. Ca­so se­ja en­con­tra­do al­gu­ma pro­va con­cre­ta do fa­to, o Con­se­lho Sec­ci­o­nal ava­li­a­rá a pos­si­bi­li­da­de de sus­pen­são li­mi­nar do acu­sa­do pa­ra, só depois, to­mar a de­ci­são fi­nal. em si­gi­lo, são con­fi­den­ci­ais, so­men­te as par­tes têm co­nhe­ci­men­to do con­teú­do. Co­mo ex-mem­bro do Tri­bu­nal de Éti­ca e Dis­ci­pli­na já pre­sen­ci­ei vá­ri­os ca­sos de ad­vo­ga­dos que fo­ram sus­pen­sos e ex­clu­sos das ati­vi­da­des. To­dos os ca­sos de sus­pen­são e ex­clu­são são co­mu­ni­ca­dos ao Ju­di­ciá­rio pa­ra que eles não vol­tem a pra­ti­car atos de ofi­cio. Já acon­te­ceu de ad­vo­ga­dos sus­pen­sos ten­ta­rem ad­vo­gar e se­rem des­co­ber­tos. To­dos vol­ta­ram a ser pro­ces­sa­dos no­va­men­te. In­te­gra­mos uma en­ti­da­de com­pro­mis­sa­da com a ver­da­de, a éti­ca e a hon­ra. Se ne­ces­sá­rio, cor­ta­mos na pró­pria car­ne.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.