Che­ga ao fim o jul­ga­men­to do men­sa­lão

No mais lon­go e im­por­tan­te pro­ces­so de sua his­tó­ria, Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral con­de­na 25 dos 37 réus; so­ma­das, pe­nas atin­gem 282 anos de pri­são e mul­tas de R$ 22,7 mi­lhões

O Diario do Norte do Parana - - GERAL - Agên­cia Es­ta­do

re­da­cao@odi­a­rio.com O Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) con­cluiu on­tem o jul­ga­men­to do pro­ces­so do men­sa­lão de­ter­mi­nan­do a per­da de man­da­to dos par­la­men­ta­res con­de­na­dos por par­ti­ci­pa­rem do es­que­ma de com­pra de vo­tos du­ran­te o go­ver­no do ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va. Pe­la de­ci­são, após a fa­se de re­cur­sos, que se pro­lon­ga­rá por 2013, ca­be­rá à Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos ape- nas de­cla­rar a saí­da do car­go dos con­de­na­dos. A de­ci­são co­lo­cou o STF em cho­que com o Le­gis­la­ti­vo, que en­ten­de ter o poder de de­ci­dir so­bre o te­ma.

A de­ci­são so­bre os man­da­tos en­vol­ve João Pau­lo Cu­nha (PTSP), Val­de­mar Cos­ta Ne­to (PR-SP) e Pe­dro Henry (PP-MT). O ex-pre­si­den­te do PT José Ge­noi­no, su­plen­te de de­pu­ta­do, de­ve as­su­mir uma ca­dei­ra em ja­nei­ro e tam­bém de­ve ser atin­gi­do pe­la sen­ten­ça. Pa­ra o pre­si­den­te do Su­pre­mo e re­la­tor da ação, Jo­a­quim Bar­bo­sa, ter­mi­nar o jul­ga­men­to foi uma “pro­e­za ex­tra­or­di­ná­ria”. Ele dis­se que nun­ca mais vai se ou­vir fa­lar no Su­pre­mo “de uma ação tão lon­ga, de um jul­ga­men­to tão com­ple­xo”.

Na ses­são de on­tem, a de­fi­ni­ção so­bre os man­da­tos foi to­ma­da com o vo­to do de­ca­no da Cor­te, Celso de Mel­lo. Ele en­ten­deu que a con­de­na­ção cri­mi­nal a uma pe­na su­pe­ri­or a qua­tro anos de pri­são im­pli­ca na sus­pen­são de di­rei­tos po­lí­ti­cos e que, nes­sa hi­pó­te­se, ca­be à Câ­ma­ra ape­nas de­cla­rar a per­da do man­da­to. “Não se po­de vis­lum­brar o exer­cí­cio de man­da­to par­la­men­tar por aque­les cu­jos di­rei­tos po­lí­ti­cos es­tão sus­pen­sos”, des­ta­cou.

O mi­nis­tro res­sal­tou que no vo­to pro­fe­ri­do em 1995 no qual de­fen­deu a en­tre­ga da de­ci­são ao Le­gis­la­ti­vo re­fe­ria-se ape­nas à con­de­na­ção cri­mi­nal e não à sus­pen­são de di­rei­tos po­lí­ti­cos, que de­la de­cor­re. Celso de Mel­lo apro­vei­tou ain­da pa­ra fa­zer ata­ques in­di­re­tos ao pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Mar­co Maia (PT-RS), afir­man­do que não há co­mo o Le­gis­la­ti­vo se in­sur­gir con­tra a de­ci­são do STF.

O re­sul­ta­do dei­xou mais uma vez ven­ci­do o re­vi­sor do pro­ces­so, mi­nis­tro Ricardo Lewan­dows­ki. Ele sus­ten­tou que a de­ci­são fi­nal se­ria da Câ­ma­ra, por­que a Cons­ti­tui­ção as­sim de­ter­mi­na em ca­sos de con­de­na­ção cri­mi­nal tran­si­ta­da em jul­ga­da. Ele foi acom­pa­nha­do so­men­te por Ro­sa We­ber, Cár­men Lú­cia e Di­as Tof­fo­li. A ques­tão, po­rém, po­de­rá ser sus­ci­ta­da pe­la de­fe­sa dos réus em em­bar­gos. Nes­te ca­so, o mi­nis­tro Te­o­ri Za­vasc­ki, in­di­ca­do du­ran­te o jul­ga­men­to, e o subs­ti­tu­to de Car­los Ay­res Brit­to, que se apo­sen­tou, po­de­rão vo­tar e al­te­rar o re­sul­ta­do pro­cla­ma­do on­tem.

Acór­dão

Com o fim do pro­ces­so, a Cor­te te­rá ago­ra de ela­bo­rar o acór­dão da de­ci­são, que, em mé­dia, du­ra ses­sen­ta di­as. Depois des­ta pu­bli­ca­ção, os ad­vo­ga­dos te­rão di- rei­to a fa­zer em­bar­gos de de­cla­ra­ção pe­din­do es­cla­re­ci­men­tos e até ten­tan­do re­ver even­tu­ais con­tra­di­ções. Se­rá dis­cu­ti­da ain­da a pos­si­bi­li­da­de de em­bar­gos in­frin­gen­tes nos ca­sos on­de a con­de­na­ção ocor­reu com di­ver­gên­ci­as. Nes­sa hi­pó­te­se, se­ria ne­ces­sá­rio um no­vo jul­ga­men­to.

Por cau­sa des­tas pos­si­bi­li­da­des, o tér­mi­no de­fi­ni­ti­vo da ação es­tá distante. Ain­da que o Su­pre­mo cum­pra os ses­sen­ta di­as pre­vis­tos pa­ra a pu­bli­ca­ção do acór­dão, as ex­pec­ta­ti­vas são de que so­men­te no fim do pri­mei­ro se­mes­tre do pró­xi­mo ano se­ri­am jul­ga­dos os em­bar­gos. Des­tas de­ci­sões, aliás, po­dem ser sus­ci­ta­dos no­vos ques­ti­o­na­men­tos, atra­san­do ain­da mais a exe­cu­ção.

Pa­ra evi­tar que as ma­no­bras da de­fe­sa pro­te­lem os efei­tos da de­ci­são é que o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co pe­di­rá a pri­são ime­di­a­ta dos réus por meio de pe­ti­ção. O STF en­tra­rá em re­ces­so ama­nhã. Até o dia pri­mei­ro de fe­ve­rei­ro de 2013, o tri­bu­nal fun­ci­o­na­rá em es­que­ma de plan­tão. Nes­se pe­río­do, as de­ci­sões ur­gen­tes se­rão to­ma­das pe­lo pre­si­den­te e re­la­tor do pro­ces­so do men­sa­lão, Jo­a­quim Bar­bo­sa, e pe­lo vi­ce e re­vi­sor da ação, Ricardo Lewan­dows­ki. Os dois de­ve­rão di­vi­dir o pe­río­do de plan­tão.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.