Além do

Atriz Maria Pau­la, que es­tá no elen­co do fil­me “De Per­nas Pro Ar 2”, fa­la so­bre tra­ba­lhos já pla­ne­ja­dos, co­mo o lon­ga “Ra­di­cal Chic” pa­ra 2013

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Luiz Car­los Mer­ten

Maria Pau­la não ‘faz’ o es­ti­lo gos­to­sa – ela é, e vai mui­to bem, obri­ga­do. Em­bo­ra “De Per­nas Pro Ar 2”, de Ro­ber­to San­tuc­ci, se­ja for­ma­ta­do pa­ra In­grid Gui­ma­rães em­pla­car no­vo su­ces­so – ela é a úni­ca mu­lher no clube dos co­me­di­an­tes cam­peões de bi­lhe­te­ria do ci­ne­ma bra­si­lei­ro –, Maria Pau­la tam­bém mar­ca pre­sen­ça ( fiu fiu!) co­mo sua só­cia no ne­gó­cio das sex shops. As du­as vão pa­rar em No­va York e, na inau­gu­ra­ção da no­va lo­ja, pro­ta­go­ni­zam um ba­te-bo­ca bem bai­xo ní­vel, em que Maria Pau­la, is­to é, “Mar­ce­la”, acu­sa a (ex?) co­le­ga, “Ali­ce”, de es­tar que­ren­do rou­bar seu ho­mem.

O fil­me po­de ser de In­grid – to­do mun­do ser­ve de es­ca­da pa­ra ela –, mas Maria Pau­la tem mo­ti­vos pa­ra fes­te­jar. Ela fe­cha o que cha­ma de “ci­clo de sua vi­da” – em­bo­ra se­ja sem­pre as­so­ci­a­da ao bo­om do “Cas­se­ta & Pla­ne­ta” na TV bra­si­lei­ra, Maria Pau­la sur­giu no “Ra­di­cal Chic”, hí­bri­do de pro­gra­ma hu­mo­rís­ti­co e ga­me show. An­dréa Bel­trão fa­zia a per­so­na­gem cri­a­da pe­lo car­tu­nis­ta Miguel Pai­va e Maria Pau­la apre­sen­ta­va o ga­me show. Ago­ra, 19 anos depois – “Ra­di­cal Chic” foi ao ar em 1993 –, Maria Pau­la se­rá a pró­pria Ra­di­cal Chic no lon­ga que Antônio Car­los Fon­tou­ra vai fa­zer no ano que vem.

“Es­tou su­per­fe­liz por­que o pro­gra­ma já ti­nha si­do mui­to in­te­res­san­te. A An­dréa in­ter- pre­ta­va os es­que­tes dos quais saíam os te­mas pro­pos­tos no ga­me show pa­ra es­tu­dan­tes do en­si­no mé­dio e uni­ver­si­tá­ri­os. Eles eram di­vi­di­dos em gru­pos por se­xo e o pro­gra­ma mo­bi­li­za­va tor­ci­das imen­sas.” Ago­ra, Maria Pau­la vai en­car­nar a pró­pria Ra­di­cal Chic, per­so­na­gem que ti­nha uma fi­lo­so­fia to­da pró­pria de vi­da. Al­gu­mas de su­as frases fi­ca­ram fa­mo­sas: “De que adi­an­ta fa­zer plás­ti­ca, se vo­cê se lem­bra do go­ver­no do Jan­go?”; “Cer­tas di­e­tas são sim­ples - bas­ta cor­tar fri­tu­ras, açú­car, mas­sas, be­bi­das al­coó­li­cas... e os pul­sos”; e “Di­zem que es­tou fi­can­do en­jo­a­da, amar­ga, áci­da, sem gra­ça. Não é ver­da­de. É só co­lo­car limão, ado­çan­te, se­xo, ge­lo, bri­lhan­tes e me­xer gos­to­so, que eu fi­co ma­ra-vi-lho-sa!”.

Sex ap­pe­al ati­vi­si­ta

O show vai re­co­me­çar – e Maria Pau­la lem­bra co­mo o pro­gra­ma vol­ta e meia en­fren­ta­va pro­ble­mas com a Va­ra da Fa­mí­lia e do Ado­les­cen­te, por abor­dar o se­xo (e de for­ma ou­sa­da pa­ra a épo­ca). O erotismo es­tá sem­pre as­so­ci­a­do à es­tre­la, que trans­pi­ra sex ap­pe­al. “Eu, hein?”, ela brin­ca. Pois se pre­pa­re pa­ra o que tal­vez se­ja uma sur­pre­sa. Gos­to­sa, sexy, tudo is­so Maria Pau­la po­de ser, mas se a per­so­na­gem de­la às ve­zes pas­sa a ideia de ser, não pro­pri­a­men­te bur­ra, mas “pe­rua”, Maria Pau­la, na vi­da, é ou­tra coi­sa. For­ma­da em Psi­co­lo­gia e Me­di­ci­na Ori­en­tal, ela já tra­tou do pró­prio Ro­má­rio, quan­do ele te­ve uma le­são.

E con­ta: “Fui exer­cer a fun­ção num hos­pi­tal da re­de pú­bli­ca do Rio. As pes­so­as che­ga­vam e da­vam de ca­ra co­mi­go. To­do mun­do fi­ca­va pi­san­do em ovos. Cus­ta­vam a se abrir, fi­ca­vam olhan­do pa­ra os la­dos, com me­do de que fos­se pe­ga­di­nha. Al­guns che­ga­vam a per­gun­tar – cadê a câ­me­ra?” Maria Pau­la não é a úni­ca ar­tis­ta bra­si­lei­ra a par­ti­ci­par de mo­vi­men­tos co­mu­ni­tá­ri­os e po­pu­la­res, mas o faz com tan­ta dis­cri­ção – é a ci- da­dã, não a es­tre­la – que a pró­pria mí­dia não fi­ca alar­de­an­do o fa­to. As en­tre­vis­tas do fil­me “De Per­nas Pro Ar 2” se re­a­li­za­ram em São Pau­lo na se­gun­da­fei­ra da se­ma­na pas­sa­da e, di­as an­tes, Maria Pau­la par­ti­ci­pa­ra de uma mo­bi­li­za­ção con­tra a cor­rup­ção, em Brasília.

“Acho que nun­ca hou­ve, na his­tó­ria des­te País, uma dis­cus­são tão aber­ta e in­ten­sa so­bre o te­ma. Es­ta­mos num mo­men­to his­tó­ri­co de mu­dan­ça, que po­de ser mui­to po­si­ti­vo pa­ra nos­sa evo­lu­ção.” A cor­rup­ção não é o úni­co item que mo­bi­li­za Maria Pau­la. Ago­ra mes­mo, ela par­ti­ci­pa de uma cam­pa­nha do Mi­nis­té­rio da Saú­de, em de­fe­sa do alei­ta­men­to in­fan­til. “Meu fi­lho ca­çu­la, o Fe­li­pe, nas­ceu no Hos­pi­tal Fer­rei­ra Ma­cha­do e eu o ama­men­ta­va. Ha­via, na mes­ma ala, uma ga­ro­ti­nha cheia de pro­ble­mas, e que foi sal­va com meu lei­te. Nós du­as es­ta­mos na cam­pa­nha”, ela con­ta, or­gu­lho­sa. So­fren­do do que pa­re­ce ser uma ale­gria crô­ni­ca, Maria Pau­la não se con­si­de­ra hu­mo­ris­ta. “Acho que é mui­to mais uma ques­tão de ati­tu­de e as­tral do que o fa­to de eu ter veia de co­me­di­an­te”, ava­lia. Des­de 2005, ela pu­bli­ca crô­ni­cas se­ma­nais no “Cor­reio Bra­zi­li­en­se”. Abor­da tudo – o quê? “Tudo, né? Po­lí­ti­ca, cor­rup­ção, as­sun­tos de mu­lher, de com­por­ta­men­to, de se­xo, de meio am­bi­en­te e sus­ten­ta­bi­li­da­de.” É uma es­cri­ta so­ci­al e éti­ca. “Não que­ro dar li­ções de ci­da­da­nia pa­ra nin­guém, mas ser ins­pi­ra­do­ra por mi­nhas ati­tu­des”, diz. “Uma pes­soa que se com­por­ta de for­ma ino­va­do­ra, in­de­pen­den­te, de acor­do com su­as verdades po­de ser con­si­de­ra­da uma pes­soa de ati­tu­de.” As crô­ni­cas fo­ram reu­ni­das no li­vro “Maria Pau­la: Li­ber­da­de Crô­ni­ca”, da Edi­to­ra Fa­ces.

Até por con­ta do li­vro, Maria Pau­la não pa­ra de vi­a­jar pe­lo Bra­sil. “Dou pa­les­tras que atra­em mui­ta gen­te, mui­tos jo­vens.” As­sim co­mo a Ra­di­cal Chic se ex­pres­sa­va por meio de frases, Maria Pau­la tam­bém pos­sui cren­ças. “De­pen­den­do de co­mo vo­cê se co­lo­ca, o mun­do lhe res­pon­de com res­pei­to, ad­mi­ra­ção e re­cep­ti­vi­da­de.” E mais: “Qual­quer de­mons­tra­ção de so­li­da­ri­e­da­de tem um sig­ni­fi­ca­do enor­me pa­ra qu­em es­tá nu­ma si­tu­a­ção di­fí­cil”.

So­bre a Mar­ce­la do “De Per­nas Pro Ar 2”, ela diz: “O 1 já tra­tou do or­gas­mo, en­tão ago­ra a ques­tão é ou­tra. To­do o fil­me é mais so­fis­ti­ca­do, as per­so­na­gens ga­nha­ram mais con­sis­tên­cia, o tom é fa­mi­li­ar”. “De Per­nas Pro Ar 2” es­treia em 28 de de­zem­bro – pa­ra fe­char 2012 com mui­tas ri­sa­das. E an­tes de “Ra­di­cal Chic”, o fil­me, ela es­ta­rá na pró­xi­ma no­ve­la de Maria Adelaide Amaral, às se­te, na Glo­bo, “San­gue Bom”. Vem mui­ta Maria Pau­la por aí.

Divulgação

Maria Pau­la, con­sa­gra­da em pa­pel no Cas­se­ta & Pla­ne­ta, re­ve­la seus ou­tros la­dos co­mo ati­vis­ta e es­cri­to­ra

Divulgação

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.