Ci­da­de cheia de opor­tu­ni­da­des

Com pro­je­to que be­ne­fi­cia com­pra de ter­re­nos e ofe­re­ce be­ne­fí­ci­os, As­tor­ga faz cres­cer co­mo nun­ca seu par­que in­dus­tri­al

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - He­ri­ka Fon­daz­zi

A ideia de que ci­da­des pe­que­nas vi­vem ape­nas do co­mér­cio in­ter­no de pro­du­tos e ser­vi­ços e que gran­des in­dús­tri­as e in­ves­ti­men­tos ape­nas acon­te­cem nos gran­des cen­tros e ca­pi­tais não é mais ver­da­de. Em vá­ri­as ci­da­des, co­mo acon­te­ce no in­te­ri­or do Es­ta­do de São Pau­lo por exem­plo, mu­ni­cí­pi­os com po­pu­la­ções pe­que­nas têm se mos­tra­do in­te­res­san­tes pa­ra os in­ves­ti­do­res das mais diferentes áre­as. No Pa­ra­ná, a ci­da­de de As­tor­ga é um bom exem­plo de que é pos­sí­vel atrair em­pre­sas e in­dús­tri­as mes­mo não es­tan­do en­tre as mais po­pu­lo­sas. Com um no­vo pro­gra­ma de in­dus­tri­a­li­za­ção cri­a­do pe­la pre­fei­tu­ra, a ci­da­de de apro­xi­ma­da­men­te 25 mil ha­bi­tan­tes con­se­guiu atrair ou am­pli­ar 25 em­pre­sas em cer­ca de três anos. “São em­pre­sas dos ra­mos de con­fec­ção, mó­veis, ma­dei­ra e se­men­tes. Até um ho­tel, em­pre­en­di­men­to que não tí­nha­mos an­tes, ago­ra já te­mos”, diz o se­cre­tá­rio mu­ni­ci­pal de In­fra­es­tru­tu­ra e De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co, Al­mir Mat­su­o­ka Cor­reia. O se­gre­do pa­ra tan­tos in­ves­ti­men­tos vem da aju­da que a pre­fei­tu­ra ofe­re­ce pa­ra qu­em de­se­ja se ins­ta­lar em As­tor­ga. O se­cre­tá­rio ex­pli­ca que fo­ram cri­a­dos três no­vos par­ques in­dus­tri­ais na ci­da­de e a pre­fei­tu­ra re­a­li­za a ven­da dos ter­re­nos a pre­ços atra­en­tes pa­ra os in­te­res­sa­dos, além de ofe­re­cer ou­tros be­ne­fí­ci­os. “O metro qua­dra­do ven­di­do por nós ho­je es­tá em cer­ca de R$ 12, o que já é bas­tan­te van­ta­jo­so. Além dis­so, a pre­fei­tu­ra ofe­re­ce apoio pa­ra ins­ta­la­ção co­mo ter­ra­pla­na­gem e ener­gia elé­tri­ca”. Em con­tra­par­ti­da, os em­pre­sá­ri­os pre­ci­sam cons­truir ao me­nos em 10% do ter­re­no com­pra­do e ins­ta­lar su­as em­pre­sas em um pra­zo de 12 me­ses. “An­ti­ga­men­te a pre­fei­tu­ra fa­zia uma pro­mes­sa de do­a­ção dos ter­re­nos, mas is­so não era in­te­res­san­te por­que o em­pre­sá­rio não ti­nha na­da pa­ra dar co­mo ga­ran­tia em um fi­nan­ci­a­men­to, por exem­plo. O tem­po pas­sa­va e ele não con­se­guia cons­truir. Ago­ra ele po­de usar o ter­re­no pa­ra ob­ter cré­di­to. Ele ain­da pre­ci­sa cum­prir o com­bi­na­do no con­tra­to, que é cons­truir e con­tra­tar um nú­me­ro de fun­ci­o­ná­ri­os de­ter­mi­na­do por ele an­tes da com­pra, mas as coi­sas fi­ca­ram mais fá­ceis”, ga­ran­te Cor­reia. As em­pre­sas tam­bém re­ce­bem isen­ção de im­pos­tos que va­ria de 20% a 100% por pe­río­dos va­ri­a­dos. “Tudo vai de­pen­der do nú­me­ro de fun­ci­o­ná­ri­os que a em­pre­sa irá con­tra­tar”, lem­bra o se­cre­tá­rio. Se­gun­do o pre­fei­to de As­tor­ga, Ar­qui­me­des Zi­rol­do – o Be­ga – o gran­de ob­je­ti­vo do pla­no foi ge­rar em­pre­gos. “O di­nhei­ro que usa­mos pa­ra es­se pro­je­to an­tes era usa­do pa­ra ação so­ci­al. Pa­ra­mos de dar as coi­sas pa­ra ofe­re­cer emprego pa­ra a po­pu­la­ção, que é o fun­da­men­tal pa­ra ci­da­da­nia e au­to­es­ti­ma”, afir­ma. O di­nhei­ro que ge­ra as ações so­ci­ais do mu­ni­cí­pio ho­je vem, de acor­do com Cor­reia, do au­men­to dos im­pos­tos e do poder de com­pra da po­pu­la­ção. “A ar­re­ca­da­ção mu­ni­ci­pal em 2009 foi de R$ 28 mi­lhões; em 2012 atin­gi­mos R$ 44 mi­lhões. E ago­ra usa­mos es­se di­nhei­ro pa­ra fi­nan­ci­ar a saú­de, a in­fra­es­tru­tu­ra da ci­da­de e in­ves­ti­men­tos em ou­tras áre­as”, men­ci­o­na.

Pro­gra­ma de in­cen­ti­vo tem atraí­do no­vas em­pre­sas pa­ra As­tor­ga, além de per­mi­tir a am­pli­a­ção das já ins­ta­la­das na ci­da­de, mo­vi­men­tan­do a eco­no­mia lo­cal

Ricardo Lo­pes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.