His­tó­ria con­ta­da pe­los pi­o­nei­ros

Ao lon­go dos 60 anos de fun­da­ção, a ci­da­de se de­sen­vol­veu, mas não per­deu uma im­por­tan­te ca­rac­te­rís­ti­ca: a qua­li­da­de de vi­da

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Fer­nan­da Ber­to­la

Em meio a al­guns pro­du­tos ex­pos­tos e uma má­qui­na de be­ne­fí­cio de ar­roz de­sa­ti­va­da há pou­co tem­po, no es­ta­be­le­ci­men­to de es­tru­tu­ra in­tac­ta há 56 anos, cons­truí­do com pa­re­des de ma­dei­ra, co­ber­to com te­lhas de bar­ro e vi­gas de ma­dei­ra à mos­tra, um dos 25 mil mo­ra­do­res de As­tor­ga, o co­mer­ci­an­te Or­lan­do Pa­la­di­ni, 75, lem­bra dos pri­mei­ros anos na ci­da­de. Quan­do Pa­la­di­ni se mu­dou com a fa­mí­lia de Bar­re­tos, no Es­ta­do de São Pau­lo, pa­ra As­tor­ga, a ci­da­de ti­nha ‘meia-dú­zia’ de ven­das, ru­as de ter­ra e um fu­tu­ro, até en­tão, im­pen­sá­vel. “Pa­rei de tra­ba­lhar com agri­cul­tu­ra quan­do com­prei a ven­da há 38 anos. Era um dos pou­cos co­mér­ci­os da ci­da­de”, con­ta. “Ho­je há su­per­mer­ca­dos, lo­jas e um co­mér­cio con­so­li­da­do”, diz, re­fe­rin­do-se ao mu­ni­cí­pio que se de­sen­vol­veu ao lon­go dos 60 anos. Pa­la­di­ni lem­bra que o cres­ci­men­to de As­tor­ga se deu a par­tir das dé­ca­das de 70 e 80. “Pri­mei­ro vi­e­ram as ru­as de pa­ra­le­le­pí­pe­do e só depois o as­fal­to”, diz. Ele acres­cen­ta que a eco­no­mia, ba­se­a­da na pro­du­ção de ca­fé, deu es­pa­ço à ca­na-de-açú­car e à so­ja, após o epi­só­dio que des­truiu os ca­fe­zais e fi­cou co­nhe­ci­do co­mo Ge­a­da Ne­gra de 1975. Ape­sar do avan­ço in­dus­tri­al e co­mer­ci­al, Pa­la­di­ni des­ta­ca co­mo pon­to for­te a ma­nu­ten­ção da qua­li­da­de de vi­da na ci­da­de que es­co­lheu pa­ra cri­ar os três fi­lhos, jun­ta­men­te com a es­po­sa. “Meus fi­lhos fre­quen­ta­ram a es­co­la, tra­ba­lha­mos du­ro na ven­da e con­se­gui­mos cons­truir uma his­tó­ria que se mis­tu­ra aos 60 anos da ci­da­de”, ex­pli­ca. Qu­em tam­bém viu As­tor­ga se trans­for­mar ao lon­go dos anos foi o agri­cul­tor apo­sen­ta­do Eloi Cam­pi­o­lo, 71. As­sim co­mo Pa­la­di­ni, ele se lem­bra da ci­da­de quan­do ti­nha ape­nas oi­to anos. “Ha­via pou­cas ven­das e um ho­tel de ma­dei­ra no lo­cal on­de ho­je se en­con­tra o cen­tro. Era tudo co­mer­ci­a­li­za­do em sa­ca­ri­as, di­fe­ren­te do que en­con­tra­mos ho­je no mer­ca­do, em pe­que­nas quan­ti­da­des”, re­cor­da, na chá­ca­ra em que vi­ve há 16 anos. Pa­ra che­gar à es­co­la na­que­la épo­ca, Cam­pi­o­lo ca­mi­nha­va cer­ca de cin­co quilô­me­tros por uma es­tra­da de ter­ra. “Os tem­pos eram ou­tros. Não tí­nha­mos água en­ca­na­da, uti­li­zá­va­mos água do po­ço, e a ilu­mi­na­ção era à ba­se de lam­pa­ri­nas que bri­lha­vam com a qu­ei­ma do que­ro­se­ne”. Ele tra­ba­lhou com má­qui­na de be­ne­fí­cio de ar­roz, al­go­dão e ga­do lei­tei­ro e ain­da ho­je cul­ti­va ár­vo­res fru­tí­fe­ras, hor­tas e cria al­gu­mas ca­be­ças de ga­do. Na dé­ca­da de 70, quan­do seus fi­lhos co­me­ça­ram a es­tu­dar, já ha­via es­co­las na ci­da­de e eles não pre­ci­sa­ram an­dar um lon­go percurso, co­mo ele tan­tas vez fez. Cam­pi­o­lo viu a água che­gar en­ca­na­da e a ilu­mi­na­ção por ca­bos. Tam­bém acom­pa­nhou a subs­ti­tui­ção dos pa­ra­le­le­pí­pe­do por as­fal­to. Do trans­por­te fei­to por meio de tra­ção ani­mal aos car­ros. Ele re­for­ça, no en­tan­to, que a cal­ma e tran­qui­li­da­de da­que­le tem­po per­sis­tem ain­da ho­je, mes­mo depois de to­das as mu­dan­ças. “Mi­nha fa­mí­lia sem­pre te­ve o que pre­ci­sou pa­ra uma vi­da dig­na”, de­cla­ra. As­tor­ga, a ci­da­de de ori­gem da du­pla ser­ta­ne­ja Chi­tão­zi­nho e Xo­ro­ró, com­ple­tou 60 anos no dia 14 de de­zem­bro. Pa­ra co­me­mo­rar em gran­de es­ti­lo, a pre­fei­tu­ra em par­ce­ria com a As­so­ci­a­ção Co­mer­ci­al, Em­pre­sa­ri­al e Agrí­co­la de As­tor­ga (Ace­aa) re­a­li­zou a 3ª Fes­ta da Luz e Ami­za­de, nos di­as 14, 15 e 16. To­das as noi­tes, a par­tir das 19 ho­ras, fun­ci­o­na­ram bar­ra­cas de ali­men­ta­ção. Além dis­so, fo­ram re­a­li­za­dos shows no cen­tro da ci­da­de que reu­ni­ram em fes­ta cen­te­nas de mo­ra­do­res.

Pa­la­di­ni ain­da man­tém a ven­da des­de que foi cons­truí­da em 1956

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.