O me­ni­no foi es­que­ci­do

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

A agi­ta­ção de fi­nal de ano é in­ten­sa. Pes­so­as amon­to­am-se nas lo­jas pa­ra as com­pras de úl­ti­ma ho­ra. To­dos com mui­ta pres­sa, ten­tan­do en­con­trar o pre­sen­te ide­al pa­ra os ami­gos e fa­mi­li­a­res. Os lo­jis­tas ca­pri­cham na de­co­ra­ção, com vi­tri­nes re­ple­tas de ár­vo­res ilu­mi­na­das por lâm­pa­das mul­ti­co­lo­ri­das e ar­ran­jos com mo­ti­vos na­ta­li­nos. Se­nho­res com lon­gas bar­bas e ca­be­los bran­cos exi­bem sua fal­sa opu­lên­cia, en­fi­a­dos nu­ma ves­ti­men­ta ver­me­lha com­ple­men­ta­da por bo­tas e gor­ros de in­ver­no, in­du­men­tá­ria na­da com­pa­tí­vel com a atu­al es­ta­ção do ano no país tro­pi­cal. A co­nhe­ci­da e pon­tu­a­da gar­ga­lha­da re­me­te à fi­gu­ra emi­nen­te­men­te ár­ti­ca, as­sim co­mo a ne­ve fei­ta de al­go­dão. Os pe­que­nos se en­can­tam com ta­ma­nho es­me­ro e cri­a­ti­vi­da­de, uma es­tra­té­gia in­te­li­gen­te pa­ra atrair e con­ven­cer o con­su­mi­dor sa­zo­nal, que nes­sa épo­ca tra­di­ci­o­nal­men­te cos­tu­ma efe­tu­ar com­pras des­ne­ces­sá­ri­as, mo­ti­va­das pe­lo “es­pí­ri­to na­ta­li­no”.

Em meio à cor­re­ria, o me­ni­no é es­que­ci­do. To­dos se vol­tam ao ape­go mer­can­ti­lis­ta e às fu­ti­li­da­des do ca­pi­ta­lis­mo, dei­xan­do pa­ra trás o ver­da­dei­ro ho­me­na­ge­a­do. O ani­ver­sa­ri­an­te es­pe­ra pa­ci­en­te­men­te pe­la nos­sa aten­ção, po­rém não te­mos tem­po nem pa­ra uma sin­ge­la lem­bran­ça. Afi­nal, nas­cer nu­ma es­tre­ba­ria em meio aos ani­mais não con­fe­re im­por­tân­cia al­gu­ma a nin­guém, mui­to me­nos nos di­as atu­ais. Pre­fe­ri­mos as cei­as far­tas e os ex­ces­sos de to­do ti­po. Por­que a ale­gria do Na­tal de­ve pre­va­le­cer, re­pre­sen­ta­da pe­lo seu “sím­bo­lo má­xi­mo,” que en­can­ta adul­tos e cri­an­ças. A atu­a­ção bem en­sai­a­da e re­pe­ti­da inú­me­ras ve­zes não dei­xa dú­vi­das quan­to ao su­ces­so do per­so­na­gem. Pa­pai No­el che­ga do Pó­lo Nor­te num tre­nó pu­xa­do por re­nas pa­ra aten­der aos in­con­tá­veis pe­di­dos de pre­sen­tes. O sa­cri­fí­cio da rou­pa incô­mo­da e do ca­lor in­su­por­tá­vel é re­com­pen­sa­do, ga­ran­tin­do uma ren­da ex­tra no fi­nal do ano.

Es­ta­mos mais dis­tan­tes e in­sen­sí­veis aos ape­los da­que­le que veio pa­ra nos sal­var. Os pre­sé­pi­os são ca­da vez mais ra­ros e não atra­em co­mo as no­vi­da­des tec­no­ló­gi­cas da atu­a­li­da­de. Nu­ma épo­ca não mui­to distante, os pe­que­nos se en­can­ta­vam com a sim­pli­ci­da­de e o sim­bo­lis­mo da­que­le que foi um dos mo­men­tos mais im­por­tan­tes pa­ra a hu­ma­ni­da­de. O nas­ci­men­to do me­ni­no Je­sus já não co­mo­ve as pes­so­as, que ele­ge­ram ou­tras pri­o­ri­da­des com uma pro­gra­ma­ção na­da vol­ta­da aos pre­cei­tos cris­tãos. Dei­xa­mos pa­ra trás as bo­as ações que le­va­vam o au­xí­lio aos mais ne­ces­si­ta­dos. Por con­ta dos com­pro­mis­sos agen­da­dos, nem per­ce­be­mos que o Fi­lho de Deus pe­ram­bu­la pe­las ru­as am­pa­ran­do o ca­ta­dor de re­ci­clá­veis, ou que per­ma­ne­ce ao la­do do lei­to de um en­fer­mo, ali­vi­an­do su­as do­res; que con­so­la a mãe que per­deu seu fi­lho pa­ra o mun­do das dro­gas e do cri­me, ou que so­fre com a tris­te­za do ido­so es­que­ci­do pe­los fa­mi­li­a­res em al­gum abri­go qual­quer; que ob­ser­va de per­to o me­nos­pre­zo e a in­di­fe­ren­ça diá­ria aos me­nos pri­vi­le­gi­a­dos na vi­da, que num sim­ples ges­to bus­cam tão so­men­te aju­da pa­ra o sus­ten­to dos fi­lhos.

O Na­tal es­tá mais co­lo­ri­do, mas tam­bém mui­to me­nos fe­liz. O va­zio do con­su­mis­mo de­sen­fre­a­do pre­va­le­ce so­bre os sen­ti­men­tos de amor ao pró­xi­mo e de per­dão. Dei­xa­mos pas­sar a opor­tu­ni­da­de de li­vrar nos­so co­ra­ção do ran­cor, da in­ve­ja, da so­ber­ba e da usu­ra. Con­ti­nu­a­mos a ele­ger fu­ti­li­da­des co­mo pri­o­ri­da­des em nos­sa vi­da. E o me­ni­no, mais uma vez, aca­ba es­que­ci­do. Mas Ele é pa­ci­en­te, e só es­pe­ra uma opor­tu­ni­da­de pa­ra nos re­ce­ber de bra­ços aber­tos. Os mes­mos bra­ços que um dia fo­ram cru­el­men­te pre­ga­dos na ma­dei­ra. O me­ni­no es­tá che­gan­do, mas ain­da há tem­po. En­tão apres­se­mo-nos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.