Pro­je­to pa­ra ter­re­no da an­ti­ga ro­do­viá­ria vai mu­dar

UR­BA­NIS­MO Pro­pos­ta apre­sen­ta­da por cons­tru­to­ra de Cu­ri­ti­ba foi apro­va­da por co­mis­são de li­ci­ta­ções, mas con­cep­ção fi­cou “abai­xo das ex­pec­ta­ti­vas”; em­pre­sa pro­me­te mu­dan­ças De­fi­ni­ção es­pe­ra­da há 5 anos

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Fábio Lin­jar­di

lin­jar­di@odi­a­rio.com Cri­ti­ca­do pe­la co­mis­são de li­ci­ta­ções da Pre­fei­tu­ra de Ma­rin­gá, o pro­je­to ar­qui­tetô­ni­co pa­ra a cons­tru­ção de tor­res re­si­den­ci­ais e co­mer­ci­ais no ter­re­no da an­ti­ga ro­do­viá­ria se­rá re­fei­to. A ra­zão pa­ra a mu­dan­ça do de­se­nho es­tá na ex­pec­ta­ti­va de que no lo­cal se­ja er­gui­do um “mar­co na pai­sa­gem ur­ba­na” da ci­da­de.

A úni­ca em­pre­sa que se in­te­res­sou em apre­sen­tar um pro­je­to pa­ra a área, a Ca­sa­Al­ta Cons­tru­ções, de Cu­ri­ti­ba, con­cor­dou em mu­dar o vi­su­al das du­as tor­res e do cen­tro cul­tu­ral. O pro­je­to foi apre­sen­ta­do em ju­nho, e a de­ci­são, que clas­si­fi­ca a em­pre­sa co­mo ha­bi­li­ta­da pa­ra dar se­gui­men­to à obra, só saiu na quin­ta-fei­ra da se­ma­na pas­sa­da, após qua­se 6 me­ses de aná­li­ses da do­cu­men­ta­ção na pre­fei­tu­ra.

A reu­nião da se­ma­na pas­sa­da de­cla­rou a Ca­sa­Al­ta ven­ce­do­ra da li­ci­ta­ção, por aten­der tec­ni­ca­men­te a to­dos os itens pre­vis­tos no edi­tal. Ven­ceu, mas não agra­dou, con­for­me dei­xa cla­ro a ata do jul­ga­men­to. “Ape­sar do an­te­pro­je­to ter si­do apro­va­do, sua con­cep­ção fi­cou abai­xo das ex­pec­ta­ti­vas, uma vez que por se lo­ca­li­zar no ter­re­no mais cen­tral e va­lo­ri­za­do da ci­da­de, de­ve­ria tor­nar-se um mar­co na pai­sa­gem ur­ba­na de Ma­rin­gá, quer pe­lo seu ca­rá­ter ino­va­dor, sua for­mu­la­ção plás­ti­ca, fun­ci­o­nal e estrutural, bem co­mo pe­la tec­no­lo­gia ado­ta­da”, diz o re­la­tó­rio da Co­mis­são de Li­ci­ta­ções, pro­du­zi­do no dia 13.

En­tre os itens pre­vis­tos no edi­tal cons­tam pra­zo pa­ra a en­tre­ga da obra, me­lhor pro­je­to do es­pa­ço pú­bli­co e uso de tec­no­lo­gi­as de con­tro­le do am­bi­en­te. A no­ta mais bai­xa foi no que­si­to “as­pec­to ino­va­dor do con­cei­to ar­qui­tetô­ni­co”, no qual do má­xi­mo de 20 pon­tos, ape­nas 10,36 fo­ram atri­buí­dos ao pro­je­to.

O do­cu­men­to é as­si­na­do por três ar­qui­te­tos da pre­fei­tu­ra: José Vi­cen­te Al­ves do So­cor­ro, Katia Si­mohi­ro e Mi­ka Ya­da No­gu­chi – pre­si­den­te e mem­bros da Co­mis­são de Li­ci­ta­ções, res­pec­ti­va­men­te –, e pro­põe oi­to mu­dan­ças na pro­pos­ta. Den­tre as al­te­ra­ções su­ge­ri­das, a de mai­or im­pac­to vi­su­al é a que pe­de “re­for­mu­la­ção ge­ral do edi­fí­cio re­si­den­ci­al, de mo­do a ele­var-lhe o pa­drão de qua­li­da­de ar­qui­tetô­ni­ca (&), pos­si­vel­men­te di­vi­din­do o edi­fí­cio em du­as tor­res jus­ta­pos­tas”.

Vai mu­dar

O pre­si­den­te da Ca­sa­Al­ta, Jua- “Va­mos pro­cu­rar fa­zer uma ar­qui­te­tu­ra mais ar­ro­ja­da. Se­rá um em­pre­en­di­men­to que Ma­rin­gá não es­que­ce­rá” rez Wi­eck, afir­ma que se em­pol­gou com a lo­ca­li­za­ção do ter­re­no e diz que o pro­je­to se­rá al­te­ra­do. Se­gun­do ele, a es­ti­ma­ti­va é de que até fe­ve­rei­ro um no­vo de­se­nho es­te­ja pron­to. “Te­mos pres­sa”, ga­ran­te. “Con­fes­so que não co­nhe­cia nem o pre­fei­to, nem o ter­re­no quan­do de­ci­di par­ti­ci­par da li­ci­ta­ção. Cla­ro que a gen­te ti­nha in­for­ma­ções so­bre o ter­re­no, mas eu ain­da não ha­via o vi­si­ta­do”, diz o em­pre­sá­rio. “Vi o lo­cal e acho que o pro­je­to vai ser bem mais bo­ni­to do que o ou­tro. Va­mos pro­cu­rar fa­zer uma ar­qui­te­tu­ra mais ar­ro­ja­da. Se­rá um em­pre­en­di­men­to que Ma­rin­gá não vai es­que­cer”, diz.

Wi­eck não adi­an­ta o va­lor que pre­ten­de co­brar por uni­da­de re­si­den­ci­al e co­mer­ci­al a ser ven­di­da. O an­te­pro­je­to apre­sen­ta­do à pre­fei­tu­ra pre­via a cons­tru­ção de uma tor­re re­si­den­ci­al com 34 pa­vi­men­tos e 12 apar­ta­men­tos por an­dar. Já a tor­re co­mer­ci­al te­ria 24 pa­vi­men­tos, com um nú­me­ro flu­tu­an­te de uni­da­des por an­dar. Ain­da se­gun­do o pro­je­to ini­ci­al, se­ria cons­truí­do e do­a­do à pre­fei­tu­ra, no mes­mo ter­re­no, um cen­tro cul­tu­ral com três pa­vi­men­tos e 4.778 me­tros qua­dra­dos.

A em­pre­sa não fa­la em pre­ços, mas se­gun­do o em­pre­sá­rio, não há a in­ten­ção de se fa­zer um em­pre­en­di­men­to com va­lo­res aci­ma da re­a­li­da­de lo­cal. “A in­ten­ção não é fa­zer al­go ca­ro”, adi­an­ta. Re­for­mu­la­ção das ga­ra­gens do pri­mei­ro sub­so­lo (ao to­do o pro­je­to pre­vê qua­tro), evi­tan­do aces­sos aber­tos di­re­ta­men­te pa­ra a rua. A in­ten­ção é dei­xar as ram­pas mais dis­cre­tas. Se­pa­ra­ção das cir­cu­la­ções des­ti­na­das a veí­cu­los e pe­des­tres en­tre as ga­ra­gens do edi­fí­cio com o fu­tu­ro sub­so­lo da Pra­ça Ra­po­so Ta­va­res e do Ter­mi­nal In­ter­mo­dal. Pre­cau­ção pa­ra evi­tar con itos en­tre os pro­je­tos das três obras no fu­tu­ro. Es­pe­ci ca­ção dos pa­drões de qua­li­da­de dos re­ves­ti­men­tos de pa­re­des, pi­sos e te­tos, ele­va­do­res e de­mais ma­te­ri­ais e equi­pa­men­tos a se­rem em­pre­ga­dos nas áre­as de es­pa­ço pú­bli­co. Re­for­mu­la­ção ge­ral do edi­fí­cio re­si­den­ci­al, de mo­do a ele­var-lhe o pa­drão de qua­li­da­de ar­qui­tetô­ni­ca, com a re­du­ção de uni­da­des por an­dar, pos­si­vel­men­te di­vi­din­do o edi­fí­cio em du­as tor­res jus­ta­pos­tas, com di­men­si­o­na­men­to mais ge­ne­ro­so das cir­cu­la­ções co­muns e pro­je­to mais ar­ro­ja­do fa­cha­das. Ra­ci­o­na­li­za­ção do es­que­ma ge­ral de cir­cu­la­ção ver­ti­cal, ve­ri can­do a re­du­ção do nú­me­ro de es­ca­das en­clau­su­ra­das pro­pos­tas nos di­ver­sos lo­cais da edi ca­ção. Re­vi­são ex­ten­si­va da con­cep­ção ar­qui­tetô­ni­ca, de mo­do que o mes­mo ve­nha a aten­der às ex­pec­ta­ti­vas da po­pu­la­ção no sen­ti­do de cons­ti­tuir-se em um íco­ne na pai­sa­gem ur­ba­na de Ma­rin­gá, ca­paz de in uen­ci­ar po­si­ti­va­men­te to­dos os de­mais em­pre­en­di­men­tos que vi­e­rem a sur­gir em seu en­tor­no e ala­van­car a re­no­va­ção do es­pa­ço cons­truí­do no cen­tro da ci­da­de. A “no­ve­la” en­vol­ven­do os cer­ca de 10 mil me­tros qua­dra­dos do ter­re­no da an­ti­ga ro­do­viá­ria co­me­çou com a in­ter­di­ção do pré­dio, após a que­da de par­te da co­ber­tu­ra me­tá­li­ca, em 2007. O imó­vel foi de­mo­li­do em 2010, após uma de­sa­pro­pri­a­ção de­ci­di­da na Jus­ti­ça.

O pas­so se­guin­te na de­fi­ni­ção do fu­tu­ro de um dos lo­tes mais cen­trais de Ma­rin­gá é a cons­tru­ção de tor­res re­si­den­ci­ais e co­mer­ci­al, além de um cen­tro cul­tu­ral. O pro­je­to é da ini­ci­a­ti­va pri­va­da, que ga­nha­rá o lo­te em tro­ca da cons­tru­ção do cen­tro cul­tu­ral pa­ra a pre­fei­tu­ra.

A pri­mei­ra li­ci­ta­ção pa­ra a do­a­ção do ter­re­no foi aber­ta em 2008, mas aca­bou anu­la­da por meio de ações dos an­ti­gos condô­mi­nos da ro­do­viá­ria na Jus­ti­ça.

Uma no­va ten­ta­ti­va foi fei­ta no ano pas­sa­do, mas ter­mi­nou frus­tra­da pe­la au­sên­cia de par­ti­ci­pan­tes. A con­clu­são foi de que o edi­tal não era viá­vel eco­no­mi­ca­men­te pa­ra as em­pre­sas, pois exi­gia que 20% da área cons­truí­da fos­se pa­ra a pre­fei­tu­ra. Pa­ra a li­ci­ta­ção se­guin­te, a área des­ti­na­da ao mu­ni­cí­pio foi re­du­zi­da.

A se­gun­da li­ci­ta­ção ocor­reu em ju­nho des­te ano e con­tou com ape­nas uma pro­pos­ta, da Ca­sa­Al­ta Cons­tru­to­ra Lt­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.