Cres­ce o to­tal de ca­sa­men­tos de­cla­ra­dos nu­los

Tri­bu­nal Ecle­siás­ti­co In­ter­di­o­ce­sa­no de Ma­rin­gá re­a­li­zou 85 pro­ces­sos do ti­po no ano pas­sa­do, con­tra 72 em 2010; po­pu­la­ri­za­ção da en­ti­da­de é um dos mo­ti­vos pa­ra a al­ta

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Car­la Gu­e­des

car­la@odi­a­rio.com O nú­me­ro de ca­sa­men­tos de­cla­ra­dos nu­los pe­la Igre­ja Ca­tó­li­ca cres­ceu 18% em 2 anos na re­gião. Em 2010, 72 ma­trimô­ni­os con­se­gui­ram tal de­cla­ra­ção; nes­te ano fo­ram 85. Ou­tros 120 ca­sais es­tão na fi­la, à es­pe­ra da nu­li­da­de pe­lo Tri­bu­nal Ecle­siás­ti­co In­ter­di­o­ce­sa­no de Ma­rin­gá, que aten­de as di­o­ce­ses de Ma­rin­gá, Pa­ra­na­vaí, Umu­a­ra­ma e Cam­po Mourão.

Há du­as ex­pli­ca­ções pa­ra es­ta al­ta. Se­gun­do o pa­dre Dir­ceu Al­ves do Nas­ci­men­to, pre­si­den­te do tri­bu­nal, 98% dos pe­di­dos são de ca­sais que já vi­vem em se­gun­da união, mas que­rem se ca­sar no­va­men­te na igre­ja. Por ter si­do cri­a­da em 2007, a en­ti­da­de co­me­çou ago­ra a fi­car mais co­nhe­ci­da.

Os pro­ces­sos de nu­li­da­de são jul­ga­dos por três juí­zes, que são pa­dres ou diá­co­nos – um de­les po­de ser lei­go – for­ma­dos em Di­rei­to Canônico. Na tra­mi­ta­ção, um ou­tro pa­dre, in­ti­tu­la­do de­fen­sor do vín­cu­lo, fa­rá de tudo pa­ra pro­var que o en­la­ce é vá­li­do. Em ca­sos es­pe­ci­ais há a par­ti­ci­pa­ção de um pro­mo­tor de Jus­ti­ça.

Se­gun­do o tri­bu­nal, são 11 os prin­ci­pais mo­ti­vos que le­vam aos pe­di­dos de de­cla­ra­ção de nu­li­da­de da união, en­tre os quais ca­rên­cia do uso da ra­zão, in­ca­pa­ci­da­de de as­su­mir as obri­ga­ções do ma­trimô­nio por cau­sas psí­qui­cas, er­ro so­bre a pes­soa, de­fei- to de dis­cri­ção de juí­zo, do­lo pro­vo­ca­do pa­ra ob­ter con­sen­ti­men­to e ca­sa­men­to con­traí­do por vi­o­lên­cia ou me­do gra­ve.

“A má­xi­ma cris­tã de que ‘o que Deus uniu o ho­mem não se­pa­ra? con­ti­nua va­len­do, vai va­ler sem­pre”, afir­ma Dir­ceu. “Se a igre­ja cons­ta­tar que fal­tou um re­qui­si­to, vai de­cla­rar que não hou­ve sacramento, mes­mo as pes­so­as ten­do fei­to a ce­le­bra­ção, mo­ra­do jun­tas e ti­do fi­lhos”, ex­pli­ca.

O pro­ces­so de nu­li­da­de le­va ao me­nos 2 anos. As­sim que o tri­bu­nal de­ci­de que o ca­sa­men­to é nu­lo, é pos­sí­vel ca­sar-se no­va­men­te na igre­ja, ime­di­a­ta­men­te.

O Tri­bu­nal Ecle­siás­ti­co In­ter­di­o­ce­sa­no de Ma­rin­gá con­ce­de de­ci­sões em pri­mei­ra ins­tân­cia. Se os ca­sais não con­cor­da­rem com a sen­ten­ça, ain­da po­dem re­cor­rer a tri­bu­nais de se­gun­da ins­tân­cia.

A atu­a­ção do Tri­bu­nal Ecle­siás­ti­co não se li­mi­ta à nu­li­da­de de ca­sa­men­tos, ape­sar de 90% dos tra­ba­lhos se­rem de­di­ca­dos a es­sa fun­ção. O pa­pel da en­ti­da­de é re­sol­ver con­fli­tos, co­mo vi­o­la­ção das leis ecle­siás­ti­cas, esclarecer cul­pas e apli­car pe­nas. “A igre­ja é uma so­ci­e­da­de de pes­so­as que se re­la­ci­o­nam, cri­an­do obri­ga­ções vin­cu­lan­tes que ge­ram, às ve­zes, li­tí­gi­os e con­fli­tos, que pre­ci­sam de mei­os pa­ra fa­ci­li­tar e pos­si­bi­li­tar a jus­ti­ça”, ex­pli­ca o pa­dre Dir­ceu.

Ra­fa­el Sil­va

Dou­glas Mar­çal

O pa­dre Dir­ceu pre­si­de o tri­bu­nal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.