Pa­ra­ná pro­duz me­nos ca­na e usi­nas fi­cam oci­o­sas

Crise cas­ti­ga o se­tor que es­tá pre­sen­te na eco­no­mia de 140 mu­ni­cí­pi­os e ge­ra 75 mil em­pre­gos. Pa­ra li­de­ran­ças, go­ver­no pre­ci­sa di­zer o que pre­ten­de pa­ra o eta­nol

O Diario do Norte do Parana - - AGRONEGÓCIO - Ro­gé­rio Rec­co

A crise que su­fo­ca o se­tor ca­na­vi­ei­ro no Pa­ra­ná é pro­por­ci­o­nal ao seu ta­ma­nho. Até al­guns anos, 30 in­dús­tri­as for­ta­le­ci­am a eco­no­mia de cer­ca de 140 mu­ni­cí­pi­os, ge­ran­do de­sen­vol­vi­men­to e mais de 75 mil pos­tos de tra­ba­lho.

Atu­al­men­te, três de­las es­tão pa­ra­das e al­gu­mas en­fren­tam di­fi­cul­da­des. A área cul­ti­va­da, que não cres­ce há qua­tro sa­fras, vem di­mi­nuin­do a ofer­ta de ca­na em ra­zão da per­da de pro­du­ti­vi­da­de das la­vou­ras, que dei­xa­ram de ser fer­ti­li­za­das. De 2009 pa­ra cá, a mé­dia dos ca­na­vi­ais caiu de 84 to­ne­la- das por hec­ta­re pa­ra as atu­ais 65. Me­nos ma­té­ria-pri­ma sig­ni­fi­ca oci­o­si­da­de in­dus­tri­al e au­men­to de cus­tos.

Sem avan­çar, o Es­ta­do que por dé­ca­das fi­gu­rou em se­gun­do lu­gar en­tre os prin­ci­pais pro­du­to­res, só per­den­do pa­ra São Pau­lo, vai fi­can­do na po­ei­ra. O Pa­ra­ná é atu­al­men­te ape­nas o 4º em área plan­ta­da, o 5º em pro­du­ção de ca­na, o 3º em vo­lu­me de açú­car e o 5º em eta­nol.

Um ver­da­dei­ro ema­ra­nha­do de fa­to­res ex­pli­ca a si­tu­a­ção. Co­me­ça com a crise fi­nan­cei­ra in­ter­na­ci­o­nal de 2008 e se apro­fun­da à me­di­da que há re­du­ção no flu­xo de fi­nan­ci­a­men­tos ex­ter­nos às usi­nas bra­si­lei­ras, con­for­me ex­pli­ca o pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção dos Pro­du­to­res de Bi­o­e­ner­gia do Es­ta­do do Pa­ra­ná (Al­co­par), Miguel Tra­nin.

Se­gun­do ele, em 2011, quan­do o go­ver­no fe­de­ral ins­ti­tuiu por meio do BNDES a li­nha de cré­di­to Pro­re­no­va, vi­san­do a pos­si­bi­li­tar no­vos plan­ti­os e a re­for­ma de ca­na­vi­ais, o se­tor re­ce­a­va con­trair dí­vi­das em ra­zão fal­ta de pers­pec­ti­vas. Não bas­tas­se, o Pa­ra­ná tem si­do um dos Es­ta­dos mais pre­ju­di­ca­dos pe­lo cli­ma, com es­ti­a­gens pra­ti­ca­men­te to­dos os anos.

O se­tor ca­na­vi­ei­ro pa­ra­na­en­se tem mais uma dor de ca­be­ça. Co­mo ou­tros Es­ta­dos es­tão in­cen­ti­van­do par­ques in­dus­tri­ais su­cro­e­ner­gé­ti­cos, os pro­du­tos da­qui vão per­den­do van­ta­gens com­pe­ti­ti­vas. “Pre­ci­sa­mos de apoio con­sis­ten­te do go­ver­no pa­ra nos co­lo­car­mos em pé de igual­da­de com eles e su­pe­rar par­te des­sas di­fi­cul­da­des”, com­ple­ta Tra­nin.

Ma­triz ener­gé­ti­ca

O pre­si­den­te da Al­co­par de­fen­de que o go­ver­no fe­de­ral te­nha o quan­to an­tes uma de­fi­ni­ção pa­ra a ma­triz ener­gé­ti­ca bra­si­lei­ra e dê con­fi­an­ça aos in­ves­ti­do­res em re­la­ção ao ce­ná­rio no mé­dio e no lon­go pra­zo. Ca­so con­trá­rio, nin­guém se anima a fa­zer in­ves­ti­men­tos. “É pre­ci­so que o go­ver­no di­ga o que ele quer pa­ra o eta­nol”, ex­pli­ca.

Uma das es­tre­las do pe­río­do Lu­la, o eta­nol caiu no os­tra­cis­mo du­ran­te o atu­al go­ver­no por­que a co­ta­ção do com­bus­tí­vel es­tá me­nos atra­ti­va que a da ga­so­li­na na mai­o­ria das re­giões do País. Pa­ra con­tro­lar a in­fla­ção, o go­ver­no se­gu­ra ar­ti­fi­ci­al­men­te o pre­ço da ga­so­li­na mas não de­so­ne­ra o eta­nol, que aca­ba fi­can­do me­nos com­pe­ti­ti­vo.

Se­gun­do Tra­nin, pa­ra evi­tar mai­o­res per­das, as usi­nas pri­o­ri­za­ram a pro­du­ção de açú­car VHP, que en­con­tra me­lho­res pre­ços no mer­ca­do ex­ter­no. No pe­río­do 2010 a 2012, o vo­lu­me se man­te­ve es­tá­vel em 3 mi­lhões de to­ne­la­das/ano. Ao mes­mo tem­po, a pro­du­ção de eta­nol caiu em 40%.

A mai­or ofer­ta de açú­car no mer­ca­do ex­ter­no, en­tre­tan­to, tem re­du­zi­do as mar­gens por­que os pre­ços fi­cam me­no­res. “Te­mos que bus­car uma saí­da pa­ra o eta­nol ou po­de­re­mos ter pre­ços ain­da me­no­res de açú­car”, co­men­ta Ricardo Re­zen­de Fi­lho, pre­si­den­te da Usi­na Sa­ba­rál­co­ol, que pos­sui uni­da­des em En­ge­nhei­ro Bel­trão e Pe­ro­bal.

Pa­ra o de­pu­ta­do fe­de­ral e ex-mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra Rei­nhold Stepha­nes (PSD-PR), o Bra­sil pre­ci­sa de uma po­lí­ti­ca mais re­a­lis­ta e con­sis­ten­te pa­ra a pro­du­ção de eta­nol e bi­o­di­e­sel. Se­gun­do ele, não há ho­je no País ne­nhu­ma es­tra­té­gia, pro­je­to, po­lí­ti­ca ou in­ter­lo­cu­ção com o go­ver­no nes­sa área.

“O eta­nol vi­rou um as­sun­to re­gu­la­tó­rio. O fa­to é que pre­ci­sa­mos do­brar a pro­du­ção até 2020 ape­nas pa­ra aten­der ao mer­ca­do in­ter­no. E a so­lu­ção é sim­ples. Te­mos a me­lhor ma­té­ria-pri­ma, o me­lhor cli­ma, o me­lhor so­lo. Fal­ta, no en­tan­to, pla­ne­ja­men­to es­tra­té­gi­co pa­ra ofe­re­cer con­di­ções con­sis­ten­tes aos pro­du­to­res. Do jei­to que as coi­sas es­tão nes­se mo­men­to, não há ne­nhu­ma pers­pec­ti­va de al­can­çar­mos es­ses ob­je­ti­vos”, diz Stepha­nes.

Hen­ri Jr./ar­qui­vo DNP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.