Se tudo for pe­los ares...

21/12/12 Dia fa­vo­ri­to dos pro­fe­tas do fim dos tem­pos, a sex­ta-fei­ra es­tá che­gan­do; O Diá­rio ou­viu no­mes da cul­tu­ra pa­ra sa­ber o que eles fa­ri­am an­tes do mun­do aca­bar

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Alexandre Gai­o­to

gai­o­to@odi­a­rio.com Tem­pes­ta­des so­la­res, a in­ver­são dos pó­los mag­né­ti­cos da Ter­ra e o en­con­tro de­vas­ta­dor com o mis­te­ri­o­so Pla­ne­ta X en­ca­be­çam a lis­ta de pos­sí­veis apo­ca­lip­ses que, se­gun­do os bo­a­tos as­tronô­mi­cos - to­dos des­men­ti­dos pe­la Na­sa -, po­dem dar o ar da “des­gra­ça” e ex­ter­mi­nar a ra­ça hu­ma­na depois de ama­nhã, no ater­ro­ri­zan­te 21/12/12.

A fi­xa­ção com o ano de 2012 - pre­di­le­to dos pro­fe­tas do fim dos tem­pos - co­me­çou há 25 anos, com o li­vro “O Fa­tor Maia”, do nor­te-ame­ri­ca­no José Argüel­les. Em sua in­ter­pre­ta­ção, o ca­len­dá­rio dos maias - po­vo an­ti­go que vi­veu no Sul do Mé­xi­co e Amé­ri­ca Cen­tral - ter­mi­na­ria no dia 21 de de­zem­bro des­te ano.

Sem ter pa­ra on­de fu­gir, nem on­de se es­con­der, al­guns fi­gu­rões da cul­tu­ra ma­rin­ga­en­se res­pon­de­ram ao Diá­rio o que fa­ri­am an­tes de tudo ir pe­los ares. O pi­a­nis­ta Yuri Pin­go re­ve­lou que se o mun­do re­al­men­te aca­bar ele sai­rá ca­çan­do, um por um, seus ini­mi­gos. “Eu apro­vei­ta­ria o fim do mun­do pa­ra matar al­gu­mas pes­so­as”, co­men­ta, gar­ga­lhan­do.

Me­nos vi­o­len­to, o ar­tis­ta plás­ti­co Pa­o­lo Ri­dol­fi apro­vei­ta­ria o úl­ti­mo dia pa­ra en­car­nar um cli­mão co­mu­nis­ta e dis­tri­buir, gra­tui­ta­men-

Na Gu­a­te­ma­la

te, su­as obras pa­ra qu­em qui­ses­se.

Ex­cên­tri­co, o ci­ne­as­ta Éri­co Ales­san­dro reu­ni­ria fa­mi­li­a­res e ami­gos no Hor­to Flo­res­tal pa­ra la­var rou­pa su­ja no meio da ga­le­ra. “Gos­ta­ria de fa­lar tudo o que não foi fa­la­do e pe­di­ria per­dão pa­ra Je­sus Cris­to por to­dos os meus pe­ga­dos“, re­ve­la.

Num en­re­do sur­re­a­lis­ta, o po­e­ta Ade­mir De­mar­chi su­bi­ria as es­ca­das da Ca­te­dral, te­ria um en­con­tro ro­mân­ti­co por lá e re­ci­ta­ria um po­e­ma. De mo­to­ca, ain­da da­ria um gi­ro por Ma­rin­gá e co­me­ria um pas­tel na Fei­ra do Pro­du­tor. Um fi­nal dig­no de um bom po­e­ta. Mas nem to­dos os go­ver­nan­tes es­tão achan­do ruim, o fim dos tem­pos. Na Gu­a­te­ma­la, que abri­gou a ci­vi­li­za­ção maia, o Ob­ser­va­tó­rio Na­ci­o­nal In­dí­ge­na re­la­ta que há gas­tos as­tronô­mi­cos pa­ra pro­mo­ver as ati­vi­da­des des­ta sex­ta. O Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra e do Des­por­to te­ria in­ves­ti­do cer­ca de US$ 3,2 mi­lhões e o instituto de Tu­ris­mo, que pre­vê a pre­sen­ça de 200 mil es­tran­gei­ros, te­ria in­je­ta­do cer­ca de US$ 5 mi­lhões.

Em meio a tan­to al­vo­ro­ço, pri­sões e um ques­ti­o­ná­vel in­ves­ti­men­to pú­bli­co gua­te­mal­te­co, só nos res­ta es­pe­rar.

E se o mun­do aca­bar mes­mo na sex­ta?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.