Lei­tu­ras de fim de ano

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

de ma­nei­ra con­fli­tu­o­sa. A pri­mei­ra vez em que ou­vi fa­lar de­le foi nos tem­pos de seu li­tí­gio com o en­tão Frei Leonardo Boff, um dos teó­lo­gos que ser­vi­am de ins­pi­ra­ção aos jo­vens que se ori­en­ta­vam pe­la Te­o­lo­gia da Li­ber­ta­ção, en­tre os quais eu me in­cluía. Quan­do ele se tor­nou Pa­pa, o li­tí­gio vol­tou à mí­dia e foi re­a­vi­va­do na me­mó­ria de qu­em vi­veu aque­les tem­pos. Quan­do co­me­çou a edi­ção des­ses tí­tu­los no Bra­sil, pro­cu­rei co­nhe­cê-los por cu­ri­o­si­da­de in­te­lec­tu­al. As­se­gu­ro aos lei­to­res que os li com aten­ção e o pra­zer de qu­em es­tá apren­den­do. E mui­to. Não te­nho pa­râ­me­tro pa­ra afir­mar de ma­nei­ra con­clu­si­va, mas ima­gi­no que Ben­to XVI se­ja o pon­tí­fi­ce mais eru­di­to da his­tó­ria da Igre­ja Ca­tó­li­ca. Agra­da-me o fa­to de ele não ter re­su­mi­do sua pro­du­ção à edi­ção dos tex­tos ofi­ci­ais. Pe­lo me­nos pa­ra mim, o sur­pre­en­den­te em sua obra é a le­ve­za do tex­to, ca­paz de tra­du­zir te­mas com­ple­xos em lin­gua­gem aces­sí­vel a um pú­bli­co mais am­plo. Em seu no­vo li­vro, Ben­to XVI re­vi­si­ta al­guns te­mas clás­si­cos da in­ter­pre­ta­ção não ape­nas so­bre a in­fân­cia de Je­sus, mas so­bre seu nas­ci­men­to. Elen­co al­guns te­mas por meio de per­gun­tas: Je­sus nas­ceu em Be­lém ou es­sa in­for­ma­ção foi cons­truí­da pe­las pri­mei­ras co­mu­ni­da­des cris­tãs pa­ra con­so­li­dar o sen­ti­do pro­fé­ti­co do acon­te­ci­men­to? Na li­te­ra­tu­ra eru­di­ta, há o pon­to de vis­ta de que te­ria nas­ci­do em Na­za­ré. Ben­to XVI en­fren­ta o de­ba­te, co­te­jan­do as in­ter­pre­ta­ções e as in­for­ma­ções his­tó­ri­cas que po­dem ser re­la­ci­o­na­das. E a es­tre­la? Te­ria exis­ti­do ou se­ria uma li­cen­ça li­te­rá­ria? Qu­em eram os reis ma­gos? Te­ri­am exis­ti­do? Qual é o sig­ni­fi­ca­do de­les? A fu­ga pa­ra o Egi­to te­ria si­do ape­nas uma ten­ta­ti­va de ela­bo­rar a ima­gem de Je­sus co­mo um no­vo Moi­sés? Meu pri­mei­ro con­ta­to com a li­te­ra­tu­ra aca­dê­mi­ca so­bre es­ses te­mas foi por meio do li­vro “Je­sus Cris­to Li­ber­ta­dor”, de Leonardo Boff. Foi uma re­ve­la­ção pa­ra mim. Na­tu­ral­men­te, tam­bém re­co­men­do o li­vro de Boff, que se en­con­tra, aca­bei de con­fe­rir na internet, dis­po­ní­vel no mer­ca­do editorial. De lá pa­ra cá, acos­tu­mei-me a ler a res­pei­to. Não sou es­pe­ci­a­lis­ta em te­o­lo­gia e nas in­ter­pre­ta­ções de­ri­va­das. Sei, no en­tan­to, que não se tra­ta de uma ci­ên­cia exa­ta. É per­fei­ta­men­te pos­sí­vel ler vi­sões diferentes e, sem ecle­tis­mo, apren­der com elas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.