MIL­TON RA­VAG­NA­NI

O si­nal dos tem­pos

O Diario do Norte do Parana - - REGIÃO -

Depois que o Co­rinthi­ans foi cam­peão do mun­do no Ja­pão, con­fir­ma­ram-se as pre­vi­sões de que o mun­do vai mes­mo aca­bar ama­nhã. É a co­ro­a­ção dos si­nais de que o ar­ma­ge­dom é a úni­ca es­pe­ran­ça dos cren­tes. O fim. The End. Ou, co­mo nos fil­mes de ban­gue-ban­gue ita­li­a­no, fine. Al­guém tra­du­ziu o ca­len­dá­rio Maya e as pre­vi­sões pa­ra de­cre­tar que é nes­ta sex­ta-fei­ra que va­mos acer­tar as contas com o cri­a­dor e o Pla­ne­ta en­trou em con­jec­tu­ra. Uau! Res­ta-nos, por­tan­to, um úni­co dia. A vi­tó­ria mun­di­al co­rin­ti­a­na é o avi­so. E ago­ra, José?

Bem, sem sa­ca­na­gem com os co­rin­ti­a­nos que ven­ce­ram na bo­la e têm to­do o di­rei­to de co­me­mo­rar, a ideia de que o mun­do co­mo co­nhe­ce­mos se es­fa­ce­la­rá em um pis­car de olhos é po­ço pa­ra mui­ta água no ima­gi­ná­rio po­pu­lar. Sim, é o fim. E o que fa­re­mos? Do pon­to de vis­ta do con­su­mi­dor, a ho­ra é de com­prar tudo o que hou­ver pe­la fren­te. E, cla­ro, a pra­zo. Do pon­to de vis­ta do co­mer­ci­an­te, tam­bém é ho­ra de ven­der, afi­nal, o que fa­rá com o es­to­que quan­do a mão da his­tó­ria o re­du­zir a pó? Me­lhor apos­tar no cré­di­to fu­tu­ro - se fu­tu­ro hou­ver - do que na po­ei­ra pre­sen­te. En­tre ter o que não se­rá e, even­tu­al­men­te, ter o que co­brar se al­gu­ma coi­sa der er­ra­do, o que pa­re­ce mais ló­gi­co?

O fim do mun­do é, por­tan­to, uma sin­gu­lar opor­tu­ni­da­de de trans­fe­rên­cia de ren­da. Em úl­ti­ma aná­li­se, o apo­ca­lip­se é a opor­tu­ni­da­de do so­ci­a­lis­mo. Na imi­nên­cia do fim, re­par­tir pa­re­ce ló­gi­co. Nes­te mo­men­to, a lu­ta de clas­ses, a pro­pri­e­da­de pri­va­da, tudo is­so per­de sen­ti­do. Ou, na vi­são do ca­pi­ta­lis­ta, o so­ci­a­lis­mo é o pró­prio fim do mun­do. De to­da for­ma, é um mo­men­to ím­par.

Bem, se o ca­pi­ta­lis­ta e o so­ci­a­lis­ta se ir­ma­nam no fim das op­ções, o que faz o fi­nan­cis­ta? Qual o sen­ti­do de se guar­dar di­nhei­ro no co­fre, co­mo um Tio Pa­ti­nhas da vi­da re­al, se nem co­fre, nem di­nhei­ro haverá depois de ama­nhã? Po­de até ser que o mun­do não aca­be, mas aca­be o mun­do co­mo o co­nhe­ce­mos. E aos que vi­rão - se se­rão hu­ma­nos, sí­mi­os ou la­gar­tos - pou­ca im­por­tân­cia haverá nas cé­du­las ar­ma­ze­na­das em al­gum co­fre inex­pug­ná­vel. Afi­nal, o di­nhei­ro na­da mais é do que um pe­da­ço de pa­pel em que as pes­so­as acre­di­tam que tem va­lor. A par­tir do mo­men­to em que elas dei­xem de acre­di­tar, o pa­pel dei­xa de va­ler. Lo­go, di­nhei­ro é cren­ça.

E o que dis­tin­gue uma cé­du­la de um país pa­ra o di­nhei­ro de ou­tro, se­não a cren­ça de que aque­la con­se­gue ad­qui­rir mais coi­sas do que a ou­tra? As­sim, se não há o que ad­qui­rir e nem há on­de gas­tar, o di­nhei­ro mes­mo pas­sa a va­ler na­da. Nem pa­ra la­gar­tos, nem pa­ra sí­mi­os e mes­mo pa­ra hu­ma­nói­des que nos su­ce­dam. As cé­du­las, mes­mo, pas­sa­rão a ser não mais do que li­xo.

Bem, co­mo pa­re­ce mes­mo ine­vi­tá­vel que o mun­do aca­be - ve­ja o si­nal co­rin­ti­a­no - na­da mais res­ta a fa­zer com o di­nhei­ro ar­ma­ze­na­do. E ele, que nos foi tão im­por­tan­te na con­so­li­da­ção dos va­lo­res, pas­sa a ser ape­nas um es­tor­vo em um mo­men­to tão cru­ci­al. O que fa­zer? Bem, re­ci­clar pa­re­ce uma al­ter­na­ti­va inú­til. Es­se mon­te de pa­pel não pa­re­ce pos­sí­vel de ser con­ver­ti­do em al­go pro­du­ti­vo pa­ra os no­vos ha­bi­tan­tes des­se es­pa­ço, se­jam eles sí­mi­os, la­gar­tos ou mes­mo ba­ra­tas. Jo­gar fo­ra? Bo­tar fo­go?

Bem, se vo­cê ain­da es­tá em dúvida so­bre o que fa­zer com es­se in­de­se­ja­do pro­ble­ma, eu, que que­ro co­la­bo­rar pa­ra um bom apro­vei­ta­men­to das su­as úl­ti­mas ho­ras nes­te va­le de lá­gri­mas, ofe­re­ço-me pa­ra re­co­lher to­do es­se li­xo que vo­cê man­tém na car­tei­ra, em ca­sa, nos es­cri­tó­ri­os, no ban­co, em bai­xo do col­chão. É o mí­ni­mo que pos­so fa­zer pa­ra lhe ga­ran­tir um fim de mun­do sau­dá­vel e fra­ter­no. Se qui­ser, pas­so o nú­me­ro da mi­nha con­ta cor­ren­te pa­ra vo­cê de­po­si­tar o seu di­nhei­ro vir­tu­al.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.