81 com pi­que de 18

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

Ca­tou o ce­lu­lar, par­tiu olhan­do-se uma vez mais em ca­da um dos la­dos dos es­pe­lhos do ele­va­dor. Fren­te, verso, la­do A e la­do B do LP. Tudo re­don­do na aca­de­mia. Na ca­be­ça ain­da so­a­va um sam­ba an­ti­go que gi­ra­va na pre­ser­va­da vitrola da sa­la, um ra­bo que ain­da ga­nia do que res­tou do fa­le­ci­do. Che­gan­do à ga­ra­gem, en­trou no On­da Fiti, nes­se mes­mo, tal co­mo ela di­zia, já pensando em ocu­par uma das inú­me­ras va­gas no shop­ping re­ser­va­das pa­ra ela usar, sem es­tres­se, to­das lá es­pe­ran­do. Em­bi­cou a ram­pa de des­ci­da com o car­ro e, a par­tir daí, pe­gou uma on­da com o On­da, que fi­cou mais au­to­má­ti­co do que nun­ca, mais in­de­pen­den­te que ela, que depois ale­gou per­da de con­tro­le. Tudo mui­to rá­pi­do! Quan­do che­gou ao fim da ram­pa, atro­pe­lou du­as mo­ças. Uma pu­lou de la­do e caiu se ar­ra­nhan­do no chão xin­gan­do “ve­lha fi­lha da p...!” A ou­tra ca­rim­bou o bi­co no pa­ra­bri­sa, que fi­cou ver­me­lho, não de san­gue, afi­nal ain­da não era o Apo­ca­lip­se, mas de ba­tom. Es­pal­ma­da no capô e no pa­ra­bri­sa, a mo­ça fi­cou fa­zen­do par­te do car­ro, que a le­vou jun­to. Ve­ja co­mo não era o fim do mun­do: não es­ta­va pas­san­do ne­nhum car­ro na ave­ni­da na­que­le mo­men­to. O On­da, não ten­do si­do abal­ro­a­do, depois de des­cer a ram­pa cru­zou a via, su­biu na cal­ça­da, atro­pe­lou a mu­re­ta do ca­nal e caiu dois me­tros abai­xo, na água, com a ve­lha e com a no­va, que te­ve a sor­te de não ter as per­nas, di­ga­mos, “apo­ca­lip­sa­das” de vez. Não che­gou a ser per­da to­tal, nem per­da de con­tro­le to­tal, di­zia ela ao delegado, pois viu tudo mas não con­se­guiu pa­rar o car­ro. Is­so foi lo­go depois de sair do hos­pi­tal sem ne­nhum ar­ra­nhão, nem na ma­qui­a­gem, lo­go con­fe­ri­da, a pon­to do delegado pen­sar “es­sa aí es­tá cor­ren­do pe­ri­go de vi­da, pois de mor­te é que não es­tá”. Pas­sa­do o sus­to, a gri­ta­ria co­me­çou com os ha­bi­tu­ais de­so­cu­pa­dos de plan­tão, sem­pre chei­os de opi­nião. A jo­ga­ti­na de ba­ra­lho na pra­ça até pa­rou em vá­ri­os mo­men­tos, tal o aca­lo­ra­men­to da dis­cus­são. Tudo ia no sen­ti­do de que não se po­de dei­xar ve­lho di­ri­gir car­ro, is­so pre­ci­sa ser re­pen­sa­do. Ima­gi­na, 81 anos, não tem mais re­fle­xo! Até apa­re­ceu um jo­vem de qua­se 65 anos dan­do opi­nião à re­pór­ter que é con­tra ve­lho di­ri­gir. Tan­to, dis­se ele, que é só com­ple­tar os me­ses que fal­tam pa­ra che­gar aos 65 que não vai mais re­no­var a car­tei­ra e pa­rar de di­ri­gir. Foi uma gri­ta­ria dos di­a­bos, pois, com 65, uns abai­xo, ou­tros aci­ma, nin­guém se acha­va ve­lho an­tes dos 80. Ten­ta­ram um con­sen­so acei­tan­do que um mé­di­co é que de­ve di­zer, di­an­te da opi­nião de um que di­zia que ho­je em dia os ve­lhos de 81 têm mais con­di­ções de di­ri­gir que os jo­vens de 18, ou se­ja, to­dos aque­les que es­tão abai­xo dos 60, que be­bem, di­ri­gem fa­lan­do ao ce­lu­lar, re­ce­bem e en­vi­am tor­pe­dos ao vo­lan­te. A fa­la­ção não ia aca­bar tão ce­do e só au­men­tou quan­do a re­pór­ter na te­vê dis­se que a ve­lhi­nha lá do On­da já aci­o­nou o se­gu­ro pa­ra re­cu­pe­rar o car­ro. Eu não dis­se, gri­tou um ve­lho que não é ve­lho: “ela tá ti­ran­do on­da!”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.