Di­re­tor ‘en­che lin­gui­ça’

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Luiz Za­nin Oric­chio

Pe­ter Jack­son pre­ci­sa fa­zer três fil­mes lon­gos a par­tir de um li­vro pe­que­no co­mo “O Hob­bit”, de Tol­ki­en. Só es­se re­du­zi­do ma­te­ri­al, que de­ve ren­der mais uma bi­li­o­ná­ria tri­lo­gia, po­de ex­pli­car a pro­li­xi­da­de do di­re­tor. Tudo to­ma mui­to tem­po em “O Hob­bit - Uma Jor­na­da Ines­pe­ra­da”, co­mo se o ci­ne­as­ta ne­ces­si­tas­se alon­gar ao má­xi­mo ca­da sequên­cia pa­ra que, no fi­nal, ti­ves­se su­as qua­se três ho­ras ga­ran­ti­das ape­nas nes­ta pri­mei­ra eta­pa da tri­lo­gia. Pa­ra fa­lar no po­pu­lar: ele en­che lin­gui­ça mes­mo.

De mo­do que qu­em já não es­ti­ver con­quis­ta­do por an­te­ci­pa­ção pe­la sé­rie cor­re o ris­co de cair no so­no de té­dio. Só a in­tro­du­ção, com o hob­bit Bil­bo Bol­sei­ro re­ce­ben­do a vi­si­ta de Gan­dalf e depois dos per­so­na­gens que o le­va­rão à aven­tu­ra, já le­va ho­ras (ao me­nos no tem­po psi­co­ló­gi­co de qu­em as­sis­te). Depois, há os com­ba­tes, de­mo­ra­dos, re­pe­ti­ti­vos, com uma qua­li­da­de téc­ni­ca im­pe­cá­vel, que não dis­far­ça a sen­sa­ção de déjà vu.

Cla­ro, con­vém não car­re­gar nas tin­tas pa­ra não ar­rui­nar o ar­gu­men­to. O fil­me é um tan­to ba­lo­fo e se be­ne­fi­ci­a­ria de di­e­ta im­pi­e­do­sa na mon­ta­gem. Mas tem ce­nas in­te­res­san­tes e al­gu­mas até mui­to be­las. As in­te­res­san­tes sur­gem quan­do da en­tra­da do Gol­lum em ce­na, com o du­e­lo de adi­vi­nha­ções com Bil­bo. É bom. Há depois as aves gi­gan­tes que sal­vam os aven­tu­rei­ros. A sequên­cia pro­duz al­guns dos ra­ros mo­men­tos ele­tri­zan­tes do lon­ga (e po­nha lon­ga nis­so). Ex­ce­ções em meio à ro­ti­na.

A ba­se do fil­me – aliás, a ba­se de Tol­ki­en – é no­bre: os mi­tos. O mi­to é uma nar­ra­ti­va que re­mon­ta às ori­gens. Atra­vés de uma his­tó­ria, pas­sa­da de uma ge­ra­ção a ou­tra, fa­la de al­go que vai além de­la, da es­tru­tu­ra do gru­po. Por is­so, to­ca as pes­so­as em al­gum pon­to do qual nem mes­mo elas se mos­tram cons­ci­en­tes. O tal in­cons­ci­en­te co­le­ti­vo, de Jung. Ou coi­sa que o va­lha. “A his­tó­ria fa­la de vo­cê” (De te fa­bu­la nar­ra­tur), di­zia Ho­rá­cio, o po­e­ta la­ti­no. Ser­ve pa­ra to­da a fic­ção. No ca­so do mi­to is­so é ain­da mais ver­da­de. Fa­la de nós o tem­po to­do.

Daí tam­bém que es­pe­cia- listas em mi­tos, co­mo Da­vid Camp­bell e Ch­ris­topher Vo­gler (“A Jor­na­da do Es­cri­tor”), se­jam tão ci­ta­dos e cor­te­ja­dos em Hollywood. Des­de “Gu­er­ra nas Es­tre­las”, e tal­vez até an­tes, o mi­to se trans­for­mou no Gra­al dos ro­tei­ris­tas, uma es­pé­cie de ma­dei­ra de lei so­bre a qual po­dem as­sen­tar cons­tru­ções pre­cá­ri­as que, mes­mo as­sim, per­ma­ne­cem em pé.

É um pou­co des­se jei­to com “O Hob­bit”. Tem ali­cer­ces fir­mes, an­ces­trais, mas a cons­tru­ção re­cen­te, frá­gil e in­fan­ti­loi- de, se sus­ten­ta mais por efei­tos es­pe­ci­ais e sa­ca­das tec­no­ló­gi­cas du­vi­do­sas (o que é is­so de 48 fra­mes/se­gun­do? Al­guém vê, al­guém no­ta?) do que por ver­da­dei­ro ta­len­to. Fal­tam uma boa his­tó­ria e uma dra­ma­tur­gia ao me­nos acei­tá­vel.

Divulgação

Em ce­na mar­can­te, Bil­bo se en­con­tra pe­la pri­mei­ra vez com Gol­lum; du­e­lo de adi­vi­nha­ções en­tre Gol­lum e Bil­bo ren­de ce­nas in­te­res­san­tes no lon­ga, que pe­ca na de­mo­ra pa­ra des­fe­chos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.