Go­ver­no co­me­ça 2013 sem poder ini­ci­ar in­ves­ti­men­tos

En­ges­sa­men­to ocor­re, por­que o Con­gres­so en­cer­rou os tra­ba­lhos de 2012 sem vo­tar a pro­pos­ta de lei or­ça­men­tá­ria. União só po­de­rá exe­cu­tar as des­pe­sas obri­ga­tó­ri­as

O Diario do Norte do Parana - - GERAL - Dé­bo­ra Ál­va­res

O Con­gres­so Na­ci­o­nal en­cer­rou, on­tem, os tra­ba­lhos de 2012 sem vo­tar a pro­pos­ta de lei or­ça­men­tá­ria pa­ra 2013. O re­la­tó­rio foi apro­va­do na Co­mis­são Mis­ta de Or­ça­men­to (CMO), mas fal­tou a ma­té­ria pas­sar pe­lo ple­ná­rio, em ses­são con­jun­ta da Câ­ma­ra e do Se­na­do. Li­de­ran­ças das du­as ca­sas ten­ta­ram vi­a­bi­li­zar a vo­ta­ção até o iní­cio da tar­de de on­tem, mas fra­cas­sa­ram.

Sem que o or­ça­men­to se­ja vo­ta­do no Con­gres­so, o go­ver­no co­me­ça o ano sem poder ini­ci­ar in­ves­ti­men­tos. Des­sa for­ma, só po­de­rão ser exe­cu­ta­das des­pe­sas obri­ga­tó­ri­as, gas­tos li­mi­ta­dos a 1/12 do que de­ter­mi­na a Lei de Di­re­tri­zes Or­ça­men­tá­ria (LDO), en­vi­a­da em agos­to.

Os in­ves­ti­men­tos não vão pa­rar, por­que, mes­mo sem Or­ça­men­to, é pos­sí­vel exe­cu­tar res­tos a pagar, ou se­ja, obras con­tra­ta­das es­te ano que se­rão re­a­li­za­das em 2013. A es­ti­ma­ti- va é que, só do Pro­gra­ma de Ace­le­ra­ção do Cres­ci­men­to (PAC), os res­tos a pagar che­guem pró­xi­mos a R$ 30 bi­lhões.

Ao fim do se­gun­do man­da­to con­se­cu­ti­vo co­mo pre­si­den­te do Se­na­do, José Sar­ney (PMDBAP) la­men­tou não ter con­se­gui­do vo­tar a ma­té­ria. “Nin­guém es­tá mais tris­te do que eu com es­sa si­tu­a­ção. No úl­ti­mo ano do meu man­da­to, vou dei­xar sem o Or­ça­men­to vo­ta­do, coi­sa que nun­ca ti­nha ocor­ri­do nos man­da­tos an­te­ri­o­res que exer­ci, mas é do pro­ces­so de­mo­crá­ti­co”, co­men­tou.

Re­la­tor da pro­pos­ta, o se­na­dor Ro­me­ro Ju­cá (PMDB-RR) anun­ci­ou um acor­do pa­ra re­sol­ver ques­tões que pro­vo­ca­ram im­pas­se e im­pe­di­am a vo­ta­ção do re­la­tó­rio. “Re­ti­ra- “No úl­ti­mo ano do meu man­da­to, vou dei­xar sem o Or­ça­men­to vo­ta­do, coi­sa que não ocor­reu nos meus man­da­tos an­te­ri­o­res” mos do cál­cu­lo da Saú­de, o sa­ne­a­men­to, o Pro­gra­ma Aca­de­mia de Saú­de, a Agên­cia Na­ci­o­nal de Saú­de (ANS) e os gas­tos com re­sí­du­os só­li­dos”, des­ta­cou. Ju­cá man­te­ve os gas­tos com hos­pi­tais uni­ver­si­tá­ri­os e com uma fá­bri­ca da He­mo­brás, e pro­me­teu in­cluir cer­ca de R$ 3,5 bi­lhões pa­ra os gas­tos com mé­dia e al­ta com­ple­xi­da­de hos­pi­ta­lar e com o Pi­so de Aten­ção Bá­si­ca.

O do­cu­men­to apro­va­do na CMO ain­da po­de ser mo­di­fi­ca­do quan­do for ao ple­ná­rio. Ele fi­xa o sa­lá­rio mí­ni­mo em R$ 674,96, va­lor mai­or que a pro­pos­ta en­ca­mi­nha­da pe­lo go­ver­no, em agos­to, que pre­via mí­ni­mo de R$ 670,95. Se­gun­do Ju­cá, o au­men­to foi ne­ces­sá­rio pa­ra ade­quar o va­lor à lei atu­al que de­ter­mi­na o cál­cu­lo do re­a­jus­te do mí­ni­mo pe­lo cres­ci­men­to do PIB de dois anos an­te­ri­o­res mais a in­fla­ção me­di­da pe­lo INPC. A re­es­ti­ma­ti­va sig­ni­fi­ca­rá uma ele­va­ção de gas­tos de R$ 1,36 bi­lhão.

Tam­bém cons­ta no re­la­tó­rio, o re­a­jus­te de 5%, pa­gos em três anos, pa­ra as car­rei­ras do funcionalismo pú­bli­co que ne­go­ci­a­ram com o go­ver­no. Des­ti­na­se, ain­da, R$ 3,9 bi­lhões pa­ra a Lei Kan­dir, usa­da pa­ra com­pen- sar os Es­ta­dos que per­dem com a de­so­ne­ra­ção do ICMS nas ex­por­ta­ções. Ju­cá ela­bo­rou o re­la­tó­rio com uma es­ti­ma­ti­va de 4,5% de cres­ci­men­to. Ne­nhum dos 199 des­ta­ques apre­sen­ta­dos foi acei- to pe­lo re­la­tor. O de­pu­ta­do Gi­o­van­ni Qu­ei­roz (PDT-PA), que se co­lo­cou con­tra a vo­ta­ção, in­sis­tiu na vo­ta­ção de seis des­ta­ques de au­to­ria de­le em se­pa­ra­do, mas to­dos fo­ram re­jei­ta­dos.

Wal­de­mir Bar­re­to/agên­cia Se­na­do

Sem acor­do, o Or­ça­men­to Fe­de­ral só se­rá apre­ci­a­do no ano que vem

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.