MIL­TON RA­VAG­NA­NI

O Diario do Norte do Parana - - GERAL -

O di­rei­to e o ja­ca­ré

O re­ces­so ju­di­ciá­rio aze­dou as es­pe­ran­ças dos fa­ná­ti­cos, que ain­da acre­di­tam em uma re­vi­ra­vol­ta elei­to­ral na ba­se da ca­ne­ta­da em Ma­rin­gá. Des­de a pro­mul­ga­ção do re­sul­ta­do das elei­ções, a tur­ma se ali­men­ta des­sa es­pe­ran­ça, na vã ilu­são de que os mi­nis­tros do Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE) re­ver­te­rão a con­di­ção de re­gis­tro de Car­los Ro­ber­to Pu­pin (PP), im­pe­din­do o man­da­to de­le con­quis­ta­do nas ur­nas. A co­lu­na já expôs as ba­ses ju­rí­di­cas que co­lo­ca por ter­ra es­sa ilu­são, mas o pes­so­al pa­ra man­ter os ilu­sões se ape­ga ao que vem pe­la fren­te. Co­mo o afo­ga­do, pa­ra qu­em ja­ca­ré é tron­co. Depois da di­plo­ma­ção, ocor­ri­da no sá­ba­do pas­sa­do, os elei­tos es­tão ap­tos a se­rem em­pos­sa­dos no pró­xi­mo dia pri­mei­ro e, con­tra es­sa ine­xo­ra­bi­li­da­de, tor­ci­da al­gu­ma aju­da.

A Lei

No que diz res­pei­to ao mé­ri­to da dis­cus­são, se Ro­ber­to Pu­pin tem pos­si­bi­li­da­de de ter im­pe­di­do o re­gis­tro, va­le tra­zer, no­va­men­te, à to­na o en­ten­di­men­to pa­cí­fi­co do TSE a res­pei­to. Pa­ra a Cor­te, o vi­ce (pre­fei­to, go­ver­na­dor, pre­si­den­te) tem o di­rei­to a dis­pu­tar o car­go ma­jo­ri­tá­rio, se­ja de pre­fei­to, go­ver­na­dor ou pre­si­den­te. Is­so, ho­je, é pa­cí­fi­co, em­bo­ra te­nha si­do con­tes­ta­do no pas­sa­do. E, ven­cen­do, tem di­rei­to a dis­pu­tar a re­e­lei­ção. Se o vi­ce subs­ti­tuiu ou su­ce­deu nos seis me­ses que an­te­ce­dem a elei­ção, ele não te­rá di­rei­to a con­cor­rer à re­e­lei­ção. Es­se en­ten­di­men­to es­tá ra­ti­fi­ca­do em inú­me­ros jul­ga­dos, re­so­lu­ções e res­pos­tas a con­sul­tas fei­tas ao lon­go dos úl­ti­mos anos, prin­ci­pal­men­te, após a edi­ção da Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal 16/97, que ins­ti­tuiu o di­plo­ma da re­e­lei­ção no Bra­sil. A de­ci­são que ser­viu de pa­ra­dig­ma pa­ra o as­sun­to é a Re­so­lu­ção 20.889, de 09/10/2001, re­la­ta­da pe­lo mi­nis­tro Fer­nan­do Ne­ves, a par­tir da con­sul­ta 689, fei­ta pe­lo en­tão de­pu­ta­do Ani­val­do Va­le, do PSDB do Pa­rá. De efei­to ge­ral, a re­so­lu­ção ser­ve de pa­râ­me­tro pa­ra as de­ci­sões to­ma­das, a par­tir da­que­la con­sul­ta.

O tex­to

Diz a re­so­lu­ção: Con­sul­ta. Vi­ce can­di­da­to ao car­go do ti­tu­lar. 1. Vi­ce-pre­si­den­te da República, vi­ce- go­ver­na­dor de Es­ta­do ou do Dis­tri­to Fe­de­ral ou vi­ce-pre­fei­to, re­e­lei­to ou não, po­de se can­di­da­tar ao car­go do ti­tu­lar, mes­mo ten­do subs­ti­tuí­do aque­le no cur­so do man­da­to. 2. Se a subs­ti­tui­ção ocor­rer nos seis me­ses an­te­ri­o­res ao plei­to, o vi­ce, ca­so elei­to pa­ra o car­go do ti­tu­lar, não po­de­rá con­cor­rer à re­e­lei­ção. 3. O mes­mo ocor­re­rá se hou­ver su­ces­são, em qual­quer tem­po do man­da­to.

Vo­to

A ques­tão na qual se ape­ga o re­cur­so de Ênio Ver­ri (PT) é ten­tar fa­zer va­ler aque­les 11 di­as em que Pu­pin subs­ti­tuiu Síl­vio Bar­ros (PP) em abril de 2008, pa­ra trans­for­mar aque­le pe­río­do em um man­da­to. A te­se foi re­ce­bi­da no TRE, mas não tem es­co­po nos jul­ga­dos do TSE. Por dois mo­ti­vos fun­da­men­tais: o pri­mei­ro es­tá no ar­ra­zo­a­do da Re­so­lu­ção pa­ra­dig­má­ti­ca fei­ta pe­lo com­pe­ten­tís­si­mo mi­nis­tro Fer­nan­do Ne­ves, que fez his­tó­ria no TSE pe­la acui­da­de dos jul­ga­dos e pe­la apu­ra­da téc­ni­ca ju­di­ci­al. E o ma­gis­tra­do ata­ca a ques­tão de ma­nei­ra ob­je­ti­va e de­ter­mi­na­da. Diz no vo­to: “Opor­tu­no sa­li­en­tar que a cir­cuns­tân­cia de ter o vi­ce, em seu pri­mei­ro man­da­to, subs­ti­tuí­do o ti­tu­lar, a qual­quer tem­po do man­da­to, in­clu­si­ve, nos seis me­ses an­te­ri­o­res ao plei­to, per­de sig­ni­fi­ca­do, por­que, depois dis­so, ele se can­di­da­tou no­va­men­te a vi­ce, ou se­ja, foi re­e­lei­to co­mo vi­ce. (…) O fa­to de es­tar no se­gun­do man­da­to de vi­ce é ir­re­le­van­te, pois a re­e­lei­ção se deu co­mo tal, is­to é, ao car­go de vi­ce”.

Ex­pres­so

Foi es­te o en­ten­di­men­to uti­li­za­do pe­la Cor­te pa­ra ga­ran­tir o re­gis­tro de Ge­ral­do Alk­min (PSDB) que hou­ve­ra subs­ti­tuí­do Má­rio Co­vas, em 1998, por seis me­ses e depois o su­ce­de­ra, em 2001, com sua mor­te. Mas, não é só. Há ou­tro fun­da­men­to cru­ci­al pa­ra a ques­tão: O TSE tem pa­ci­fi­ca­do o en­ten­di­men­to de que as ine­le­gi­bi­li­da­des, co­mo de sor­te to­dos os di­rei­tos fun­da­men­tais, não per­mi­tem in­ter­pre­ta­ções ex­ten­si­vas ou ana­ló­gi­cas. Sen­do es­sas res­tri­ções de di­rei­tos in­di­vi­du­ais, não po­dem ser ob­je­to de in­ter­pre­ta­ções por ana­lo­gia. As­sim, só exis­te ine­le­gi­bi­li­da­de, quan­do a Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral ex­pres­sa­men­te a pre­vê. E não há pre­vi­são se­me­lhan­te pa­ra vi­ce re­e­lei­to que te­nha subs­ti­tuí­do nos seis me­ses do pri­mei­ro man­da­to de dis­pu­tar o car­go ma­jo­ri­tá­rio depois de fin­da­do o se­gun­do man­da­to.

Do pro­ces­so

Não bas­tas­sem es­tes fun­da­men­tos, há a ques­tão pro­ces­su­al. Di­plo­ma­do, Pu­pin es­tá ap­to a to­mar pos­se no pró­xi­mo dia pri­mei­ro. No go­zo da pos­se, mes­mo que o im­pon­de­rá­vel ocor­ra e uma de­ci­são des­fa­vo­rá­vel - mui­to pou­co pro­vá­vel - sur­ja, ele tem o di­rei­to de se de­fen­der, re­cor­ren­do, pri­mei­ro, na pró­pria Cor­te e, pos­te­ri­or­men­te, no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF). E, além de já ha­ver no Su­pre­mo ju­ris­pru­dên­cia fa­vo­rá­vel a Pu­pin, uma sen­ten­ça de­fi­ni­ti­va em ca­sos se­me­lhan­tes no STF não tem si­do al­can­ça­da em tem­po de um man­da­to de qua­tro anos. O man­da­to aca­ba e o jul­ga­men­to não. Pu­pin, a par­tir de pri­mei­ro de ja­nei­ro, go­ver­na­rá, in­de­pen­den­te­men­te dos ran­ge­res de den­tes e das azi­as dos fa­ná­ti­cos. Qu­em abra­çou o ja­ca­ré pensando que fos­se tron­co, se deu mal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.