Bar­bo­sa diz que de­ci­são so­bre pri­sões sai ho­je

O Diario do Norte do Parana - - GERAL - Fe­li­pe Se­lig­man

O pre­si­den­te do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) e re­la­tor do pro­ces­so do men­sa­lão, mi­nis­tro Jo­a­quim Bar­bo­sa, afir­mou, on­tem, que o pe­di­do de pri­são dos con­de­na­dos do men­sa­lão se­rá de­ci­di­do até ho­jea. Se­gun­do ele, a Cor­te já de­ci­diu ser im­pos­sí­vel a pri­são de um con­de­na­do que ain­da pre­ci­sa de re­cur­sos, mas es­sa dis­cus­são ocor­reu ape­nas em ca­sos que tra­mi­ta­vam em ins­tân­ci­as in­fe­ri­o­res da Jus­ti­ça, nun­ca em re­la­ção a uma ação que co­me­çou e foi jul­ga­da pe­lo pró­prio Su­pre­mo.

“Não des­co­nhe­ço a ju­ris­pru­dên­cia. Par­ti­ci­pei do jul­ga­men­to de um ca­so, mais de um ca­so, há dois ou três anos, on­de o Su­pre­mo de­ci­diu não ser viá­vel o en­car­ce­ra­men­to de um con­de­na­do”, afir­mou. Mas fez uma res- sal­va: “O Su­pre­mo, quan­do de­ci­diu, de­ci­diu so­bre ca­sos que tra­mi­ta­ram em ins­tân­ci­as in­fe­ri­o­res da Jus­ti­ça. É a pri­mei­ra vez que o Su­pre­mo tem que se de­bru­çar so­bre um pe­di­do de exe­cu­ção de uma con­de­na­ção da­da pe­la pró­pria Cor­te, te­mos uma si­tu­a­ção no­va, à luz de não ha­ver pre­ce­den­tes que se en­cai­xem, pre­ci­sa­men­te, nes­sa si­tu­a­ção pos­ta pe­lo pro­cu­ra­dor-ge­ral (da República, Ro­ber­to Gur­gel). Vou exa­mi­nar es­se qua­dro”.

Bar­bo­sa tam­bém afir­mou que es­se mes­mo pe­di­do foi fei­to ao lon­go da tra­mi­ta­ção do pro­ces­so, mas que, na­que­le mo­men­to, aca­bou sen­do ne­ga­do por ele. O mi­nis­tro pro­cu­rou não adi­an­tar qual se­rá a de­ci­são de­le, mas ar­gu­men­tou, por exem­plo, que não ha­ve­ria ago­ra qual­quer ris­co em re­la­ção à exe­cu­ção das con­de­na­ções, por­que não exis­te o ris­co de fu­ga por con­sequên­cia da apre- en­são dos pas­sa­por­tes.

“Com o re­co­lhi­men­to dos pas­sa­por­tes, eu creio que es­se ris­co di­mi­nuiu sen­si­vel­men­te”, des­ta­cou, in­di­can­do que, se a de­ci­são for de man­dar os réus do men­sa­lão pa­ra a pri­são, is­so não ocor­re­rá por mo­ti­vos “cau­te­la­res”, mas re­al­men­te pa­ra uma an­te­ci­pa­ção de­fi­ni­ti­va das pe­nas.

O pre­si­den­te do Su­pre­mo res­sal­tou, qu­es­ti­o­na­do so­bre as re­cen­tes de­cla­ra­ções po­lê­mi­cas do pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, Mar­co Maia (PT-RS), que não se­rá ele a au­to­ri­da­de do Poder Le­gis­la­ti­vo que cum­pri­rá a de­ci­são do Su­pre­mo. “O de­pu­ta­do Mar­co Maia não se­rá a au­to­ri­da­de do Poder Le­gis­la­ti­vo que te­rá a in­cum­bên­cia de dar cum­pri­men­to à de­ci­são do Su­pre­mo. O que ele diz ho­je (on­tem) não te­rá re­per­cus­são al­gu­ma no mo­men­to ade­qua­do de exe­cu­ção das pe­nas”, ob­ser­vou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.