Ami­za­de, sam­ba, le­tra e voz

SHOW Sam­bis­ta ca­ri­o­ca Fred Ca­ma­cho, re­ve­la­ção do ama­nhã, na Ca­sa de Bam­ba gê­ne­ro mu­si­cal, apre­sen­ta mú­si­cas do no­vo CD

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

Ele tem 35 anos, um di­plo­ma de Di­rei­to em mãos, uma pós-gra­du­a­ção em an­da­men­to e uma his­tó­ria de vi­da de dar in­ve­ja a qual­quer aman­te do sam­ba e do pa­go­de. Fred Ca­ma­cho ab­di­cou de uma car­rei­ra de ad­vo­ga­do, mes­ma de sua mãe, pa­ra se de­di­car à ou­tra que mais lhe atraía: vi­ver do pró­prio ta­len­to e da pró­pria mú­si­ca – um de­sa­fio e tan­to pa­ra qual­quer mú­si­co bra­si­lei­ro. O pla­no pa­re­ce ter da­do cer­to. Ho­je o sam­bis­ta ca­ri­o­ca co­le­ci­o­na com­po­si­ções, um his­tó­ri­co co­mo ins­tru­men­tis­ta e ami­za­des que fi­ze­ram a di­fe­ren­ça em to­da a car­rei­ra, res­pon­sá­veis pe­la for­ma­ção mu­si­cal que tem ho­je. Dan­do vez a um pro­je­to so­lo, com um ál­bum que le­va seu no­me, Fred Ca­ma­cho vem a Ma­rin­gá ama­nhã pa­ra to­car com Re­cei­ta do Sam­ba e Mi­che­le Dou­ra­do na Ca­sa de Bam­ba.

O va­lor do in­gres­so an­te­ci­pa­do é de R$ 20, até ho­je às 19h. Depois, a en­tra­da cus­ta­rá R$ 30 por pes­soa. Os in­gres­sos são li­mi­ta­dos à ca­pa­ci­da­de da ca­sa, que é de 300 pes­so­as.

Fre­de­ri­co Ca­ma­cho co­me­çou a vi­da mu­si­cal ain­da me­ni­no, to­can­do tam­bo­rim no Sal­guei­ro. Des­fi­lou aos 15 anos na Ba­te­ria do Sal­guei­ro, on­de des­fi­la até ho­je e le­va o le­ma “Nem me­lhor, nem pi­or. Ape­nas uma es­co­la di­fe­ren­te” tam­bém pa­ra a car­rei­ra so­lo. Foi apa­dri­nha­do pe­la fa­mí­lia Ser­ra, dos irmãos Al­mir Gui­ne­to e o saudoso Lou­ro, que foi mes­tre da ba­te­ria do Sal­guei­ro. Ca­va­qui­nis­ta, Fred fez car­rei­ra acom­pa­nhan­do co­mo com­po­si­tor e ins­tru­men­tis­ta di­ver­sos mú­si­cos de re­no­me, co­mo Ar­lin­do Cruz, Beth Car­va­lho, Mar­ti­nho da Vi­la, Du­du No­bre, Al­ci­o­ne e Ze­ca Pa­go­di­nho – a con­vi­te de Ze­ca, Fred te­ve a opor­tu­ni­da­de de par­ti­ci­par do DVD “Quin­tal do Pa­go­di­nho”, ao la­do de Seu Jorge, Jorge Ben Jor, Jorge Ara­gão, en­tre ou­tros. Sua com­po­si­ção de mai­or su­ces­so foi gra­va­da pe­la fi­lha de Elis Re­gi­na, Maria Ri­ta, in­ti­tu­la­da “O Que é Amor”.

Ho­me­na­ge­a­do pe­la es­co­la que o for­mou mú­si­co em ju­nho des­te ano, ele diz que é uma hon­ra ter re­ce­bi­do es­se ca­ri­nho. “Ge­ral­men­te ve­mos ho­me­na­gens pa­ra os mais ve­lhos. E eu, com meus 35 anos, ti­ve es­se re­co­nhe­ci­men­to”, de­cla­ra. É a pri­mei­ra vez que vem a Ma­rin­gá sen­do o cen­tro das aten­ções na apre­sen­ta­ção. Ele adi­an­ta que vai ro­lar mui­tas mú­si­cas do dis­co no­vo, can­ções do DVD “Quin­tal do Pa­go­di­nho” e, cla­ro, “O Que é Amor”.

Ago­ra a aven­tu­ra é se con­so­li­dar tam­bém com a car­rei­ra so­lo, apri­mo­ran­do o ta­len­to mu­si­cal que o con­sa­grou co­mo re­ve­la­ção no gê­ne­ro mu- si­cal. Em en­tre­vis­ta por te­le­fo­ne ao Diá­rio, Fred Ca­ma­cho já co­me­ça di­zen­do que é um exa­ge­ro cha­má-lo de ins­tru­men­tis­ta de gran­de su­ces­so, mas agra­de­ce. Ri, de­mons­tra imen­sa gra­ti­dão aos eter­nos mes­tres da vi­da mu­si­cal e pes­so­al e fa­la so­bre o pro­ces­so de com­po­si­ção, par­ce­ri­as e os de­sa­fi­os da no­va em­prei­ta­da:

FRED CA­MA­CHO –

Re­al­men­te é um de­sa­fio, por­que a gen­te se­gue na re­ta­guar­da. Fa­ço par­te de ban­das de sam­ba há mui­tos anos. Ini­ci­ei na ba­te­ria do Sal­guei­ro e a gen­te já ti­nha es­sa prá­ti­ca de pal­co, en­tão nes­se sen­ti­do foi fá­cil. O que mu­da é que ago­ra eu es­tou na fren­te, no cen­tro. Nos di­as de ho­je, não es­tan­do nas gran­des re­des, na gran­de mí­dia co­mo o Faus­tão e ou­tras coi­sas mais, é um de­sa­fio se es­ta­be­le­cer. Acres­cen­tou mui­to co­mo mú­si­co, com­po­si­tor, co­mo ho­mem. Ar­lin­do Cruz, Du­du No­bre, apren­di mui­ta coi­sa com eles. No fi­nal, vi­rei par­cei­ro de to­dos aque­les que ti­ve con­ta­to na mi­nha car­rei­ra. A gen­te apren­de só de ob­ser­var, o jei­ti­nho de to­car, de can­tar. Ah, é uma lou­cu­ra! Uma coi­sa que o Mar­ti­nho [da Vi­la] fa­la: “o sam­ba vem da ca­be­ça”. Se a gen­te es­cu­ta uma me­lo­dia, es­sa re­me­te a ou­tra. Ca­da vez que pe­go um ins­tru­men­to, sai uma me­lo­dia di­fe­ren­te, uma fra­se aca­ba ge­ran­do to­da uma mú­si­ca. Não tem co­mo vo­cê pre­ci­sar quan­do vai sur­gir ins­pi­ra­ção, mas é cla­ro que quan­do se tem prá­ti­ca, na mai­o­ria das ve­zes sai com fa­ci­li­da­de. Vo­cê en­tra em um tran­se mu­si­cal, es­tá ali es­pe­ran­do vir uma me­lo­dia le­gal, a coi­sa flui na­tu­ral­men­te. Ti­ve o pra­zer de tê-lo de con­vi­da­do no dis­co. O Ze­ca sem­pre es­tá ali, sem­pre es­tá dis­pos­to a aju­dar. Ele não con­se­guiu ir no lan­ça­men­to [do CD], mas me cha­mou pa­ra can­tar com ele. É uma pes­soa mui­to ge­ne­ro­sa, mui­to en­gra­ça­da. Uma vez que nos en­con­tra­mos, is­so já faz mui­to tem­po, ele lem­brou que ele foi com­prar um car­ro e o do­no do car­ro era por­tu­guês. Es­tá­va­mos con­ver- san­do so­bre car­ros no dia. E o Ze­ca dis­se que ti­nha um Opa­la com­pra­do dum por­tu­guês, que di­zia [fa­zen­do so­ta­que de por­tu­guês] “es­te car­ro pra mim é uma re­lí­quia”. Lo­go que ele com­prou, saiu da ca­sa do por­tu­guês, es­ta­va di­ri­gin­do rá­pi­do e não viu o que­bra-mo­las. Ba­teu a tra­sei­ra e o ca­ra fa­lou ‘Ai Ze­ca, meu car­r­r­r­r­ri­nho!’ (ri­sos). A gen­te se co­nhe­ce faz uns 20 anos, é uma pes­soa mui­to que­ri­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.