Dra­ma na ca­tás­tro­fe; es­pe­ran­ça no hu­ma­no

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ana Lui­za Ver­zo­la

ana­ver­zo­la@odi­a­rio.com O cli­ma de ten­são já pre­do­mi­na no iní­cio do lon­ga-me­tra­gem “O Im­pos­sí­vel”. Já se sa­be que uma tra­gé­dia es­tá por vir, e acom­pa­nhar a fe­li­ci­da­de mo­men­tâ­nea dos per­so­na­gens prin­ci­pais em­pol­ga­dos com uma vi­a­gem in­ter­na­ci­o­nal ao su­des­te da Ásia, em um lo­cal to­tal­men­te pa­ra­di­sía­co, é tor­tu­ran­te. O que vai ser? A fil­ma­gem re­a­lis­ta da tra­gé­dia con­ven­ce e ator­men­ta. Pon­to pa­ra o di­re­tor es­pa­nhol Ju­an An­to­nio Bayo­na, que sou­be con­du­zir o dra­ma sem cair na mes­mi­ce.

Já di­zem por aí que “O Im­pos­sí­vel” le­va a fai­xa de me­lhor dra­ma do ano. Há de se con­cor­dar que a den­si­da­de dra­má­ti­ca é in­ten­sa e sem bre­chas pa­ra re­to­mar o fô­le­go após as ce­nas mais ago­ni­zan­tes. Mes­mo que fo­ca­do na his­tó­ria re­al de uma úni­ca fa­mí­lia de cin­co in­te­gran­tes, as in­ter­ven­ções de per­so­na­gens atin­gi­dos pe­las on­das no de­cor­rer do fil­me abran­gem a tra­je­tó­ria co­mo um to­do, mos­tran­do um pou­co mais da ca­tás­tro­fe de 2004 oca­si­o­na­da por du­as gi­gan­tes­cas on­das.

No­va­men­te pon­to po­si­ti­vo, des­ta vez pa­ra a es­co­lha da tri­lha so­no­ra as­si­na­da por Fer­nan­do Ve­láz­quez. Os cor­tes se­cos e o si­lên­cio vêm em mo­men­to ade­qua­do, qua­se pau­ta­dos na res­pi­ra­ção de qu­em se dei­xa en­vol­ver pe­la tra­ma. Os sons con­du­zi­dos por vi­o­li­nos e vi­o­lon­ce­los en­fa­ti­zam as ce­nas, dan­do os con­tor­nos ne­ces­sá­ri­os pa­ra o gê­ne­ro ci­ne­ma­to­grá­fi­co. Va­le tam­bém men­ci­o­nar os ruí­dos de água e ob­je­tos per­fu­ran­tes en­quan­to os cor­pos são ar­ras­ta­dos pe­las on­das. Tudo con­tri­bui pa­ra a sen­sa­ção de re­a­lis­mo, e é pos­sí­vel não se sen­tir de­bai­xo d’água no de­cor­rer do fil­me.

Ao fi­nal da exi­bi­ção, pe­lo me­nos na pré-es­treia do Ci­ne Araú­jo, no Ca­tu­aí Shop­ping Ma­rin­gá, era de gran­de fa­ci­li­da­de trom­bar com pes­so­as do­nas de olhos aver­me­lha­dos e ma­re­ja­dos. Al­gu­mas pa­la­vras-cha­ve ca­bem pa­ra des­cre­ver o lon­ga: des­trui­ção; dor; pro­te­ção; va­lo­res; for­ça; fa­mí­lia; so­li­da­ri­e­da­de; e, prin­ci­pal­men­te, es­pe­ran­ça. Não se sa­be até que pon­to a his­tó­ria se ba­seia no re­al, mas o aco­lhi­men­to e es­pí­ri­to de hu­ma­ni­da­de dos que so­fre­ram com a tra­gé­dia fa­zem re­nas­cer uma pon­ta de cren­ça no ser hu­ma­no. Fa­vo­rá­vel es­treia em tem­pos na­ta­li­nos. Ce­nas co­mo a que Maria, in­ter­pre­ta­da bri­lhan­te­men­te por Na­o­mi Watts, in­cen­ti­va o fi­lho Lu­cas a sal­var o pe­que­noDa­ni­el, co­mo­vem.

E o fil­me, co­mo um to­do, vai fun­do na bus­ca por atin­gir, a qual­quer cus­to, a sen­si­bi­li­da­de do es­pec­ta­dor. Se­ja no en­re­do, na es­co­lha co­ra­jo­sa de se ar­ris­car em um pro­je­to des­se por­te ou a ca­da de­ta­lhe que cha­me a aten­ção e fa­ça re­fle­tir. É vis­ce­ral. A uti­li­za­ção de pla­nos aber­tos, mos­tran­do to­da a ca­tás­tro­fe, ca­sa bem com a his­tó­ria cen­tral da­que­la fa­mí­lia. A ma­qui­a­gem dis­pen­sa a pre­o­cu­pa­ção de­ma­si­a­da­men­te es­té­ti­ca e é mui­to bem fei­ta. Os clo­ses nos ma­chu­ca­dos e per­fu­ra­ções não exa­ge­ram na ex­po­si­ção e ain­da as­sim dão ar­re­pi­os.

No lon­ga, é pos­sí­vel di­men­si­o­nar a tra­gé­dia e ain­da se in­dig­nar. O en­fo­que é em uma fa­mí­lia que, ape­sar de to­das as di­fi­cul­da­des que pas­sa­ram di­an­te da des­trui­ção, so­bre­vi­veu. Mas o pen­sa­men­to fi­xa na quan­ti­da­de de de­sen­con­tros e mor­tes que nor­te­a­ram uma re­a­li­da­de, que não há, po­rém, en­re­do ci­ne­ma­to­grá­fi­co al­gum que men­su­re. Is­so pe­lo “sim­ples” fa­to de que a tra­gé­dia exis­tiu, e pa­ra os so­bre­vi­ven­tes cer­ta­men­te o acon­te­ci­men­to não ti­nha co­mo ob­je­ti­vo ba­se­ar um fil­me e ar­re­ca­dar bi­lhe­te­ria com os fa­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.