Di­ver­te

Di­re­tor de pre­mi­a­dos co­mo “O Se­gre­do de Bro­ke­back Moun­tain” e “O Ti­gre e o Dra­gão”, Ang Lee vol­ta às te­lo­nas com “As Aven­tu­ras de Pi”, em 3D

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Luiz Za­nin Oric­chio Agên­cia Es­ta­do

Um enor­me ti­gre de Ben­ga­la, um me­ni­no, am­bos em um bo­te per­di­do no mar imen­so, sol e chu­va, fo­me e me­do – e fé. Eis os in­gre­di­en­tes des­te in­crí­vel “As Aven­tu­ras de Pi”, de Ang Lee, adap­ta­do de um li­vro de Yann Mar­tel, aqui pu­bli­ca­do pe­la No­va Fron­tei­ra. A his­tó­ria, que es­treia nas te­las ho­je, é re­la­ta­da por Pi já na meia-ida­de (Ir­r­fan Khan) a um jornalista em bus­ca de uma nar­ra­ti­va que o fa­ça acre­di­tar em Deus.

A aven­tu­ra é a do pró­prio Pi Pa­tel, fi­lho de um do­no de zo­o­ló­gi­co na Ín­dia. Pi na ver­da­de se cha­ma Pis­ci­ne Pa­tel, mas prefere ser con­fun­di­do com a le­tra gre­ga Pi, aque­le nú­me­ro que de­fi­ne a ra­zão en­tre o pe­rí­me­tro de uma cir­cun­fe­rên­cia e seu di­â­me­tro (qual­quer es­tu­dan­te co­nhe­ce o fa­mo­so 3,14... etc.). É um nú­me­ro ir­ra­ci­o­nal, po­de se es­ten­der ao in­fi­ni­to e era ti­do co­mo sa­gra­do na An­ti­gui­da­de. As­sim, o ga­ro­to prefere ser as­so­ci­a­do a um dos mistérios da ma­te­má­ti­ca que à mi­to­ló­gi­ca Pis­ci­na Mo­li­tor, em Pa­ris, tão ad­mi- ra­da por seu pai que o ins­pi­rou na es­co­lha do no­me do fi­lho.

O fa­to é que os negócios do zoo vão mal e é pre­ci­so ten­tar vi­da em ou­tro país. A fa­mí­lia em­bar­ca num na­vio ru­mo ao Ca­na­dá, mas ven­tos e tem­pes­ta­des mu­dam os pro­je­tos hu­ma­nos. Após uma tem­pes­ta­de, o jo­vem Pi se ve­rá num bo­te de sal­va­men­to em com­pa­nhia de uma ze­bra, um oran­go­tan­go fê­mea, uma hi­e­na e o tal ti­gre de Ben­ga­la que, aliás, tem no­me e pre­no­me: cha­ma-se Ri­chard Par­ker.

Ang Lee re­la­ta que quan­do co­nhe­ceu a his­tó­ria, en­can­tou­se por ela, mas, de cer­ta for­ma, te­mia fil­má-la, pois an­te­via as di­fi­cul­da­des em trans­for­mar o ma­te­ri­al li­te­rá­rio em ci­ne­ma de es­tru­tu­ra só­li­da. Op­tou pe­lo 3D por­que es­te ser­vi­ria à fan­ta­sia e tam­bém por­que se­ria um de­sa­fio a mais pa­ra es­te ci­ne­as­ta que vi­ve de en­fren­tá-los.

O taiwa­nês Ang Lee de fa­to en­ca­ra qual­quer ti­po de gê­ne-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.