Adeus, mun­do cruel

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

oxi­gê­nio mis­tu­ra­do com ni­tro­gê­nio, ga­ses no­bres e mui­ta fu­ma­ça de es­ca­pa­men­tos, – pen­so que o apo­ca­lip­se vai acon­te­cer de su­pe­tão. Al­go as­sim co­mo “que foi?”, se­gui­do de “já era!” Não vai so­brar nin­guém pa­ra ler o que quer que se­ja, mui­to me­nos es­ses ela­bo­ra­dos tex­tos que pro­du­zo. Se va­mos mor­rer quei­ma­dos, ex­plo­di­dos, im­plo­di­dos, afo­ga­dos, do­en­tes, fa­min­tos, as­fi­xi­a­dos, se­den­tos ou se­ben­tos, só Deus sa­be. Mi­nha ca­sa é ge­mi­na­da, en­tão se a des­gra­ça fi­nal vi­er pe­la di­rei­ta, pe­ga meu vi­zi­nho pri­mei­ro. Se vi­er pe­la es­quer­da, eu é que vou pro sa­co an­tes. Se vi­er da fren­te ou dos fun­dos, va­mos jun­tos pa­ra on­de quer que se­ja. As­sim sen­do, vou con­vi­dá­lo pa­ra fi­car­mos olhan­do um pro ou­tro nes­ta sex­ta-fei­ra, pra ver qu­em se fer­ra pri­mei­ro. Pois é um sen­ti­men­to atá­vi­co es­se de sa­ber que al­guém se fer­rou an­tes de vo­cê. Tal­vez eli­mi­ne o pe­so da fi­ni­tu­de, e mi­nhas po­ei­ras cós­mi­cas si­gam tran­qui­las seu ca­mi­nho pe­lo in­fi­ni­to – e além. Se eu es­ti­ver tra­ba­lhan­do, nem vai dar pra sa­ber di­rei­to que o mun­do aca­bou. As ja­ne­las da re­da­ção ou mos­tram o pá­tio in­ter­no do Diá­rio ou um mu­ro com al­guns man­dru­vás do ou­tro la­do. Aliás, tem gen­te aqui que prefere ver o fim do mun­do do que um man­dru­vá. Ca­da um com sua ma­nia. Co­mo pa­re­ce que sa­be­re­mos do des­fe­cho da his­tó­ria ape­nas al­guns mi­lis­se­gun­dos an­tes, não creio que haverá tem­po pa­ra as tur­bas de­ses­pe­ra­das sa­que­a­rem su­per­mer­ca­dos e des­truí­rem ore­lhões. Es­sas coi­sas mui­ta gen­te já vem fa­zen­do há tem­pos, mes­mo sem qual­quer Ar­ma­ge­dão à vis­ta. Vou pas­sar es­te even­to do fim do mun­do co­mo co­me­cei: re­cém­nas­ci­do – ou se­ja, ban­gue­la, ca­re­ca e com as fral­das chei­as. Um Ben­ja­min But­ton tar­dio, que não fi­cou mais no­vo após nas­cer ve­lho, mas jus­ta­men­te o con­trá­rio – e am­bos são ruins, di­ga-se de pas­sa­gem. Dei­xo aqui meu agra­de­ci­men­to aos que me gos­tam e mui­tas pra­gas pa­ra qu­em me odeia. Pra­gas es­sas que, con­fir­ma­do o fim do mun­do, se­rão to­das trans­for­ma­das em re­a­li­da­de. Ca­so tudo dê er­ra­do – ou cer­to, de­pen­den­do da pers­pec­ti­va – re­to­mo es­te es­pa­ço na sex­ta-fei­ra após o Na­tal. Adeus e até bre­ve.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.