Con­su­mi­dor, vo­cê não tem es­ses di­rei­tos!

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

É mui­to co­mum o con­su­mi­dor acre­di­tar que pos­sui al­gum di­rei­to que, na ver­da­de, não tem. Tal fa­to se con­fi­gu­ra por vá­ri­as ra­zões: en­tre elas, atos cos­tu­mei­ros de cor­te­sia, bo­a­tos pro­pa­ga­dos prin­ci­pal­men­te pe­la internet e tam­bém pe­lo sim­ples des­co­nhe­ci­men­to da le­gis­la­ção.

Por es­sa ra­zão, pa­ra que vo­cê não re­pas­se in­for­ma­ções er­ra­das, sai­ba quais são os equí­vo­cos mais co­muns de um di­rei­to que o con­su­mi­dor acha que pos­sui, mas que não tem.

- O pri­mei­ro é exi­gir que o for­ne­ce­dor acei­te o pa­ga­men­to com che­que. A úni­ca for­ma de pa­ga­men­to que o for­ne­ce­dor é obri­ga­do a re­ce­ber é em di­nhei­ro. As de­mais, co­mo che­que, car­tão de cré­di­to ou dé­bi­to, no­ta pro­mis­só­ria, etc... são fa­cul­ta­ti­vas. Mas aten­ção: ca­so o for­ne­ce­dor per­mi­ta o pa­ga­men­to em che­que, não po­de ele im­por con­di­ções, tais co­mo va­lor mí­ni­mo de com­pra ou tem­po mí­ni­mo de con­ta cor­ren­te. Po­de, en­tre­tan­to, con­sul­tar o che­que nas em­pre­sas de pro­te­ção ao cré­di­to e re­cu­sá-lo por jus­to mo­ti­vo.

- O se­gun­do é exi­gir a tro­ca ime­di­a­ta ou mes­mo a de­vo­lu­ção do va­lor pa­go por um pro­du­to que apre­sen­tou al­gum de­fei­to ou ví­cio, se es­se pu­der ser con­ser­ta­do. A le­gis­la­ção per­mi­te ao for­ne­ce­dor a pos­si­bi­li­da­de de re­pa­rá-lo em 30 di­as. So­men­te após es­se pra­zo de­ve tro­cá-lo ou de­vol­ver o va­lor pa­go pe­lo mes­mo. A ex­ce­ção ocor­re nos ca­sos em que o pro­du­to não po­de ser con­ser­ta­do, si­tu­a­ção em que de­ve ser tro­ca­do ime­di­a­ta­men­te.

- Ain­da nas ques­tões re­fe­ren­tes às tro­cas, aque­las fei­tas por in­sa­tis­fa­ção, tal co­mo cor ou mo­de­lo, es­sas não são obri­ga­tó­ri­as, mes­mo sen­do co­mu­men­te acei­tas pe­los for­ne­ce­do­res. Mas aten­ção: não re­ti­re a eti­que­ta do pro­du­to e ob­ser­ve as in­for­ma­ções que a acom­pa­nham, co­mo pra­zo da tro­ca, os di­as e as hi­pó­te­ses em que ela po­de ser re­a­li­za­da.

- Uma qu­ar­ta si­tu­a­ção é ve­ri­fi­ca­da quan­do o con­su­mi­dor es­tá ina­dim­plen­te com o pa­ga­men­to ao for­ne­ce­dor e de­se­ja pagar de for­ma par­ce­la­da ou com des­con­to no dé­bi­to. O for­ne­ce­dor não é obri­ga­do a re­ce­ber nem par­ce­la­do e nem com des­con­to. A obri­ga­ção do con­su­mi­dor, nes­sa hi­pó­te­se, é pagar a sua dí­vi­da com os acrés­ci­mos le­gais, tais co­mo cor­re­ção mo­ne­tá­ria, ju­ros e mul­ta de 2%. Qual­quer ou­tra for­ma de pa­ga­men­to do dé­bi­to acei­ta pe­lo for­ne­ce­dor é me­ra­men­te uma li­be­ra­li­da­de des­te.

- Ou­tro equí­vo­co que pro­vo­ca ain­da cer­ta con­fu­são en­tre os con­su­mi­do­res é a exi­gên­cia de cum­pri­men­to de uma ofer­ta pu­bli­ci­tá­ria em que hou­ve um er­ro de di­gi­ta­ção e o va­lor do pro­du­to ofer­ta­do é ir­ri­só­rio se com­pa­ra­do ao pre­ço re­al. Ape­sar do Có­di­go de De­fe­sa do Con­su­mi­dor, em seu art. 30, pre­ver a obri­ga­to­ri­e­da­de do for­ne­ce­dor de cum­prir com aqui­lo que foi vei­cu­la­do, é de se con­sig­nar que to­das as re­la­ções co­mer­ci­ais, in­clu­si­ve as con­su­me­ris­tas, são sem­pre re­gi­das pe­lo prin­cí­pio da boa-fé, tan­to dos for­ne­ce­do­res quan­to dos con­su­mi­do­res, pois não é crí­vel que con­su­mi­dor mé­dio não per­ce­ba que um pro­du­to que es­tá sen­do ofer­ta­do por 10% ou 20% do seu va­lor de mer­ca­do não se­ja fru­to de um er­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.