Men­sa­lão: re­jei­ta­da pri­são ime­di­a­ta de con­de­na­dos

Pe­di­do do pro­cu­ra­dor-ge­ral foi re­jei­ta­do por Bar­bo­sa; che­fe do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co sus­ten­tou que a pri­são vi­sa a evi­tar even­tu­ais re­cur­sos que atra­sa­ri­am as pe­nas

O Diario do Norte do Parana - - GERAL - Agên­cia Fo­lha

re­da­cao@odi­a­rio.com O pre­si­den­te do STF (Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral), Jo­a­quim Bar­bo­sa, ne­gou on­tem o pe­di­do de pri­são dos con­de­na­dos no men­sa­lão fei­to na qu­ar­ta-fei­ra pe­lo pro­cu­ra­dor-ge­ral da República, Ro­ber­to Gur­gel.

Se­gun­do Jo­a­quim Bar­bo­sa, o ple­ná­rio do STF já de­ci­diu, na aná­li­se de um ha­be­as cor­pus e con­tra seu vo­to, ser “in­ca­bí­vel o iní­cio da exe­cu­ção pe­nal an­tes do trân­si­to em jul­ga­do de con­de­na­ção, ain­da que exau­ri­dos o pri­mei­ro e o se­gun­do graus de ju­ris­di­ção”.

Com a de­ci­são, os réus con­de­na­dos no men­sa­lão só irão cum­prir su­as pe­nas quan­do não hou­ver no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral qual­quer chan­ce de re­cur­so. Pa­ra que is­so acon­te­ça, a de­ci­são do Su­pre­mo ain­da pre­ci­sa­rá ser pu­bli­ca­da e, pos­te­ri­or­men­te, ocor­rer o jul­ga­men­to dos re­cur­sos pos­sí­veis. Não há pra­zo pa­ra que is­so acon­te­ça.

Pa­ra Gur­gel, is­so po­de­ria fi­car pa­ra 2014. Foi exa­ta­men­te por is­so que ele pe­diu a exe­cu­ção an­te­ci­pa­da das con­de­na­ções. Ele ar­gu­men­tou que a ação pe­nal do men­sa­lão foi ana­li­sa­da em uma “úni­ca ins­tân­cia” e por is­so não es­ta­ria su­jei­ta a uma “ins­tân­cia re­vi­so­ra”.

Tam­bém ale­gou que o acór­dão con­de­na­tó­rio do Su­pre­mo te­ria o ca­rá­ter de “de­fi­ni­ti­vi­da­de”. “Quan­do exer­ci­da em úl­ti­ma ins­tân­cia, a ju­ris­di­ção do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral pres­cin­de de trân­si­to em jul­ga­do pa­ra que sua de­ci­são pos­sa ser con­si­de­ra­da de­fi­ni­ti­va”, afir­mou. Além dis­so, o pro­cu­ra­dor­ge­ral di­zia que se­rão pro­pos­tos de­ze­nas de re­cur­sos “que im­pe­di­rão por pe­río­do ex­ces­si­va­men­te lon­go a efe­ti­va exe­cu­ção do jul­ga­do”.

O pe­di­do for­mal era o se­guin­te: “que se­ja da­da ime­di­a­ta exe­cu­ção do jul­ga­do, nos seus múl­ti­plos as­pec­tos, no­ta­da­men­te (...) no que con­cer­ne às pe­nas res­tri­ti­vas de li­ber­da­de, com a ex­pe­di­ção dos man­da­dos de pri­são”.

Em sua de­ci­são, no en­tan­to, o pre­si­den­te do STF diz que, “em­bo­ra atí­pi­cos e ex­cep­ci­o­na­lís­si­mos”, ain­da exis­tem re­cur- “Até ago­ra não há da­dos con­cre­tos que per­mi­tam apon­tar a ne­ces­si­da­de de cus­tó­dia cau­te­lar dos réus” sos que, se bem se bem su­ce­di­dos, po­de­ri­am le­var à mu­dan­ça do re­sul­ta­do. “O que a ri­gor afas­ta a con­clu­são de que o acór­dão con­de­na­tó­rio pro­fe­ri­do pe­lo Su­pre­mo Tri­bu­nal fe­de­ral em úni­ca ins­tân­cia se­ria de­fi­ni­ti­vo”.

Ar­gu­men­tos

Des­car­ta­da a hi­pó­te­se de an­te­ci­par o cum­pri­men­to das pe­nas, Jo­a­quim Bar­bo­sa afir­ma que a úni­ca pos­si­bi­li­da­de de man­da­los pe­la pri­são se­ria por al­gum mo­ti­vo ur­gen­te e tem­po­rá­rio, co­mo a ten­ta­ti­va de fu­gir, por exem­plo, o que tam­bém não vem ao ca­so nes­te mo­men­to.

“Há que se des­ta­car que, até ago­ra, não há da­dos con­cre­tos que per­mi­tam apon­tar a ne­ces­si­da­de de cus­tó­dia cau­te­lar dos réus, os quais, aliás, res­pon­de­ram ao pro­ces­so em li­ber­da­de. A is­so se so­ma o fa­to de que já foi de­ter­mi­na­da a proi­bi­ção de os con­de­na­dos se au­sen­ta­rem do País, sem pré­vio co­nhe­ci­men­to e au­to­ri­za­ção do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, bem co­mo a comunicação des­sa de­ter­mi­na­ção às au­to­ri­da­des en­car­re­ga­das de fis­ca­li­zar as saí­das do ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal”, ar­gu­men­ta o mi­nis­tro em sua de­ci­são.

Já em re­la­ção ao nú­me­ro ex­ces­si­vo de re­cur­sos, Jo­a­quim Bar­bo­sa res­pon­de que o STF já vem de­ci­din­do im­por o cum­pri­men­to das pe­nas quan­do ve­ri­fi­ca pro­pos­tas su­ces­si­vas de re­cur­sos “ma­ni­fes­ta­men­te pro­te­la­tó­ri­os (...) sob pe­na de ad­mi­tir-se a pos­si­bi­li­da­de de o réu, me­di­an­te su­ces­si­vos em­bar­gos de de­cla­ra­ção, im­pe­dir, eter­na­men­te, o cum­pri­men­to da pe­na a que foi con­de­na­do”.

Ao to­do, 25 réus fo­ram con­de­na­dos no pro­ces­so do men­sa­lão - - 11 em re­gi­me fe­cha­do, 11 em re­gi­me se­mi­a­ber­to, um em re­gi­me aber­to, além de dois que ti­ve­ram pu­ni­ções subs­ti­tuí­das por san­ções al­ter­na­ti­vas, co­mo mul­ta e res­tri­ção de di­rei­tos.

Asi­lo na Câ­ma­ra

An­tes de Bar­bo­sa re­jei­tar o pe­di­do, o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Mar­co Maia (PT-RS), co­gi­tou a pos­si­bi­li­da­de de ofe­re­cer uma es­pé­cie de asi­lo no Con­gres­so aos de­pu­ta­dos que po­de­ri­am ter sua pri­são de­cre­ta­da.

Maia dis­cu­tiu pe­la pri­mei­ra vez o as­sun­to na noi­te de qu­ar­ta, em con­ver­sas com lí­de­res par­ti­dá­ri­os du­ran­te jan­tar no Pa­lá­cio da Al­vo­ra­da.

On­tem, qu­es­ti­o­na­do so­bre o as­sun­to em en­tre­vis­ta, o pe­tis­ta não ne­gou a in­ten­ção. “Eu ain­da não te­nho uma res­pos­ta pa­ra es­sa per­gun­ta.” Di­an­te da pos­si­bi­li­da­de con­cre­ta de as pri­sões se­rem de­cre­ta­das on­tem, equi­pes da Po­lí­cia Fe­de­ral es­ta­vam a pos­tos pa­ra cum­prir a or­dem de pri­são dos con­de­na­dos.

Fel­li­pe Sam­paio/stf

Bar­bo­sa: acei­tar as pri­sões, só por mo­ti­vo ur­gen­te e tem­po­rá­rio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.