Ou mor­te

Show enér­gi­co no pal­co da Out Ma­rin­gá ama­nhã, a par­tir das 23h for­ma­da em me­a­dos da dé­ca­da de 90, o De­to­nau­tas

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

con­ti­nu­a­ram a cres­cer e a con­quis­tar o pú­bli­co com as le­tras que cha­mam a aten­ção pe­lo con­teú­do e pe­la ex­pe­ri­men­ta­ção a ca­da no­vo dis­co – o quin­to CD es­tá en­for­na­do por ora, com pre­vi­são de lan­ça­men­to de for­ma in­de­pen­den­te no ano que vem. O gru­po se apre­sen­ta ama­nhã na ci­da­de, no Out Ma­rin­gá, a par­tir das 22h. Os in­gres­sos do 1° lo­te va­ri­am en­tre R$ 30 (pis­ta mei­a­en­tra­da) e R$ 618 (me­sa pa­ra seis pes­so­as).

Não é a pri­mei­ra vez que o sex­te­to, for­ma­do por Clés­ton (DJ e per­cus­são), Fábio Bra­sil (ba­te­ria), Phi­lip­pe (gui­tar­ra e vo­cal), Renato Ro­cha (gui­tar­ra), Tchel­lo (bai­xo) e Ti­co San­ta Cruz (vo­cal), vem a Ma­rin­gá – o úl­ti­mo show foi em 2006. Mas a li­ga­ção por es­sas ban­das vem de an­tes, da dé­ca­da de 1990, quan­do a mãe de San­ta Cruz mo­ra­va por aqui. “Mi­nha mãe é pro­fes­so­ra de hi­pis­mo e ro­dou o Bra­sil in­tei­ro dan­do au­las, cri­an­do ca­va­los. Vi­veu em Lon­dri­na por dois anos e depois foi pra Ma­rin­gá. Nes­sa épo­ca es­ti­ve por aí, mas eu era bem no­vo”, re­ve­la. Em en­tre­vis­ta ao Diá­rio, o vo­ca­lis­ta po­lê­mi­co por fa­lar o que pen­sa e en­ga­ja­do con­ta so­bre a car­rei­ra, o atu­al ce­ná­rio do rock bra­si­lei­ro, in­fluên­ci­as e dá um show à par­te so­bre in­ter­pre­ta­ção da pró­pria re­a­li­da­de: flu­en­ci­a­vam era na es­co­lha das mú­si­cas que se­ri­am tra­ba­lha­das, ape­nas is­so. De for­ma que a li­ber­da­de que te­mos ho­je é ape­nas a de não pre­ci­sar su­cum­bir às ne­ces­si­da­des co­mer­ci­ais de lan­ça­men­tos e com is­so po­de­mos tra­ba­lhar com mais tem­po e mais tran­qui­li­da­de. Nos­so di­re­ci­o­na­men­to é ob­je­ti­vo, não te­mos in­ter­me­diá­ri­os en­tre nós e os fãs, lo­go con­se­gui­mos um diá­lo­go me­nos bu­ro­crá­ti­co. A fa­lên­cia do mé­to­do uti­li­za­do pe­las gra­va­do­ras. Nos­so seg- Mú­si­ca é es­ta­do de es­pí­ri­to, mas é tam­bém ma­tu­ri­da­de, co­nhe­ci­men­to, apren­di­za­do, ex­pe­ri­ên­cia e nós já não te­mos a mes­ma ida­de que tí­nha­mos quan­do fi­ze­mos os pri­mei­ros dis­cos, lo­go a for­ma de ver a vi­da mu­dou por al­guns pris­mas. Co­mo com­po­si­tor en­trei nu­ma jor­na­da de au­to­co­nhe­ci­men­to e mui­tas bus­cas li­te­rá­ri­as pa­ra pro­cu­rar uma lin­gua­gem que pu­des­se re­fle­tir tudo is­so e ofe­re­cer le­tras com as quais as pes­so­as pu­des­sem se iden­ti­fi­car que não fos­sem ra­sas. Os mú­si­cos tam­bém fo­ram em su­as bus­cas pes­so­ais por no­vas téc­ni­cas, no­vos tim­bres, no­vas fór­mu­las. En­tão te­re­mos um dis­co com bas­tan­te va­ri­e­da­de mu­si­cal, mas em to­das as mú­si­cas as pes­so­as di­rão: “É do De­to­nau­tas”. tudo is­so se re­fle­te no meu vo­ca­bu­lá­rio e na ma­nei­ra de co­lo­car e ex­pres­sar em pa­la­vras os sen­ti­men­tos e as idei­as. Sem ler fi­ca pra­ti­ca­men­te im­pos­sí­vel es­cre­ver al­go que pos­sa re­al­men­te ser re­le­van­te. O que pa­re­ce é que a bus­ca dos mú­si­cos da ge­ra­ção após a nos­sa é me­ra­men­te o su­ces­so co­mer­ci­al, sem qual­quer com­pro­me­ti­men­to com o que es­tá ofe­re­cen­do. Mas é a ge­ra­ção de­les, a for­ma de­les se ex­pres­sa­rem, a ma­nei­ra que en­con­tra­ram pa­ra se­rem re­co­nhe­ci-

iden­ti­fi­ca com a ar­te. Con­ti­nu­ar fa­zen­do o que nós mais gos­ta­mos: es­tar nos gran­des fes­ti­vais bra­si­lei­ros. Qu­e­re­mos mui­to ro­dar a Eu­ro­pa e vol­tar pa­ra o Ja­pão, mas prin­ci­pal­men­te man­ter nos­so tra­ba­lho for­te aqui no Bra­sil. Po­dem es­pe­rar mui­ta for­ça e ener­gia. Va­mos to­car mú­si­cas no­vas e con­sa­gra­das, além de um re­per­tó­rio com clás­si­cos do rock na­ci­o­nal e al­gu­mas ver­sões de ban­das que gos­ta­mos mui­to!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.