Ar­re­ca­da­ção com IPTU cres­ce 100% em 5 anos

IM­POS­TOS Evo­lu­ção ex­pli­ca-se pe­lo cres­ci­men­to da ci­da­de e me­lho­ria de fer­ra­men­tas pa­ra co­bran­ça; con­tri­bui­ção do im­pos­to na com­po­si­ção da re­cei­ta do mu­ni­cí­pio fi­ca na ca­sa dos 9%

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Leonardo Fi­lho

le­o­nar­do­fi­lho@odi­a­rio.com Nos úl­ti­mos 5 anos, a ar­re­ca­da­ção com Im­pos­to Pre­di­al e Ter­ri­to­ri­al Ur­ba­no (IPTU) em Ma­rin­gá cres­ceu mais de 100%. O le­van­ta­men­to foi fei­to pe­la Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal da Fa­zen­da. Ape­sar da al­ta, o im­pos­to res­pon­de por cer­ca de 9% da re­cei­ta to­tal do mu­ni­cí­pio.

No to­tal, 135 mil ca­das­tros de IPTU em Ma­rin­gá de­vem ge­rar ar­re­ca­da­ção su­pe­ri­or a R$ 71 mi­lhões em 2012.

De acor­do com a Se­cre­ta­ria de Fa­zen­da, vá­ri­os fa­to­res jus­ti­fi­cam es­se au­men­to. “A ci­da­de cres­ceu mui­to nes­te pe­río­do e fo­ram aber­tos no­vos lo­te­a­men­tos, além de ter­mos fer­ra­men­tas mais efi­ci­en­tes pa­ra a fis­ca­li­za­ção”, ex­pli­cou a ge­ren­te de Tri­bu­tos Imo­bi­liá­ri­os do mu­ni­cí­pio, Sô­nia Apa­re­ci­da To­zo.

O im­pos­to pro­gres­si­vo – co­bra- do de gran­des ter­re­nos exis­ten­tes na área ur­ba­na – tam­bém foi um fa­tor que co­la­bo­rou com a al­ta, se­gun­do Sô­nia. Em 2012, os pro­pri­e­tá­ri­os de 90 imó­veis de Ma­rin­gá ti­ve­ram de pagar o tri­bu­to des­ta for­ma. Os va­lo­res so­ma­ram R$ 2,12 mi­lhões.

Pa­ra 2013, o re­a­jus­te na tri­bu­ta­ção se­rá de 6,56%. O ín­di­ce foi apro­va­do em agos­to pe­la Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal. A pre­fei­tu­ra já de­fi­niu o ca­len­dá­rio pa­ra co­bran­ça. “Não haverá mui­tas no­vi­da­des com re­la­ção a 2012. O des­con­to pa­ra qu­em pagar a vis­ta em ja­nei­ro se­rá de 15%, e em fe­ve­rei­ro, de 10%”, dis­se Sô­nia.

Uma fer­ra­men­ta im­por­tan­te que tem aju­da­do a pre­fei­tu­ra na co­bran­ça do im­pos­to é o ge­o­pro­ces­sa­men­to. Tra­ta-se de um ma­pe­a­men­to fei­to com apoio de um sa­té­li­te. Por meio de fo­tos, a pre­fei­tu­ra de­tec­ta as al­te­ra­ções fei­tas no imó­vel. Se­gun­do a se­cre­ta­ria, ho­je, em Ma­rin­gá, apro­xi­ma­da­men­te 26 mil imó­veis es­tão sem al­va­rá, e ou­tros 10 mil não têm Ha­bi­te-se - es­tão ir­re­gu­la­res. “É uma quan­ti­da­de sig­ni­fi­ca­ti­va”, ava­lia a ge­ren­te de Tri­bu­tos Imo­bi­liá­ri­os.

Mes­mo com a ir­re­gu­la­ri­da­de, o mu­ni­cí­pio não dei­xa de ar­re­ca­dar. “A co­bran­ça é fei­ta pe­lo ter­re­no ou pe­la cons­tru­ção de­cla­ra­da”, ex­pli­ca Sô­nia. A ex­pec­ta­ti­va do mu­ni­cí­pio pa­ra 2013 é de que 50% dos con­tri­buin­tes pa­guem o im­pos­to à vis­ta. Em 2012, 46,27% dos ma­rin­ga­en­ses qui­ta­ram os tri­bu­tos des­ta ma­nei­ra. Os ris­cos são as chan­ces de se afe­tar prin­ci­pal­men­te a se­gu­ran­ça da obra, eco­no­mia, du­ra­bi­li­da­de e a qua­li­da­de. As pes­so­as acham que vão eco­no­mi­zar e aca­bam gas­tan­do mais, por­que o pro­fis­si­o­nal es­pe­ci­a­li­za­do tem a téc­ni­ca ade­qua­da pa­ra re­a­li­zar o ser­vi­ço. Tem de tudo. Há aque­les que des­co­nhe­cem e aque­les que que­rem eco­no­mi­zar, mas ge­ral­men­te o ba­ra­to sai ca­ro. Já vi ca­sos de pes­so­as que ti­ve­ram de re­fa­zer par­te de uma cons­tru­ção por cau­sa de um pro­je­to mau exe­cu­ta­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.