Le­gis­la­tu­ra atu­al pro­du­ziu me­nos que an­te­ri­o­res

Ve­re­a­do­res apro­va­ram 335 leis a me­nos que os re­pre­sen­tan­tes da Ca­sa en­tre os anos de 2005 e 2008 e 333 leis a me­nos que os le­gis­la­do­res de 2001 a 2004

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Mu­ri­lo Gat­ti

mgat­ti@odi­a­rio.com A pro­du­ção de leis na atu­al le­gis­la­tu­ra da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Ma­rin­gá so­freu uma que­da de 19% em com­pa­ra­ção às du­as le­gis­la­tu­ras an­te­ri­o­res. Em nú­me­ros, os atu­ais ve­re­a­do­res apro­va­ram 335 leis a me­nos que os re­pre­sen­tan­tes da Ca­sa en­tre os anos de 2005 e 2008 e 333 leis a me­nos que os ve­re­a­do­res que atu­a­ram em Ma­rin­gá de 2001 a 2004. Os da­dos in­clu­em tan­to os pro­je­tos apro­va­dos pe­los ve­re­a­do­res, co­mo as pro­pos­tas en­ca­mi­nha­das pe­lo Poder Exe­cu­ti­vo, que foi o res­pon­sá­vel pe­la pro­du­ção de 41% das leis apro­va­das nos qua­tro anos mais re­cen­tes.

Na ava­li­a­ção do pre­si­den­te Má­rio Hos­so­kawa (PMDB) e do lí­der da opo­si­ção na Ca­sa, Humberto Hen­ri­que (PT), que par­ti­ci­pa­ram das três le­gis­la­tu­ras, o prin­ci­pal mo­ti­vo pa­ra a re­du­ção no nú­me­ro de leis apro­va­das se de­ve à re­du­ção na quan­ti­da­de de pro­je­tos au­to­ri­za­ti­vos apre­sen­ta­dos pe­los ve­re­a­do­res. “An­tes, fa­zi­am-se leis pa­ra au­to­ri­zar até o que não pre­ci­sa­va”, ava­lia Hos­so­kawa. “Te­mos que con­si­de­rar que de 2001 a 2004, tí­nha­mos 21 ve­re­a­do­res e nas ou­tras le­gis­la­tu­ras al­guns ve­re­a­do­res fa­zi­am mui­tos pro­je­tos au­to­ri­za­ti­vos”, pon­de­ra Hen­ri­que.

O pre­si­den­te lem­bra que, no pas­sa­do, hou­ve ca­sos de ve­re­a­do­res que che­ga­ram a apre­sen­tar pro­je­tos au­to­ri­za­ti­vos fra­ci­o­na­dos até pa­ra qua­dras po­li­es­por­ti­vas. “A au­to­ri­za­ção era pa­ra uma mes­ma qu­a­dra de es­por­tes, que nem pre­ci­sa de lei pa­ra ser fei­ta, e o ve­re­a­dor apre­sen­tou qua­tro pro­je­tos, um pa­ra a qu­a­dra de vô­lei, um pa­ra a de fut­sal, uma pa­ra a de bas­que­te e mais um pa­ra a de han­de­bol”, lem­bra.

Os dois ve­re­a­do­res tam­bém con­cor­dam que a quan­ti­da­de de pro­je­tos, re­que­ri­men­tos e in­di­ca­ções apre­sen­ta­dos pe­los ve­re­a­do­res não re­fle­tem di­re­ta­men­te na qua­li­da­de. “Não é a quan­ti­da­de que tor­na es­te ou aque­le o me­lhor ve­re­a­dor. O que tem que se ana­li­sar é a qua­li­da­de da pro­pos­ta e o re­fle­xo pa­ra a po­pu­la­ção”, diz Hos­so­kawa. Hen­ri­que tam­bém ob­ser­va que gran­de par­te das leis já es­tão cri­a­das e re­gu­la­men­ta­das. “Aca­ba não ten­do ne­ces­si­da­de de fa­zer tan­tas leis no­vas, só por fa­zer. O im­por­tan­te é cons­truir pro­pos­tas com a so­ci­e­da­de pa­ra que pos­sam ser im­ple­men­ta­das”, ava­lia o pe­tis­ta.

Ele ar­gu­men­ta que a fun­ção fis­ca­li­za­do­ra do ve­re­a­dor tal­vez se­ja mais im­por­tan­te do que a le­gis­la­do­ra. “A pro­du­ti­vi­da­de não po­de ser me­di­da só em ci­ma da ela­bo­ra­ção de pro­je­tos. Te­mos que fis­ca­li­zar as li­ci­ta­ções e a ela­bo­ra­ção do or­ça­men­to”, res­sal­ta.

O lí­der do pre­fei­to na Ca­sa, Hei­ne Ma­ci­ei­ra (PP), diz não sa­ber ex­pli­car a que­da na pro­du­ção de leis, mas con­si­de­ra que a pro­du­ção dos ve­re­a­do­res de um mo­do ge­ral é fra­ca. “O Exe­cu­ti­vo apre­sen­ta mais pro­je­tos de efei­to na so­ci­e­da­de do que os pró­pri­os ve­re­a­do­res. O meu ga­bi­ne­te, mes­mo, foi uma es­pé­cie de ex­ten­são da pre­fei­tu­ra den­tro da Câ­ma­ra”, re­la­ta.

Ma­ci­ei­ra, que che­gou a cri­ti­car pu­bli­ca­men­te a futura ges­tão, ex­pli­cou que a crí­ti­ca era re­fe­ren­te à pos­tu­ra de dois com­pa­nhei­ros re­e­lei­tos e não aos no­vos ve­re­a­do­res. “A no­va Câ­ma­ra não vai ser nem me­lhor e nem pi­or do que a atu­al”, mo­de­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.