Mo­vi­men­to cri­ti­ca dis­cus­são iso­la­da

O Diario do Norte do Parana - - ESPORTES -

O pro­fes­sor Er­na­ni Pi­men­tel, es­pe­ci­a­lis­ta em Gra­má­ti­ca e au­tor de vá­ri­os li­vros, cri­ti­cou a for­ma co­mo o Acor­do Or­to­grá­fi­co da Lín­gua Por­tu­gue­sa foi dis­cu­ti­do. Se­gun­do ele, ape­nas dois gra­má­ti­cos for­mu­la­ram as re­gras: An­to­nio Hou­aiss, da Aca­de­mia Bra­si­lei­ra de Le­tras (ABL), e Ma­la­ca Cas­te­lei­ro, da Aca­de­mia da Ci­ên­cia de Lis­boa.

“Só du­as pes­so­as dis­cu­ti­ram o acor­do, não fo­ram du­as aca­de­mi­as”, diz Pi­men­tel. “Es­ses dois in­di­ví­du­os se tran­ca­ram pa­ra fa­zer o acor­do”, cri­ti­ca.

Depois de iden­ti­fi­car as “in­co­e­rên­ci­as nas re­gras do acor­do”, o pro­fes­sor cri­ou o mo­vi­men­to Acor­dar Me­lhor, pa­ra mo­bi­li­zar a so­ci­e­da­de em tor­no de um acor­do mais sim­pli­fi­ca­do e atu­a­li­za­do pa­ra a Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa (CPLP).

“Na re­a­li­da­de, pre­ci­sa­mos sim­pli­fi­car es­se acor­do. Pri­mei­ro, ele es­tá fo­ra de épo­ca. Foi pen­sa­do em 1975 e as­si­na­do em 1990. Foi pen­sa­do den­tro de uma vi­são de edu­ca­ção, de pe­da­go­gia to­tal­men­te di­fe­ren­te da que te­mos ho­je. Na­que­la épo­ca, se en­si­na­va com ba­se na me­mo­ri­za­ção, cha­ma­da po­pu­lar­men­te de ‘de­co­re­ba’. Ho­je o alu­no pre­ci­sa ra­ci­o­ci­nar”, pon­de­ra Pi­men­tel.

O mo­vi­men­to Acor­dar Me­lhor tem a ade­são de 20 mil pro­fes­so­res, es­tu­dan­tes de Le­tras e re­pre­sen­tan­tes da so­ci­e­da­de e de­fen­de o adi­a­men­to da obri­ga­to­ri­e­da­de da vi­gên­cia do acor­do pa­ra 2016. “Ou se faz is­so [en­fren­tar os pro­ble­mas do acor­do] ou a gen­te vai vol­tar pa­ra o sé­cu­lo pas­sa­do. A edu­ca­ção do sé­cu­lo 20 vai ser a edu­ca­ção do sé­cu­lo 21”, dis­se.

Pa­ra o pro­fes­sor, en­tre as mo­ti­va­ções de uni­fi­ca­ção do idi­o­ma es­tá a co­lo­ca­ção da Lín­gua Por­tu­gue­sa co­mo re­fe­rên­cia em gran­des even­tos in­ter­na­ci­o­nais, co­mo já acon­te­ce com o in­glês, o fran­cês, o ita­li­a­no e o ale­mão. “Não tem por que Por­tu­gal ter uma gra­fia e o Bra­sil ter ou­tra. Fi­ca­ria ca­ro fa­zer du­as tra­du­ções em uma lín­gua só. En­tão é im­por­tan­te pa­dro­ni­zar a gra­fia.”

Ape­sar das du­ras crí­ti­cas, o pro­fes­sor tam­bém des­ta­ca o que con­si­de­ra “avan­ços” no acor­do. “Na par­te de acen­tu­a­ção, te­ve mui­ta coi­sa boa, te­mos que apro­vei­tar. Foi acer­ta­da a eli­mi­na­ção do acen­to no ‘oo’ e no ‘ee’. Não há ne­ces­si­da­de do acen­to cir­cun­fle­xo em ‘voo’ e ‘le­em’, por­que se ti­rar es­se acen­to não tem jei­to de ler di­fe­ren­te. Es­sa re­ti­ra­da é ab­so­lu­ta­men­te ló­gi­ca. Nas re­gras de acen­tu­a­ção hou­ve avan­ços”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.