Re­li­gi­o­sos pe­dem re­fle­xão no Na­tal

Au­to­ri­da­des das re­li­giões que re­pre­sen­tam a mai­o­ria dos ma­rin­ga­en­ses -- ca­tó­li­ca e evan­gé­li­ca -- re­for­çam que a da­ta de­ve ser mais pa­ra re exão do que fes­ta

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Ivy Val­sec­chi

ivy­val­sec­chi@odi­a­rio.com Mar­ca­do por reu­niões em fa­mí­lia e as tra­di­ci­o­nais tro­cas de pre­sen­tes, o Na­tal tam­bém é o mo­men­to de cul­ti­var bons sen­ti­men­tos, que de­vem per­ma­ne­cer du­ran­te to­do o ano.

O pa­dre San­dro Fer­rei­ra, da Pa­ró­quia San­to Antônio de Pá­dua, em Ma­rin­gá, diz que o Na­tal “Na­tal é tem­po de re­ver as ati­tu­des, os re­la­ci­o­na­men­tos, re­for­çar os la­ços fa­mi­li­a­res, ser so­li­dá­rio” se trans­for­mou em uma gran­de opor­tu­ni­da­de pa­ra au­men­tar as ven­das, or­ga­ni­zar fes­tas de fa­mí­lia, reu­nir ami­gos em tor­no da me­sa e co­mer e be­ber à von­ta­de, além de se di­ver­tir e tro­car pre­sen­tes. “Sem dúvida, fes­te­jar, reu­nir fa­mi­li­a­res e se di­ver­tir são coi­sas bo­as que de­vem ser cul­ti­va­das. O pro­ble­ma es­tá em re­du­zir o Na­tal so­men­te a is­so e não lem­brar de Je­sus Cris­to”. Ele de­fen­de que é ne­ces­sá­rio res­ga­tar o ver­da­dei­ro sen­ti­do do Na­tal, que é o mo­men­to pro­pí­cio pa­ra re­fle­tir so­bre a en­car­na­ção, en­ten­di­da pe­la Igre­ja co­mo o fa­to de o fi­lho de Deus ter as­su­mi­do uma na­tu­re­za hu­ma­na pa­ra re­a­li­zar ne­la a sal­va­ção da hu­ma­ni­da­de. “No fi­lho de Deus a hu­ma­ni­da­de en­con­tra um no­vo mo­do de agir. Na­tal é tem­po de re­ver as ati­tu­des, os re­la­ci­o­na­men­tos, re­for­çar os la­ços fa­mi­li­a­res, ser so­li­dá­rio e de le­var o me­ni­no Deus a to­dos os corações, es­pe­ci­al­men­te da­que­les que não o co­nhe­cem ou es­tão dis­tan­tes de­le”.

O ar­ce­bis­po de Ma­rin­gá, dom Anu­ar Bat­tis­ti, con­cor­da que o Na­tal não po­de ser re­su­mi­do à uma da­ta, ou uma ceia. “Tra­ta-se re­co­nhe­cer a pre­sen­ça do amor de Deus, que nos cri­ou por amor e pa­ra amar. O Na­tal de­ve ser um re­co­me­ço, dei­xan­do de la­do os de­fei­tos e cons­truin­do re­la­ci­o­na­men­tos ver­da­dei­ros”.

Opem

O pre­si­den­te da Or­dem dos Pas­to­res em Ma­rin­gá (Opem), pas­tor Nil­ton Tul­ler, diz que é na­tu­ral que os co­mer­ci­an­tes apro­vei­tem o pe­río­do pa­ra ele­var as ven­das, e que as pes­so­as fa­çam com­pras e apro­vei­tem o pe­río­do far­to de co­mi­da e be­bi­da. “Mas exis­te o ver­da­dei­ro sen­ti­do, que é re­lem­brar o nas­ci­men­to de Cris­to, sem se en­can­tar com o Na­tal co­mer­ci­al e es­que­cer o ver­da­dei­ro sen­ti­do da da­ta”. Pa­ra o pas­tor, é im­por­tan­te que as pes­so­as se lem­brem dos po­bres e fa­çam do­a­ções. “Além de es­tar per­to das pes­so­as que gos­tam. Na­tal é tem­po de co­mu­nhão, de va­lo­ri­za­ção da fa­mí­lia. Mas to­do dia de­ve ser Na­tal. A épo­ca de­ve ser­vir pa­ra re­for­çar bons sen­ti­men­tos”.

João Cláudio Fra­go­so

Exem­plo de fé: pre­sé­pio mon­ta­do na ca­sa do ma­rin­ga­en­se Luiz Rodrigues -- atra­ção na Vi­la Mo­ran­guei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.