La­do de

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

Es­ta­va no au­ge

jazz das su­a­ves com­po­si­ções de Jo­bim. Em ou­tras pa­la­vras, uma sub­ver­são es­ti­lo­sa de uma tri­lha de­li­ca­da, lan­ça­da ori­gi­nal­men­te pe­la Pa­ra­mount, co­pro­du­to­ra do fil­me com a Av­co Em­bas­sy.

A ori­gi­nal tra­zia 13 fai­xas, qua­tro a mais que o dis­co de Quincy Jo­nes, que usa o no­me de Jo­bim pa­ra ven­der um pro­du­to fal­si­fi­ca­do: a fai­xa seis (“Co­ming and Going”), por exem­plo, é um in­ter­mi­ná­vel or­gas­mo da atriz Sally Kel­ler­man (po­pu­lar, na épo­ca, por cau­sa da eró­ti­ca ma­jor Hot Lips, de “Mash”) que faz Jane Bir­kin pa­re­cer uma frei­ra em “Je t’Ai­me Moi Non Plus”. Não é um te­ma com­pos­to por Jo­bim, mas por Ray Brown, pro­va­vel­men­te ins­pi­ra­do nas acro­ba­ci­as se­xu­ais do ator iu­gos­la­vo Be­kim Feh­miu (1936-2010) no fil­me, di­ri­gi­do pe­lo in­glês Lewis Gil­bert e elei­to co­mo um dos dez pi­o­res da his­tó­ria do ci­ne­ma. Tom Jo­bim es­ta­va no au­ge de sua po­pu­la­ri­da­de nos EUA (ti­nha gra­va­do com Frank Si­na­tra dois anos an­tes) quan­do acei­tou as­si­nar a mú­si­ca pa­ra a su­per­pro­du­ção, ba­se­a­da num ro­man­ce po­pu­lar de Ha­rold Rob­bins. O fil­me foi ab­ju­ra­do até por seu di­re­tor, que o con­si­de­ra um de­sas­tre mo­nu­men­tal (ape­sar da fo­to­gra­fia de Clau­de Re­noir, o fi­lho do pin­tor, e um elen­co all star, de Can­di­ce Ber­gen a Oli­via de Ha­vil­land, pas­san­do por Er­nest Borg­ni­ne e Charles Az­na­vour). Va­ga­men­te ins­pi­ra­do na vi­da do play­boy e di­plo­ma­ta do­mi­ni­ca­no Por­fi­rio Ru­bi­ro­sa, “O Mun­dos dos Aven­tu­rei­ros”, am­bi­en­tan­do num país fic­tí­cio da Amé­ri­ca do Sul, Cor­te­guay, é um tí­pi­co pro­du­to ame­ri­ca­no que re­duz to­dos os paí­ses do con­ti­nen­te a re­pú­bli­cas de ba­na­nas, em que os di­ta­do­res se su­ce­dem no mes­mo rit­mo das aven­tu­ras se­xu­ais do pro­ta­go­nis­ta, um gi­golô dis­pos­to a vin­gar o pai, as­sas­si­na­do pe­lo re­gi­me de um dés­po­ta.

O fil­me não me­re­ce a be­la tri­lha que tem. Pau­lo Jo­bim, fi­lho do com­po­si­tor e di­re­tor do Instituto Tom Jo­bim, des­con­fia que o pai ig­no­ra­va o ro­tei­ro (de Lewis Gil­bert e Mi­cha­el Has­tings). La­men­ta que a Pa­ra­mount não te­nha re­e­di­ta­do a tri­lha ori­gi­nal em CD e re­ve­la ter com­pra­do há anos pa­ra o instituto a ver­são de Quincy Jo­nes, num lei­lão pe­la internet. O fa­to é que o com­po­si­tor não re­pe­tiu a ex­pe­ri­ên­cia nos EUA, on­de gra­vou ao la­do de ma­es­tros ho­je es­que­ci­dos, co­mo o vi­bra­fo­nis­ta Gary McFar­land (1933-1971), que morreu en­ve­ne­na­do. Em seu dis­co “Soft Sam­ba” (1964), re­lan­ça­do em CD por um se­lo ja­po­nês nu­ma edi­ção pa­ra co­le­ci­o­na­do­res, Jo­bim to­ca ao vi­o­lão can­ções dos Be­a­tles ao la­do de Kenny Bur­rell, além de te­mas de fil­mes de ou­tros au­to­res (“A Ame­ri­ca­ni­za­ção de Emily”, “The Lo­ve God­dess” e “Mon­do Ca­ne”).

Lem­bra­do lá fo­ra

As gra­va­do­ras es­tran­gei­ras lem­bram mais de Jo­bim que as bra­si­lei­ras. É pos­sí­vel en­con­trar nas lo­jas im­por­ta­do­ras – ain­da que com al­gu­ma di­fi­cul­da­de – a tri­lha que o ma­es­tro ca­ri­o­ca as­si­nou pa­ra “Or­feu do Car­na­val” (Black Orpheus), de Mar­cel Ca­mus. Seu mar­co ze­ro no ci­ne­ma, o dis­co só saiu em 1959 por ini­ci­a­ti­va do pi­a­nis­ta e pro­du­tor de jazz ho­lan­dês Ce­es Sch­ra­ma, sen­do re­lan­ça­do pe­la Ver­ve 40 anos depois.

As gra­va­do­ras bra­si­lei­ras não se in­te­res­sam nem mes­mo em re­lan­çar tri­lhas ho­je clás­si­cas, co­mo as dos fil­mes “Ga­ro­ta de Ipa­ne­ma” (Uni­ver­sal, 1967), “Ga- bri­e­la” (RCA, 1983) e “O Tem­po e o Ven­to” (Som Li­vre, 2003). Quan­do mui­to, man­têm em ca­tá­lo­go dis­cos em que Jo­bim in­se­riu te­mas com­pos­tos pa­ra fil­mes – co­mo o pre­mi­a­do “Crô­ni­ca da Ca­sa As­sas­si­na­da” (qua­tro de­les no CD “Ma­ti­ta Pe­rê”) e “Os Aven­tu­rei­ros” (du­as mú­si­cas no CD “Sto­ne Flower”).

“Mui­tas de su­as tri­lhas nem che­ga­ram a ser lan­ça­das”, diz Pau­lo Jo­bim, que tra­ba­lhou co­mo ar­ran­ja­dor ao la­do do pai em al­gu­mas de­las (“A Me­ni­na do La­do”, “Bra­sa Ador­me­ci­da”, “Fon­te da Sau­da­de”). Uma das mais be­las, “Porto das Cai­xas” (1962), fil­me de es­treia de Pau­lo Ce­sar Sa­ra­ce­ni (com ro­tei­ro de­le e Lú­cio Car­do­so), traz du­as obras-pri­mas do ma­es­tro (“Der­ra­dei­ra Pri­ma­ve­ra” e “Val­sa do Porto das Cai­xas”), que nun­ca mais se­rão ou­vi­das em sua for­ma ori­gi­nal. “A fi­ta ma­triz es­tá per­di­da, mas a sé­rie ‘Re­vi­ven­do’ con­se­guiu res­ga­tar as du­as can­ções ci­ta­das do pró­prio fil­me, em­bo­ra o som ve­nha mis­tu­ra­do aos diá­lo­gos do fil­me.”

Não as­si­na

Jo­bim, que se ha­bi­tu­ou com os ar­ran­jos do ale­mão Claus Oger­man e Eu­mir De­o­da­to quan­do co­me­çou a gra­var nos EUA, não as­si­na a or­ques­tra­ção de boa par­te das tri­lhas que fez (a de “Gabriela” foi fei­ta por Os­car Castro Ne­ves, a de “Ga­ro­ta de Ipa­ne­ma”, por Luiz Eça, e “Sa­ga­ra­na” te­ve co­mo ar­ran­ja­dor Do­ri Caym­mi). A (má) ex­pe­ri­ên­cia in­ter­na­ci­o­nal de “Os Aven­tu­rei­ros” de­ve ter mar­ca­do o ma­es­tro, que pre­fe­riu apos­tar em di­re­to­res bra­si­lei­ros ami- gos, co­mo Pau­lo Ce­sar Sa­ra­ce­ni e Pe­dro de Mo­ra­es (fi­lho de Vi­ni­cius), que di­ri­giu o cur­ta “Tem­po de Mar”, em 1971. “É um fil­me meio abs­tra­to pas­sa­do em Ar­rai­al do Ca­bo com ima­gens sub­ma­ri­nas”, de­fi­ne Pau­lo Jo­bim, lem­bran­do que seu te­ma prin­ci­pal es­tá em “Ma­ti­ta Pe­rê”.

Os ou­vin­tes não ti­ve­ram a mes­ma sor­te com ou­tras tri­lhas de pro­du­ções in­ter­na­ci­o­nais as­si­na­das por Jo­bim. Su­as mú­si­cas fo­ram usa­das em “Ero­ti­que”, fil­me em epi­só­di­os di­ri­gi­do por Ana Maria Ma­ga­lhães, Cla­ra Law e Liz­zie Bor­den. Pa­ra o do­cu­men­ta­ris­ta di­na­marquês Jor­gen Leth, ele compôs a tri­lha de seu fil­me “Man at Play”. Há to­do um Jo­bim des­co­nhe­ci­do pron­to pa­ra ser re­des­co­ber­to pe­las gra­va­do­ras. Não se­ria má ideia reu­nir nu­ma cai­xa to­das as su­as tri­lhas.

Divulgação

Tom Jo­bim compôs di­ver­sas tri­lhas so­no­ras pa­ra fil­mes, mas ma­te­ri­al ain­da é pou­co apro­vei­ta­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.