In­fluên­cia dos gringos

Left Ze­ro, ban­da ma­rin­ga­en­se de rock al­ter­na­ti­vo que con­cor­re a um con­tra­to com a gra­va­do­ra Sony Mu­sic, co­me­ça a gra­var no­vo videoclipe na pró­xi­ma se­ma­na

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ana Lui­za Ver­zo­la

ana­ver­zo­la@odi­a­rio.com Con­cor­ren­do a um con­tra­to com a Sony Mu­sic e já pla­ne­jan­do a agen­da de shows do ano que vem, a ban­da ma­rin­ga­en­se Left Ze­ro co­me­ça a for­ta­le­cer a pre­sen­ça do gru­po no ce­ná­rio de mú­si­ca au­to­ral da ci­da­de e re­gião – o gru­po tem mais de 10 anos de es­tra­da, mas com di­ver­sas for­ma­ções du­ran­te es­sa tra­je­tó­ria. Ago­ra es­ta­bi­li­za­dos, os mú­si­cos, li­de­ra­dos pe­lo vo­ca­lis­ta e gui­tar­ris­ta Johnny Sam­ba­to, pre­pa­ram­se pa­ra gra­var um videoclipe a par­tir da pró­xi­ma qu­ar­ta-fei­ra. Pa­ra­le­lo a is­so, eles ain­da fe­cham as apre­sen­ta­ções do ano com um show ho­je à noi­te em Ci­a­nor­te, no Ca­fé do Pá­tio.

A for­ma­ção atu­al é com­pos­ta por Sam­ba­to nos vo­cais, Hi­ca­ro Fer­rei­ra no bai­xo, Celso Maz­zer na ba­te­ria e Rene Mar­cel na gui- tar­ra. En­quan­to o re­sul­ta­do da Sony Mu­sic não sai, o jei­to, por ora, é fa­zer o no­me ser lem­bra­do pe­lo in­te­ri­or. “Sou pé ver­r­r­r­r­me­lho mes­mo”, brin­ca Sam­ba­to, re­for­çan­do a iden­ti­da­de pe­lo ‘r’ pu­xa­do. Sen­do o úni­co “so­bre­vi­ven­te” da for­ma­ção ori­gi­nal, que co­me­çou em 2001, o vo­ca­lis­ta con­ta que a so­no­ri­da­de do gru­po mu­dou mui­to nes­ses úl­ti­mos anos. “Era bem di­fe­ren­te o som, mais un­der­ground, ba­ru­lhen­to. Aí de­mos uma acal­ma­da”, diz.

Pau­sa

As mu­dan­ças de mú­si­cos no Left Ze­ro fez com que Sam­ba­to de­sa­ni­mas­se. “Em Ma­rin­gá é di­fí­cil achar gen­te pa­ra le­var a sé­rio um pro­je­to de ban­da”, de­cla­ra. Foi en­tão que uma pau­sa em 2008 re­fres­cou as idei­as do vo­ca­lis­ta. Ele foi pa­ra a Eu­ro­pa e con­vi­veu com uma di­ver­si­da­de mu­si­cal que fez a di­fe­ren­ça quan­do vol­tou pa­ra cá. “Foi uma tro­ca de cul­tu­ra bem ba­ca­na. Vol­tei com uma ba­ga­gem mui­to boa. Em Lon­dres es­cu­tei coi­sas que nun­ca ima­gi­nei ou­vir”, diz. Quan­do en­trou em es­tú­dio pa­ra gra­var o no­vo EP, era ele e o gui­tar­ris­ta. “Só depois que o bai­xis­ta e o ba­te­ra en­tra­ram na ban­da”, lem­bra. A in­fluên­cia da vi­a­gem pre­do­mi­nou tam­bém na ho­ra de com­por: to­das as can­ções do dis­co são em in­glês. “Eu não con­si­go ou­vir mi­nhas mú­si­cas can­ta­das em por­tu­guês. Não via fa­zen­do su­ces­so”, ob­ser­va.

O hi­a­to na pro­gra­ma­ção da ban­da fez com que o fu­tu­ro ma­te­ri­al so­as­se di­fe­ren­te. Quan­do re­to­ma­ram os tra­ba­lhos, uti­li­za­ram al­gu­mas mú­si­cas que fo­ram com­pos­tas no ex­te­ri­or e ou­tras por aqui. Es­sa reu­nião re­sul­tou em um EP lan­ça­do es­te ano, in­ti­tu­la­do “Stran­ge Hap­pi­ness”. Ho­je, as prin­ci­pais in­fluên­ci­as do Left Ze­ro são o rock al­ter­na­ti­vo e o brit rock.

Fu­tu­ro

Com a gra­va­ção do cli­pe da mú­si­ca “Oklaho­ma City Ghost”, que de­ve ser lan­ça­da em mar­ço do ano que vem, o ob­je­ti­vo fu­tu­ro é ten­tar uma tur­nê fo­ra do País. “Mas va­mos dar um pas­so de ca­da vez, pri­mei­ro nos­sa ci­da­de, nos­so Es­ta­do...”, res­sal­ta Johnny Sam­ba­to. O que mo­ti­va a que­rer le­var a so­no­ri­da­de pa­ra fo­ra do Bra­sil, pa­ra ele, é o mer­ca­do mu­si­cal lá fo­ra. “O mer­ca­do na Eu­ro­pa é bem mais aque­ci­do que o bra­si­lei­ro”, diz. In­ves­tin­do na divulgação nas re­des so­ci­ais, Sam­ba­to tam­bém co­men­ta qu­em é ge­ral­men­te o pú­bli­co que cos­tu­ma aces­sar às mú­si­cas. “Pes­so­al de fo­ra, In­gla­ter­ra, Ir­lan­da. Tem mui­ta gen­te de ou­tros paí­ses que ou­ve­e­cur­te­nos­so­som”.

Fo­tos: Al­va­ro Sa­sa­ki

Ban­da ma­rin­ga­en­se Left Ze­ro, após vá­ri­as re­es­tru­tu­ra­ções, re­for­ça a iden­ti­da­de au­to­ral na ci­da­de com shows pe­la re­gião, gra­va­ção de um EP com se­te fai­xas e gra­va­ção de um videoclipe

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.