Bri­se traz fres­cor pa­ra den­tro de ca­sa

So­lu­ção ar­qui­tetô­ni­ca con­fe­re be­le­za e har­mo­nia ao pro­je­to, afas­tan­do de uma vez a sen­sa­ção de efei­to es­tu­fa cau­sa­do pe­lo sol

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ju­li­a­na Fon­ta­nel­la

As plan­tas ado­ram o cli­ma aba­fa­do e úmi­do das es­tu­fas, os se­res hu­ma­nos, não. Pa­ra dri­blar o des­con­for­to tér­mi­co da com­bi­na­ção sol, ci­men­to e vi­dro, a ar­qui­te­tu­ra tem uma in­fi­ni­da­de de su­ges­tões. O bri­se­so­leil (que­bra-sol), por exem­plo, é um ele­men­to ar­qui­tetô­ni­co que, além do for­te ape­lo es­té­ti­co, tem a fun­ção prin­ci­pal de con­tro­lar a en­tra­da dos rai­os so­la­res pa­ra evi­tar o efei­to es­tu­fa den­tro das cons­tru­ções, prin­ci­pal­men­te na pro­te­ção de pai­néis de vi­dro. Nas pa­re­des com fa­ce oes­te (sol da tar­de) o bri­se-so­leil é bem-vin­do. O ar­qui­te­to Mar­cos Ken­ji ex­pli­ca que os bri­ses po­dem ser uti­li­za­dos em qual­quer ti­po de edi­fi­ca­ção, in­clu­si­ve re­si­den­ci­al, e afir­ma que a dis­po­si­ção das li­nhas não é ale­a­tó­ria. “O for­ma­to es­tá in­ti­ma­men­te li­ga­do à po­si­ção da fa­ce que qu­e­re­mos pro­te­ger, ou se­ja, de­pen­den­do de sua po­si­ção em re­la­ção à ro­ta­ção do sol te­re­mos um bri­se na ver­ti­cal ou na ho­ri­zon­tal e com pe­ças com in­cli­na­ção va­ri­a­das ou um mis­to en­tre bri­se ver­ti­cal e ho­ri­zon­tal”, diz ele. O cus­to va­ria con­for­me o pro­je­to (ex­ten­são, ma­te­ri­al, etc.), mas exis­tem mo­de­los mó­veis, con­si­de­ra­dos os mais efi­ci­en­tes por­que vão ro­ta­ci­o­nan­do con­for­me a variação da po­si­ção do sol. “Nor­mal­men­te são fei­tos em alu­mí­nio de­vi­do à sua le­ve­za, e po­dem ter aca­ba­men­to ano­di­za­do ou com pin­tu­ra ele­tros­tá­ti­ca. Não é um ele­men­to ba­ra­to em fun­ção do pa­drão do ma­te­ri­al, mas mui­to efi­ci­en­te na ques­tão de pro­te­ção so­lar, con­for­to tér­mi­co e eco­no­mia no uso do ar-con­di­ci­o­na­do. En­fim, é um ele­men­to de bom cus­to­be­ne­fí­cio”, ava­lia.

Na ar­qui­te­tu­ra po­de-se uti­li­zar diferentes ti­pos de ma­te­ri­ais pa­ra com­por um bri­se. Va­lem pe­ças de con­cre­to, ma­dei­ra, alu­mí­nio, cha­pas me­tá­li­cas, po­li­car­bo­na­tos ou mes­mo lo­nas. Até mes­mo o pró­prio vi­dro. “Há um pré­dio em São Pau­lo mui­to in­te­res­san­te que uti­li­zou bri­ses em vi­dro fu­mê. Deu um efei­to es­té­ti­co de mui­ta le­ve­za e cum­priu o pa­pel de pro­te­ção so­lar”, diz Ken­ji.

Va­le a pe­na sa­ber que o ar quen­te, por ser mais le­ve, tem a ten­dên­cia de su­bir. Se hou­ver uma en­tra­da de ar frio pe­la par­te in­fe­ri­or da cons­tru­ção e aber­tu­ras na par­te mais al­ta (nor­mal­men­te no to­po da co­ber­tu­ra) au­to­ma­ti­ca­men­te cri­a­se um flu­xo na­tu­ral de ar que vai co­la­bo­rar com o con­for­to tér­mi­co do am­bi­en­te.

Ken­ji ci­ta ou­tros ele­men­tos ar­qui­tetô­ni­cos que po­dem aju­dar no con­tro­le da tem­pe­ra­tu­ra, co­mo te­lhas ti­po san­duí­che, lâ­mi­nas de iso­la­men­to tér­mi­co, for­ros ter­mo­a­cús­ti­co, além de ven­ti­la­ção e exaus­tão me­câ­ni­ca. Em imó­veis pla­nos, o pai­sa­gis­mo po­de con­tri­buir sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te pa­ra re­fres­car o imó­vel.

Divulgação

O bri­se-so­leil po­de ser uti­li­za­do em qual­quer ti­po de edi­fi­ca­ção, in­clu­si­ve re­si­den­ci­al, sen­do um efi­ci­en­te ele­men­to de con­tro­le de luz; tem um bom cus­to-be­ne­fí­cio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.