La­var cer­to ga­ran­te du­ra­bi­li­da­de

Co­nhe­ça os pro­du­tos e pro­ce­di­men­tos que com­pro­me­tem a be­le­za e a vi­da útil de pe­ças do ves­tuá­rio

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Da Re­da­ção

O ve­rão che­gou. Não há na­da me­lhor do que o chei­ro de rou­pas se­cas ao sol. Apro­vei­te o ca­lor pa­ra la­var to­das as pe­ças amon­to­a­das no ar­má­rio – o me­lhor é que se­cam bem rá­pi­do. Po­rém, o mo­do co­mo se la­va as rou­pas in­flu­en­cia, di­re­ta­men­te, na be­le­za e du­ra­bi­li­da­de dos te­ci­dos. Qu­em afir­ma é Ricardo Mon­tei­ro, ge­ren­te ope­ra­ci­o­nal da Qu­a­lity La­van­de­ria. “Mui­tas pes­so­as não sa­bem co­mo usar cor­re­ta­men­te os pro­du­tos, colocam pe­ças na má­qui­na que de­ve­ri­am ser le­va­das à la­van­de­ria e exa­ge­ram no tem­po do mo­lho – en­tre ou­tros er­ros co­muns”, ilus­tra. Se­gun­do Mon­tei­ro, os pro­du­tos quí­mi­cos, se usa­dos in­cor­re­ta­men­te, po­dem pro­vo­car da­nos aos te­ci­dos. De ma­nei­ra ge­ral, po­rém, a água sa­ni­tá­ria e os de­ter­gen­tes al­ca­li­nos são os mais agres­si­vos a qual­quer ti­po de pe­ça. Já, a água sa­ni­tá­ria, além de pro­vo­car um des­bo­te acen­tu­a­do, po­de tam­bém des­co­rar (re­mo­ver o co­ran­te), da­ni­fi­can­do o te­ci­do. Além dis­so, a fal­ta de neu­tra­li­za­ção do clo­ro ati­vo po­de dei­xar a rou­pa ama­re­la­da e di­mi­nuir sua vi­da útil. O clo­ro re­si­du­al po­de ser neu­tra­li­za­do co­lo­can­do uma me­di­da de 75ml de vi­na­gre de vi­nho bran­co nu­ma má­qui­na do­més­ti­ca. Os de­ter­gen­tes al­ca­li­nos (sa­bão em pó ou lí­qui­do) são in­di­ca­dos pa­ra rou­pas de ca­ma, me­sa, ba­nho e ca­mi­sas so­ci­ais. Quan­do uti­li­za­dos em ex­ces­so ou com pH pró­xi­mo de 14, no en­tan­to, tam­bém pro­vo­cam des­bo­te acen­tu­a­do e des­gas­te pre­ma­tu­ro das fi­bras do te­ci­do, di­mi­nuin­do a vi­da útil da pe­ça. O sa­bão em pe­dra tam­bém é al­ca­li­no e po­de oca­si­o­nar en­fra­que­ci­men­to do te­ci­do, prin­ci­pal­men­te se es­fre­ga­do com mui­ta for­ça. “Não acon­se­lho o uso de sa­bão em pe­dra pa­ra la­var rou­pas”. Já os re­mo­ve­do­res de man­chas nor­mal­men­te são mais con­cen­tra­dos e po­dem pro­vo­car man­chas e des­co­ra­men­tos, ca­so não se­jam uti­li­za­dos cor­re­ta­men­te. “Re­co­men­do a lei­tu­ra aten­ta das ins­tru­ções da em­ba­la­gem e um tes­te com o pró­prio pro­du­to em uma par­te es­con­di­da do te­ci­do pa­ra sa­ber a re­a­ção”, ori­en­ta. Os al­ve­jan­tes à ba­se de pe­ró­xi­do (ti­po Va­nish), in­di­ca­dos pa­ra pe­ças co­lo­ri­das, são óti­mos pa­ra re­for­çar a ação do sa­bão. Uti­li­za­dos na quan­ti­da­de cer­ta, di­fi­cil­men­te pro­vo­cam man­chas ou des­bo­tes nos te­ci­dos. Os ama­ci­an­tes de­vem ser uti­li­za­dos em to­dos os te­ci­dos, por te­rem múl­ti­plas fun­ções: de­sem­ba­ra­çar e re­a­li­nhar as fi­bras do te­ci­do, dei­xan­do-o mais ma­cio e com ta­to se­do­so; re­mo­ver mais ra­pi­da­men­te a água de den­tro da fi­bra di­mi­nuin­do o tem­po de se­ca­gem; fa­ci­li­tar o pas­sa­men­to e cri­ar uma pe­lí­cu­la pro­te­to­ra nas fi­bras, di­fi­cul­tan­do a en­tra­da de su­ji­da­des. “A quan­ti­da­de do pro­du­to in­di­ca­da no ró­tu­lo tam­bém de­ve ser res­pei­ta­da. Já o aro­ma é só um di­fe­ren­ci­al de ca­da mar­ca”.

Má­qui­na de la­var

O equi­pa­men­to é um gran­de ali­a­do e fa­ci­li­ta a vi­da de qual­quer do­na de ca­sa, po­rém tam­bém re­quer cui­da­dos pa­ra de­ter­mi­na­dos ti­pos de te­ci­dos: ce­tim, seda e veludo não de­vem ser co­lo­ca­dos em má­qui­nas do­més­ti­cas, ou so­fre­rão da­nos ir­re­ver­sí­veis, com a que­bra das fi­bras. Além dis­so, ad­qui­rem ca­rac­te­rís­ti­cas de amas­sa­men­to que tor­nam im­pos­sí­vel pas­sá­los. “Es­ses te­ci­dos de­vem ser la­va­dos à mão, com de­li­ca­de­za, e de­ter­gen­te neu­tro”. Pe­ças de li­nha e tricô de lã ou acrí­li­co po­dem ir à má­qui­na, des­de que co­lo­ca­das em sa­cos de pro­te­ção ou fro­nhas ali­nha­va­das, e la­va­das so­men­te com de­ter­gen­te neu­tro, no pro­gra­ma “de­li­ca­dos”. Pa­ra pe­ças sin­té­ti­cas ( poliéster), pro­cu­re uti­li­zar pro­gra­mas mais su­a­ves ou mes­mo “de­li­ca­dos”, pa­ra não cau­sar que­bras nas fi­bras. Do ou­tro la­do, as rou­pas de ca­ma, me­sa, ba­nho e je­ans po­dem re­ce­ber pro­gra­mas com mai­or ação me­câ­ni­ca.

Uti­li­zar es­co­vas de cer­das du­ras pa­ra es­fre­gar go­las, pu­nhos, etc, da­ni­fi­ca e pro­vo­ca o des­gas­te pre­ma­tu­ro.

Tor­cer de­mais as rou­pas po­de que­brar as fi­bras e re­mo­ver co­ran­tes.

Se­car rou­pas ao sol qu­ei­ma as fi­bras, pro­vo­ca des­bo­te acen­tu­a­do e en­fra­que­ce o te­ci­do. Os rai­os so­la­res tam­bém po­dem amarelar o te­ci­do bran­co. Se não ti­ver al­ter­na­ti­va, que a in­ci­dên­cia do sol se­ja apro­vei­ta­da no pe­río­do da ma­nhã e no fi­nal da tar­de.

Pa­ra la­var a rou­pa pre­ta sem per­der a cor, uma re­gra é ja­mais dei­xar as pe­ças de mo­lho. Quan­to me­nos elas fo­rem ex­pos­tas ao

sa­bão e ao sol, mais vão du­rar.

Pen­du­rar rou­pas de ma­lha, tricô ou li­nha no va­ral pro­vo­ca es­ti­ra­men­to na pe­ça.

Pas­sar rou­pas sem uma sa­pa­ta de pro­te­ção ou um pa­no de al­go­dão en­tre o te­ci­do e a cha­pa do fer­ro, pro­vo­ca bri­lho e qu­ei­ma das fi­bras.

Se for se­car ao sol, es­ten­da as rou­pas no iní­cio da ma­nhã ou fi­nal de tar­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.