Não é do jo­go

O Diario do Norte do Parana - - OPI­NIÃO -

Eli­a­na Cal­mon foi a ma­gis­tra­da que mais deu o que fa­lar nos úl­ti­mos anos com su­as de­cla­ra­ções po­lê­mi­cas - co­mo a dos “ban­di­dos de to­ga”, nu­ma alu­são a juí­zes de­so­nes­tos e com des­vio de con­du­ta até ao pon­to de co­me­ter cri­mes. Ela só foi ul­tra­pas­sa­da pe­lo mais fa­mo­so “Jo­a­quim bra­si­lei­ro”.

Seu pa­ra­le­lo ao jul­ga­men­to do men­sa­lão se dá ape­nas pe­lo fa­to de sua in­di­ca­ção pa­ra o car­go ter si­do se­me­lhan­te à do mi­nis­tro Luiz Fux. Eles se tor­na­ram mi­nis­tros gra­ças a gen­te da pe­sa­da, que dis­pen­sa apre­sen­ta­ção. Ela, apa­dri­nha­da por Edi­son Lo­bão, Re­nan Ca­lhei­ros, An­to­nio Car­los Ma­ga­lhães e... Ja­der Bar­ba­lho. Luiz Fux, por na­da mais, na­da me­nos do que Jo­sé Dir­ceu, um dos con­de­na­dos por ele. Com o agra­van­te de ter si­do in­di­ca­do qu­an­do seu pa­dri­nho já era réu no pro­ces­so do men­sa­lão.

Fo­ram eles qu­em de­cla­ra­ram seus pa­dri­nhos. Es­sas afir­ma­ti­vas dão a en­ten­der que não exis­te ou­tro ca­mi­nho pa­ra se al­can­çar as in­di­ca­ções, a não ser por es­se viés po­lí­ti­co, que se for ver­da­dei­ro, os de­mais mem­bros da Su­pre­ma Cor­te de­ve­ri­am es­cla­re­cer por qu­em fo­ram agra­ci­a­dos. Es­ta­ri­am dis­pen­sa­dos Di­as Tof­fo­li e Ri­car­do Lewan­dows­ki.

Mes­mo que não se apli­que ao ca­so con­cre­to, não é sem sen­ti­do que al­guns con­de­na­dos e seus sim­pa­ti­zan­tes afir­mam tra­tar-se de um jul­ga­men­to po­lí­ti­co. Mas a ques­tão é o ca­mi­nho tor­tu­o­so pa­ra se che­gar a tão re­le­van­te pos­to. Sen­do as­sim, su­põe-se que vá­ri­as pes­so­as, com a mes­ma qua­li­fi­ca­ção técnica de Luiz Fux e Ro­se We­ber, es­tão fo­ra des­sas ca­dei­ras ou por fal­ta de pa­dri­nhos, mes­mo que do ní­vel des­ses, ou por­que não tri­lha­ram a car­ti­lha. Na Re­vis­ta Ve­ja da se­ma­na pas­sa­da, a pre­si­den­te do Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral da 4ª Re­gião, de­sem­bar­ga­do­ra Mar­ga In­ge Barth Tes­s­ler, afir­ma que é usu­al e nor­mal que os juí­zes sem li­ga­ções po­lí­ti­cas fa­çam seus cur­rí­cu­los che­ga­rem às al­tas so­ci­e­da­des fe­de­rais. Pa­la­vra de pre­si­den­te; bas­tan­te equi­vo­ca­da. Não bas­ta se­rem au­to­ri­da­des fe­de­rais; é pre­ci­so que se­jam dig­nas. E não se ima­gi­na es­ses dois ma­gis­tra­dos de bra­ços da­dos com seus pa­dri­nhos.

Nos­sa so­ci­e­da­de é to­le­ran­te com des­ca­mi­nhos. Al­gu­mas afir­ma­ti­vas de do­mí­nio pú­bli­co fa­lam por si. “Se eu es­ti­ves­se no lu­gar de­le, tal­vez fi­zes­se a mes­ma coi­sa.” Es­sa fra­se traz uma dú­vi­da ape­nas pa­ra ali­vi­ar e ser­ve pa­ra al­guém que não de­vol­ve o que en­con­tra ou faz re­fe­rên­cia a al­gu­ma fal­ca­trua de um po­lí­ti­co cor­rup­to. Sem dú­vi­da ne­nhu­ma, são os tais mei­os a jus­ti­fi­car os fins, te­se li­ga­da um­bi­li­cal­men­te à ges­tão “rou­ba, mas faz.”.

Pe­lo de­sem­pe­nho de am­bos, ain­da que no ca­so con­cre­to se tra­te de du­as fi­gu­ras aci­ma de sus­pei­tas, as re­a­ções con­trá­ri­as de­ve­ri­am ser ime­di­a­tas. Os co­men­tá­ri­os na im­pren­sa so­a­ram amis­to­sos. Luiz Fux ale­gou que fo­ra apre­sen­ta­do a Zé Dir­ceu. As­sim, com a ino­cên­cia de uma cri­an­ça. Já Eli­a­na Cal­mon dis­se que, sem es­se ti­po de aju­da, não se che­ga lá.

Há ne­ces­si­da­de de se rei­te­rar que o bra­si­lei­ro tem ido­la­tria por uma de­fe­rên­cia gra­tui­ta, mais pe­lo car­go do que pe­lo de­sem­pe­nho ou cor­re­ção do agen­te. O mai­or sím­bo­lo fo­ram os gri­tos mor­tais de “Ai, dou­tor!”, pro­fe­ri­dos por Má­rio Jo­sé Jo­si­no a ca­da bor­ra­cha­da do PM na Fa­ve­la Na­val, em Di­a­de­ma (SP).

Tal­vez os mi­nis­tros pos­sam ser ali­vi­a­dos pe­la fra­se de Gra­ci­li­a­no Ra­mos, em “São Ber­nar­do”, ao di­zer que fi­ze­ra coi­sas bo­as que lhe trou­xe­ram pre­juí­zo; fi­ze­ra coi­sas ruins que lhe de­ram lu­cro. No Fa­ce­bo­ok, a re­de da mo­da, cir­cu­la sem­pre uma fra­se so­bre qual o mun­do que a gen­te pre­ten­de dei­xar aos nos­sos fi­lhos, re­ba­ti­da com a pre­o­cu­pa­ção de sa­ber que fi­lhos a gen­te dei­xa pa­ra o mun­do. Ca­be­ria a per­gun­ta a am­bos, se eles re­co­men­da­ri­am o mes­mo ca­mi­nho a seus fi­lhos. A res­pos­ta se­ria um in­di­ca­ti­vo quan­to à ino­cên­cia ou à cor­re­ção do ca­mi­nho es­co­lhi­do pe­los bri­lhan­tes ma­gis­tra­dos. Es­se po­de ser o úni­co ca­mi­nho des­se jo­go, mas só jo­ga qu­em é do jo­go.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.