Li­qui­da­ções pós-na­tal Tren­zi­nho do Pa­pai No­el mu­da lo­cal de pa­ra­das têm até 70% de des­con­to

Lo­jis­tas re­a­li­zam pro­mo­ções pa­ra quei­mar es­to­ques e po­der fa­zer a tro­ca de mos­truá­ri­os; ini­ci­a­ti­va faz de ja­nei­ro um “se­gun­do de­zem­bro”, com ven­das aque­ci­das Pe­río­do de tro­cas já co­me­çou Ven­das cres­ce­ram 5,1%

O Diario do Norte do Parana - - CI­DA­DES - Ivy Val­sec­chi Agência Es­ta­do

ivy­val­sec­chi@odi­a­rio.com Após o Na­tal, co­me­ça a tra­di­ci­o­nal quei­ma de es­to­que no co­mér­cio. Al­guns lo­jis­tas dão iní­cio ao pe­río­do de pro­mo­ções de for­ma tí­mi­da, com ape­nas al­guns des­con­tos. Ou­tros já anun­ci­am van­ta­gens em to­da a li­nha.

Em uma loja de mó­veis e ele­tro­do­més­ti­cos no cen­tro de Ma­rin­gá, já é pos­sí­vel en­con­trar des­con­tos de 50% a 70%. “Ja­nei­ro é con­si­de­ra­do o ‘se­gun­do de­zem­bro’. É uma ma­nei­ra de man­ter as ven­das aque­ci­das an­tes da che­ga­da dos no­vos pro­du­tos. Se com­pa­ra­das as ven­das do iní­cio de de­zem­bro com as do iní­cio de ja­nei­ro, as de ja­nei­ro sem­pre são me­lho­res”, diz o ge­ren­te Jo­el Pau­li­no de Cam­pos. Se­gun­do ele, a pro­mo­ção se­gue até o dia 6. A tro­ca de mos­truá­rio de­ve co­me­çar no dia 15. “O ob­je­ti­vo é quei­mar o es­to­que. É di­fí­cil so­brar pro­du­to an­ti­go.”

A ge­ren­te de uma loja de pre­sen­tes e uti­li­da­des do­més­ti­cas, Iva­nil­de Ja­co­mi­ni Gu­er­rei­ro, vê a tra­di­ci­o­nal li­qui­da­ção de co­me­ço de ano co­mo uma ex­ten­são do Na­tal. “Es­sa se­ma­na já te­mos al­guns pro­du­tos com pre­ços es­pe­ci­ais, mas a li­qui­da­ção co­me­ça na pri­mei­ra se­ma­na de ja­nei­ro. Al­guns itens são ven­di­dos a pre­ço de cus­to.”

Em uma loja de de­par­ta­men­tos, a quei­ma de es­to­que te­rá des­con­tos de 10% a 50%. “O re­sul­ta­do é mui­to bom, prin­ci­pal­men­te no se­tor de ele­tro­do­més­ti­cos e ele­tro­e­le­trô­ni­cos. Não é me­lhor que o Na­tal, que é uma da­ta im­ba­tí­vel, mas aju­da a man­ter bo­as ven­das”, explica o ge­ren­te Mau­ri­ci Kam­mer. Ape­sar de os des­con­tos mai­o­res co­me­ça­rem ape­nas em al­guns di­as, on­tem a loja já ofe­re­cia pro­du­tos com par­ce­la­men­to em até dez ve­zes, sem en­tra­da e sem ju­ros. “De­pois do Na­tal sem­pre fa­ze­mos al­go es­pe­ci­al pa­ra mo­vi­men­tar as ven­das.”

O pin­tor Te­o­do­ro Go­mes de Sou­za Fi­lho apro­vei­ta os des­con­tos de ja­nei­ro pa­ra com­prar pro­du­tos pa­ra ca­sa. “No Na­tal eu e minha fa­mí­lia com­pra­mos al­gu­mas lem­bran­ci­nhas, pois não há co­mo não dar pre­sen­te. Mas eco­no­mi­za­mos e com­prar­mos coi­sas que cos­tu­mam ser mais ca­ras fo­ra de pro­mo­ção. Ago­ra a in­ten­ção é com­prar mó­veis pa­ra o be­bê”, explica. Nu­me­ra­ção er­ra­da, de­fei­tos ou mo­de­lo que não agra­dou le­vam o con­su­mi­dor às lo­jas de­pois do Na­tal, no fa­mo­so pe­río­do de tro­cas de pre­sen­tes - uma cor­te­sia ofe­re­ci­da pe­la mai­o­ria dos co­mer­ci­an­tes de Ma­rin­gá.

Após 14 anos de ca­sa­men­to, o ma­ri­do da ven­de­do­ra Márcia Car­va­lho “es­cor­re­gou” na ho­ra de es­co­lher a lem­bran­ça. A san­dá­lia que deu à es­po­sa ti­nha o sal­to al­to de­mais. “Ele nun­ca er­rou, mas acho que se em­pol­gou por­que achou bo­ni­to.”

A apo­sen­ta­da Ruth Ani­ta Tes­che es­te­ve on­tem em uma loja de cal­ça­dos no cen­tro pa­ra tro­car uma sa­pa­ti­lha que deu pa­ra a em­pre­ga­da. “Com­prei o nú­me­ro 37, que é o que ela cal­ça, mas pe­la for­ma do sa­pa­to, te­ria que ser o 36. Ela tra­ba­lha co­mi­go há 6 anos e foi a pri­mei­ra vez que não acer­tei.”

Se­gun­do a ge­ren­te da loja, Fe­lí­cia Vi­ei­ra, até as 16h de on­tem mais de 50 tro­cas já ha­vi­am si­do re­a­li­za­das. “É um nú­me­ro den­tro da mé­dia, e a mai­o­ria é pre­sen­te. As ven­de­do­ras são in­for­ma­das de que a tro­ca é o me­lhor mo­men­to pa­ra fi­de­li­zar cli­en­tes. Mui­tos fa­zem no­vas com­pras e ou­tros le­vam pro­du­tos mais ca­ros do que o com­pra­do an­tes e pa­gam a di­fe­ren­ça”.

re­da­cao@odi­a­rio.com O In­di­ca­dor de Ati­vi­da­de do Co­mér­cio, di­vul­ga­do on­tem pe­la Se­ra­sa Ex­pe­ri­an, apon­ta que as ven­das na se­ma­na do Na­tal (de 18 a 24 de de­zem­bro) cres­ce­ram 5,1% no País em com­pa­ra­ção com o mes­mo pe­río­do de 2011. No ano pas­sa­do a ex­pan­são ha­via si­do de 2,8%. Le­van­do em con­ta ape­nas o fim de se­ma­na que an­te­ce­deu o Na­tal (do dia 21 ao 23), as ven­das re­gis­tra­ram au­men­to de 3,9% em re­la­ção a igual pe­río­do do ano pas­sa­do. Em 2011, a al­ta ha­via si­do de 2,5%.

Em no­ta dis­tri­buí­da à im­pren­sa, os eco­no­mis­tas da Se­ra­sa Ex­pe­ri­an ava­li­am que o bom cres­ci­men­to das ven­das na se­ma­na do Na­tal foi pro­vo­ca­do pe­la an­te­ci­pa­ção do con­su­mo fa­vo­re­ci­da pe­lo fim de se­ma­na pro­lon­ga­do.

Já a Boa Vis­ta Ser­vi­ços, ad­mi­nis­tra­do­ra Ser­vi­ço de Pro­te­ção ao Cré­di­to (SCPC), cal­cu­la a al­ta em 4,1%. Es­se vo­lu­me tam­bém foi mai­or que o re­gis­tra­do no ano pas­sa­do, quan­do hou­ve avan­ço de 2,4% na com­pa­ra­ção com 2010.

O cál­cu­lo foi fei­to com ba­se em amos­tra das con­sul­tas re­a­li­za­das no ban­co de da­dos da Boa Vis­ta Ser­vi­ços, in­for­ma co­mu­ni­ca­do ofi­ci­al da em­pre­sa. O Pro­vo­par de Ma­rin­gá in­for­mou que des­de on­tem, a pa­ra­da do Tren­zi­nho do Pa­pai No­el foi trans­fe­ri­da pa­ra a Pra­ça Re­na­to Ce­lidô­nio, tam­bém co­nhe­ci­da co­mo pra­ça da pre­fei­tu­ra, no la­do da Ave­ni­da Ti­ra­den­tes, em fren­te à ca­te­dral. A pa­ra­da da pra­ça Napoleão Mo­rei­ra da Sil­va já es­tá de­sa­ti­va­da. Os pas­sei­os pe­la área cen­tral com o tren­zi­nho se­rão re­a­li­za­dos até o dia 30, do­min­go, com saí­das das 18 às 22 ho­ras. Os in­gres­sos cus­tam R$ 5. Cri­an­ças com até 5 anos acom­pa­nha­das dos pais ou res­pon­sá­veis, ido­sos aci­ma de 65 anos e pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia pas­sei­am gra­tui­ta­men­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.