Ano No­vo se­rá de ar­ro­cho pa­ra as pre­fei­tu­ras

Pre­fei­tos que as­su­mem no dia pri­mei­ro re­ce­be­rão mu­ni­cí­pi­os des­ca­pi­ta­li­za­dos, com dí­vi­das, fro­ta su­ca­te­a­da e sem cer­ti­dões que per­mi­tam re­ce­ber fi­nan­ci­a­men­tos

O Diario do Norte do Parana - - RE­GIÃO - Luiz de Car­va­lho

car­va­lho@odi­a­rio.com Um Mu­ni­cí­pio que des­ti­na mais da me­ta­de da re­cei­ta pa­ra o pa­ga­men­to de pes­so­al, boa par­te con­tra­ta­do nos úl­ti­mos me­ses, fé­ri­as de fun­ci­o­ná­ri­os acu­mu­la­das há dois anos, má­qui­nas e ôni­bus es­co­la­res com mo­to­res fun­di­dos e sem pneus, con­tra­tos de mé­di­cos en­cer­ra­dos, pre­fei­tu­ra sem cer­ti­dões, por­tan­to, sem con­di­ções de ob­ter qual­quer fi­nan­ci­a­men­to. Es­sa é a si­tu­a­ção da Pre­fei­tu­ra de Flo­res­ta que o pre­fei­to elei­to Jo­sé Ro­ber­to Ruiz (PP) en­con­tra­rá ao as­su­mir no dia pri­mei­ro de ja­nei­ro, mas a si­tu­a­ção não é mui­to di­fe­ren­te das que os co­le­gas as­su­mi­rão em ou­tras ci­da­des, co­mo Pre­si­den­te Cas­te­lo Bran­co, Ata­laia e Igua­ra­çu.

Pron­to pa­ra ini­ci­ar o ter­cei­ro man­da­to de­le co­mo pre­fei­to, Ruiz diz que es­tá cla­ro que o atu­al pre­fei­to, Antô­nio Fu­en­tes Mar­tins (PMDB), faz o pos­sí­vel pa­ra in­vi­a­bi­li­zar a pró­xi­ma ad­mi­nis­tra­ção. “Ele dei­xa a pre­fei­tu­ra em uma si­tu­a­ção tão caó­ti­ca que to­do o pri­mei­ro ano de tra­ba­lho se­rá de ar­ro­cho to­tal”, des­ta­ca. Pa­ra com­pli­car ain­da mais a si­tu­a­ção de Flo­res­ta, a pre­fei­tu­ra não con­ta com cer­ti­dões ne­ga- ti­vas e as­sim a ad­mi­nis­tra­ção de Ruiz es­ta­rá im­pe­di­da de con­trair qual­quer ti­po de fi­nan­ci­a­men­to.

Em Pai­çan­du, o pre­fei­to elei­to Tarcísio Mar­ques dos Reis, o Pro­fes­sor Tarcísio (PT), tem dois pro­ble­mas pa­ra se­rem so­lu­ci­o­na­dos lo­go nos pri­mei­ros di­as: con­se­guir o li­cen­ci­a­men­to de uma área pa­ra im­plan­tar um ater­ro sa­ni­tá­rio e fa­zer com que o Hos­pi­tal Mu­ni­ci­pal São Jo­sé vol­te a fun­ci­o­nar “de for­ma sa­tis­fa­tó­ria”. O hos­pi­tal te­ve o Cen­tro Ci­rúr­gi­co in­ter­di­ta­do e vá­ri­os se­to­res não fun­ci­o­nam. Já o li­xo da ci­da­de es­tá sen­do le­va­do a um ater­ro em Sa­ran­di, a 25 quilô­me­tros de dis­tân­cia, com a pre­fei­tu­ra pa­gan­do R$ 80 por to­ne­la­da de­po­si­ta­da.

“Es­ses são pro­ble­mas ime­di­a­tos e que acon­te­cem em uma ou ou­tra pre­fei­tu­ra, mas exis­tem fa­to­res que afe­ta­rão a to­dos os pre­fei­tos que as­su­mi­rão no dia pri­mei­ro”, diz o pre­fei­to re­e­lei­to de Ma­ri­al­va, Ed­gar Sil­ves­tre, o De­ca (PSB), que em ja­nei­ro as­su­me tam­bém a Pre­si­dên­cia da As­so­ci­a­ção dos Mu­ni­cí­pi­os do Se­ten­trião Pa­ra­na­en­se (Amu­sep). Ele se re­fe­re às di­fi­cul­da­des econô­mi­cas que atin­gem as pre­fei­tu­ras das ci­da­des me­no­res, pro­vo­ca­das, prin­ci­pal­men­te, pe­la que­da do Fun­do de Par­ti­ci­pa­ção dos Mu­ni­cí­pi­os (PFM). “Nos mu­ni­cí­pi­os me­no­res, o FPM che­ga a cor­res­pon­der a até 70% da re­cei­ta, o que sig­ni­fi­ca que os fu­tu­ros pre­fei­tos po­de­rão ter di­fi­cul­da­des até pa­ra pa­gar os fun­ci­o­ná­ri- os. Quan­to me­nor o mu­ni­cí­pio, mais de­pen­den­te ele é do FPM e quan­to mais de­pen­den­te, mais com­pli­ca­da a si­tu­a­ção pa­ra o pre­fei­to”, res­sal­ta.

O pre­fei­to de As­tor­ga, Ar­qui­me­des Zi­rol­do, o Be­ga (PTB), com a ex­pe­ri­ên­cia de quem vai ini­ci­ar o quin­to man­da­to, lem­bra que além do FPM bai­xo, os fu­tu­ros pre­fei­tos te­rão no­vas des­pe­sas, que até ago­ra não exis­ti­am pa­ra as pre­fei­tu­ras, co­mo a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­la ma­nu­ten­ção da ilu­mi­na­ção pú­bli­ca. Ou­tro fa­to apon­ta­do por Be­ga é a in­de­fi­ni­ção na área da saú­de pú­bli­ca so­bre quem se res­pon­sa­bi­li­za pe­lo aten­di­men­to de mé­dia e al­ta com­ple­xi­da­de. “Es­te ti­po de aten­di­men­to es­pe­ci­a­li­za­do é res­pon­sa­bi­li­da­de dos go­ver­nos fe­de­ral e es­ta­du­al, mas tem fi­ca­do tu­do pa­ra as pre­fei­tu­ras, one­ran­do aos co­fres mu­ni­ci­pais e ti­ran­do à ca­pa­ci­da­de de in­ves­ti­men­tos”, acres­cen­ta.

Be­ga ci­ta que os pre­fei­tos que fo­ram re­e­lei­tos já sa­bem das di­fi­cul­da­des e pro­cu­ram en­cer­rar o atu­al man­da­to de mo­do que não com­pli­que o pró­xi­mo, mas em al­guns mu­ni­cí­pi­os os pre­fei­tos atu­ais não es­tão pre­o­cu­pa­dos em fa­ci­li­tar pa­ra os su­ces­so­res. “Os no­vos pre­fei­tos vão as­su­mir sem ex­pe­ri­ên­cia e sem sa­ber o ta­ma­nho do pro­ble­ma. Se não fo­rem mui­to cau­te­lo­sos, po­de­rão in­vi­a­bi­li­zar as ad­mi­nis­tra­ções de­les”, aler­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.