Or­ça­men­to da União só se­rá vo­ta­do em fe­ve­rei­ro Re­e­lei­ção de Dil­ma de­pen­de de cres­ci­men­to de 4%

O Diario do Norte do Parana - - ECO­NO­MIA - Bre­no Cos­ta Ve­ra Ro­sa

O re­ceio de uma no­va ju­di­ci­a­li­za­ção so­bre os pro­ce­di­men­tos do Le­gis­la­ti­vo le­vou a ba­se do go­ver­no no Con­gres­so Na­ci­o­nal e o Pa­lá­cio do Pla­nal­to a aban­do­na­rem a ideia de vo­tar o Or­ça­men­to de 2013 em uma co­mis­são pro­vi­só­ria do Par­la­men­to, for­ma­da por me­nos de 5% dos de­pu­ta­dos fe­de­rais e se­na­do­res.

De­pois de pon­de­ra­ções com a opo­si­ção, que ame­a­ça­va en­trar com man­da­do de se­gu­ran­ça no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), pa­ra anu­lar uma even­tu­al vo­ta­ção do Or­ça­men­to na Co­mis­são Re­pre­sen­ta­ti­va, o re­la­tor do Or­ça­men­to, se­na­dor Ro­me­ro Ju­cá (PMDB-RR), anun­ci­ou on­tem que o pro­je­to de lei só se­rá vo­ta­do na re­tor­no do re­ces­so le­gis­la­ti­vo, em cin­co de fe­ve­rei­ro.

A de­ci­são foi fa­ci­li­ta­da pe­lo fa­to de o go­ver­no ter en­con­tra­do ca­mi­nhos le­gais pa­ra to­car a má­qui­na du­ran­te ja­nei­ro e fe­ve­rei­ro sem pre­juí­zos. Pa­ra is­so, de­ve­rá ser pu­bli­ca­da ho­je uma me­di­da pro­vi­só­ria pa­ra ga­ran­tir in­ves­ti­men­tos nes­se pe­río­do.

Além dis­so, mes­mo sem a apro­va­ção do Or­ça­men­to, es­tá ga­ran­ti­do o pa­ga­men­to do no­vo sa­lá­rio mí­ni­mo a par­tir de ja­nei­ro, no va­lor de R$ 678, com um re­a­jus­te de 9%. A pre­vi­são na pro­pos­ta apro­va­da na Co­mis­são de Or­ça­men­to era de R$ 674,96.

Ao lon­go de 2013, o go­ver­no re­ma­ne­ja­rá re­cur­sos do Or­ça­men­to pa­ra co­brir cer­ca de R$ 1 bi­lhão ne­ces­sá­rio pa­ra ga­ran­tir es­sa di­fe­ren­ça de três re­ais a mais no sa­lá­rio mí­ni­mo - de­cor­ren­te da mu­dan­ça no ín­di­ce da in­fla­ção.

Os pro­ble­mas da não apro­va­ção ime­di­a­ta do Or­ça­men­to se­rão o adi­a­men­to da de­so­ne­ra­ção da fo­lha de pa­ga­men­tos pa­ra di­ver­sos se­to­res in­dus­tri­ais, pre­vis­ta pa­ra en­trar em vi­gor a par­tir de ja­nei­ro, e o re­a­jus­te sa­la­ri­al pa­ra al­gu­mas ca­te­go­ri­as do ser­vi­ço pú­bli­co, in­cluí­das no Or­ça­men­to na re­ta fi­nal da dis­cus­são do pro­je­to, por emen­da de Ju­cá.

En­tre as ca­te­go­ri­as es­tão, en­tre ou­tros, os ser­vi­do­res do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Co­lo­ni­za­ção e Re­for­ma Agrá­ria (In­cra), Re­cei­ta Fe­de­ral e Ban­co Cen­tral. “O re­a­jus­te pa­ra es­sas ca­te­go­ri­as, nós va­mos ter que ana­li­sar. Em te­se, es­ses au­men­tos não po­de­rão ser pa­gos em ja­nei­ro, a não ser que o go­ver­no fa­ça al­gum ou­tro ti­po de atu­a­ção”, adi­an­tou o se­na­dor Ju­cá.

Pa­ra as de­mais ca­te­go­ri­as, que já ha­vi­am fir­ma­do acor­do com o go­ver­no an­te­ri­or­men­te, o re­a­jus­te es­tá ga­ran­ti­do a par­tir de pri­mei­ro de ja­nei­ro. Pre­o­cu­pa­da com o pí­fio de­sem­pe­nho da eco­no­mia nos úl­ti­mos dois anos, a pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff ini­cia a se­gun­da me­ta­de do man­da­to de­la, com a di­fí­cil ta­re­fa de fa­zer o go­ver­no an­dar, re­cu­pe­rar a con­fi­an­ça dos in­ves­ti­do­res e sol­dar a ba­se ali­a­da, ho­je, com fra­tu­ras ex­pos­tas. No ano em que o PT com­ple­ta uma dé­ca­da no co­man­do do País, a cú­pu­la do par­ti­do ava­lia que a re­e­lei­ção de Dil­ma de­pen­de de um cres­ci­men­to de, no mí­ni­mo, 4%, em 2013.

“Nós não po­de­mos per­der 2013”, dis­se o se­na­dor Jor­ge Vi­a­na (PT-AC), ex-go­ver­na­dor do Acre. “(O ano de) 2012 foi mui­to ruim e pre­ci­sa­mos dar uma di­nâ­mi­ca ao go­ver­no ago­ra, pa­ra cri­ar o am­bi­en­te que vai des­lan­char o pro­ces­so (da re­e­lei­ção). To­dos nós sa­be­mos que é ne­ces­sá­rio ace­le­rar o Pro­gra­ma de Ace­le­ra­ção do Cres­ci­men­to”, emen­dou.

Dil­ma afir­ma que fa­rá “o pos­sí­vel e o im­pos­sí­vel” pa­ra o País cres­cer 4% ao ano. Es­ti­ma­ti­vas do Ban­co Cen­tral, po­rém, in­di­cam ex­pan­são do Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB) de ape­nas 1%, em 2012. A pre­vi­são acen­deu a luz ama­re­la no Pa­lá­cio do Pla­nal­to.

Na se­a­ra po­lí­ti­ca, as an­gús­ti­as do PT se con­cen­tram no im­pac­to do jul­ga­men­to do men­sa­lão e nos des­do­bra­men­tos da Ope­ra­ção Por­to Se­gu­ro, que che­gou ao ga­bi­ne­te da Pre­si­dên­cia em São Pau­lo e à Ad­vo­ca­cia-Ge­ral da União. No Pla­nal­to e no par­ti­do, pe­tis­tas pre­ve­em mais ata­ques na di­re­ção do ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va, no ras­tro das de­nún­ci­as do em­pre­sá­rio Mar­cos Va­lé­rio, que o acu­sou de re­ce­ber di­nhei­ro do men­sa­lão.

De­sa­gra­vo

Com es­se di­ag­nós­ti­co, o PT pre­pa­ra um gran­de ato de de­sa­gra­vo a Lu­la pa­ra fe­ve­rei­ro, quan­do o par­ti­do fa­rá 33 anos. A ini­ci­a­ti­va in­te­gra o cro­no­gra­ma pa­ra “ven­der” as con­quis­tas dos dez anos do PT à fren­te da Pre­si­dên­cia e se con­tra­por à agen­da ne­ga­ti­va do jul­ga­men­to do men­sa­lão e ou­tros es­cân­da­los.

“Va­mos pa­ra a ofen­si­va. Se tem uma coi­sa que uni­fi­ca to­do mun­do do PT e da es­quer­da é de­fen­der Lu­la e seu le­ga­do”, afir­mou o se­na­dor Lind­bergh Fa­ri­as (PT-RJ). “Lu­la nun­ca dei­xa­rá de ser ga­ro­to-pro­pa­gan­da de Dil­ma. Os dois es­tão co­la­dos”, in­sis­tiu o mi­nis­tro-che­fe da Se­cre­ta­ria Ge­ral da Pre­si­dên­cia, Gil­ber­to Car­va­lho. “En­ga­na-se quem pen­sa que po­de aca­bar com ele pa­ra en­fra­que­cer a pre­si­den­te e des­truir nos­so pro­je­to. Nós va­mos pôr a re­a­li­da­de nos tri­lhos”, des­ta­cou.

A ou­tra fren­te de pre­o­cu­pa­ção do Pla­nal­to es­tá nos mo­vi­men­tos do go­ver­na­dor de Per­nam­bu­co, Edu­ar­do Cam­pos. Pre­si­den­te do PSB, par­ti­do da ba­se de apoio go­ver­nis­ta, Cam­pos dá si­nais de que po­de­rá en­fren­tar Dil­ma na dis­pu­ta pe­la Pre­si­dên­cia, da­qui a dois anos. A de­ci­são, po­rém, es­tá vin­cu­la­da à eco­no­mia. Se o ce­ná­rio es­ti­ver me­lhor e Dil­ma man­ti­ver a al­ta po­pu­la­ri­da­de, Cam­pos adi­a­rá os pla­nos.

“Vi­ve­mos um pe­río­do de Ten­são Pré-Elei­to­ral”, re­su­miu o pre­si­den­te do PMDB, se­na­dor Val­dir Raupp (RO), ao pre­ver um 2013 de “mui­tas tur­bu­lên­ci­as”. Par­ti­do do vi­ce-pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, o PMDB tem cer­te­za de que o PSB quer pu­xar a ca­dei­ra. Em pú­bli­co, no en­tan­to, os pe­e­me­de­bis­tas só fa­lam no re­cei­tuá­rio pa­ra “des­tra­var” os nós do go­ver­no e ti­rar pro­je­tos da pra­te­lei­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.