MIL­TON RA­VAG­NA­NI

O Diario do Norte do Parana - - GE­RAL -

O re­al de­sa­fio

Um pas­seio

Car­los Ro­ber­to Pu­pin (PP) me con­vi­dou pa­ra as­su­mir a co­mu­ni­ca­ção do go­ver­no de­le. Con­ver­sa­mos mui­to, mas mui­to mes­mo, pa­ra que ele jus­ti­fi­cas­se o con­vi­te e, ób­vio, de­ta­lhas­se os ob­je­ti­vos. Foi uma con­ver­sa lon­ga e es­cla­re­ce­do­ra so­bre a en­tra­da de­fi­ni­ti­va de­le na po­lí­ti­ca co­mo can­di­da­to, há oi­to anos, e, ago­ra, na dis­pu­ta pe­la ma­jo­ri­tá­ria nas elei­ções pas­sa­das. Pu­pin não é um ora­dor de ar­ras­tar as mul­ti­dões e não tem pre­ten­são de ser um no­vo Ju­an Do­min­go Pe­rón. Sa­be, to­da­via, que pre­ci­sa co­mu­ni­car di­rei­to com a so­ci­e­da­de e vê pro­ble­mas na es­tru­tu­ra de co­mu­ni­ca­ção atu­al. Qu­er mais agi­li­da­de, mais trans­pa­rên­cia e mais pre­ci­são no ofe­re­ci­men­to da in­for­ma­ção ao pú­bli­co. Elen­ca­dos os mo­ti­vos de­le, acei­tei o con­vi­te. Não que se­ja lá o meu so­nho de con­su­mo ou pro­je­to de car­rei­ra. Na vi­da pri­va­da, vi­vo me­lhor. Não te­nho de­se­jos de po­der, nem de fa­ma. Aliás, já te­nho ex­po­si­ção de­ma­si­a­da na car­rei­ra que abra­cei e, con­tra a ex­pec­ta­ti­va de mui­ta gen­te que gos­ta de um ho­lo­fo­te, es­sas fa­mo­si­da­des não me pe­gam. Dos meus pe­ca­dos, a vai­da­de é o me­nor. Mas, en­ten­do as an­gús­ti­as do no­vo go­ver­nan­te e re­co­nhe­ço ne­le um ho­mem de bem que não es­tá na po­lí­ti­ca pa­ra se apro­pri­ar de­la. Pu­pin não pre­ci­sa, já é um ho­mem ri­co. Es­tá por cren­ças pes­so­ais e aque­le de­se­jo de re­a­li­za­ção que Mas­low de­fi­ne no quin­to an­dar da sua pi­râ­mi­de. É jus­to. O que mais pre­o­cu­pa o no­vo go­ver­nan­te é a dis­tor­ção que se faz das in­for­ma­ções, ho­je, em Ma­rin­gá. E, nes­se pon­to, ele não ad­mi­te, mas é pre­ci­so re­co­nhe­cer que a opo­si­ção ob­tem re­sul­ta­dos mui­to me­lho­res do que a si­tu­a­ção. Um exem­plo bem cla­ro da dis­tor­ção das in­for­ma­ções com o ob­je­ti­vo de des­gas­tar a ad­mi­nis­tra­ção é es­sa his­tó­ria do au­men­to de car­gos em co­mis­são. A opo­si­ção cri­ou um nú­me­ro e ele pe­gou, in­de­pen­den­te­men­te, de ser ou não re­al. E a de­sin­for­ma­ção pre­va­le­ce con­tra a in­for­ma­ção, a pon­to de fa­zer com que as prin­ci­pais li­de­ran­ças da ci­da­de co­bras­sem ex­pli­ca­ções do pre­fei­to so­bre o im­pac­to des­ses car­gos nas con­tas pú­bli­cas. Uau! Is­so, de­pois de o pre­fei­to elei­to já ter se reu­ni­do com a mai­o­ria des­ses lí­de­res pa­ra apre­sen­tar as al­te­ra­ções no or­ga­no­gra­ma da pre­fei­tu­ra. Pois é! Nes­ta guer­ra de con­train­for­ma­ção, a opo­si­ção pas­se­ou.

Su­per­la­ti­vo

In­ven­tou-se (sa­be-se lá de on­de) a ideia de que se­ri­am cri­a­dos 238 car­gos em co­mis­são e o pes­so­al en­go­liu co­mo se o nú­me­ro fos­se uma ver­da­de ab­so­lu­ta, sem ques­ti­o­nar. Não é! O no­vo or­ga­no­gra­ma pre­vê a mu­dan­ça nas no­men­cla­tu­ras dos car­gos. As­sim, um con­tin­gen­te ex­pres­si­vo de car­gos de com­pe­tên­cia ex­clu­si­va do fun­ci­o­na­lis­mo - os com fun­ção gra­ti­fi­ca­da, os FGs - foi ele­va­do à no­men­cla­tu­ra dos car­gos em co­mis­são. Tal­vez ad­ve­nha daí es­sa in­cha­da no nú­me­ro bra­va­te­a­do pe­la opo­si­ção. Mas, nem is­so jus­ti­fi­ca. Em­bo­ra exis­tam car­gos que fo­ram cri­a­dos, sim, pa­ra com­por­tar o cres­ci­men­to da má­qui­na pa­ra os pró­xi­mos qua­tro anos, não sig­ni­fi­ca exa­ta­men­te que eles ve­nham a ser ocu­pa­dos. O nú­me­ro é mui­to me­nor do que o apre­go­a­do.

Nú­me­ros

Fo­ram cri­a­dos com as al­te­ra­ções no or­ga­no­gra­ma, mais 95 car­gos. Ba­si­ca­men­te, os car­gos de di­re­tor-ge­ral das se­cre­ta­ri­as mais aque­les pa­ra o co­man­do das no­vas uni­da­des de ser­vi­ços da pre­fei­tu­ra à po­pu­la­ção, co­mo os de di­re­ção dos pos­tos de saú­de e das uni­da­des de Pron­to-Aten­di­men­to da Zo­na Nor­te e Zo­na Sul. A UPA do Zo­na Nor­te se­rá inau­gu­ra­da no iní­cio do ano. Só pa­ra as uni­da­des de saú­de, são 55 car­gos. Is­so por­que na­que­las de gran­de vo­lu­me fo­ram cri­a­dos dois car­gos. As 14 uni­da­des de pro­te­ção so­ci­al tam­bém re­ce­be­ram um car­go.

Ex­pan­são

O que acon­te­ce é que a ci­da­de cres­ceu e os ser­vi­ços ofe­re­ci­dos, tam­bém. E, den­tro des­sa es­tru­tu­ra, pa­re­ce com­pre­en­sí­vel que a ad­mi­nis­tra­ção man­te­nha nos pos­tos avan­ça­dos de aten­di­men­to ao ci­da­dão al­guém de con­fi­an­ça pa­ra im­ple­men­tar as po­lí­ti­cas pú­bli­cas ne­go­ci­a­das com a so­ci­e­da­de du­ran­te a cam­pa­nha elei­to­ral. Sem o con­tro­le da má­qui­na, co­mo ima­gi­nar que o pre­fei­to vai cum­prir os com­pro­mis­sos fir­ma­dos com a po­pu­la­ção du­ran­te a cam­pa­nha?

Ca­noa

Pois si­tu­a­ções co­mo es­sas não são no­vi­da­de. Di­fe­ren­te da vi­da pri­va­da, on­de o em­pre­sá­rio de­fi­ne os ob­je­ti­vos e con­tra­ta e de­mi­te pes­so­al e alo­ca re­cur­sos pa­ra a con­se­cu­ção, no po­der pú­bli­co a coi­sa é bem di­fe­ren­te. O fun­ci­o­na­lis­mo é um cor­te lon­gi­tu­di­nal da so­ci­e­da­de, com ten­dên­ci­as po­lí­ti­cas e ide­o­ló­gi­cas de­fi­ni­das. E nem sem­pre o ob­je­ti­vo de aten­der aos an­sei­os da po­pu­la­ção é o mes­mo de sub­gru­pos com in­te­res­se elei­to­ral. Por cau­sa dis­so, há no po­der pú­bli­co um con­si­de­rá­vel apa­re­lha­men­to de ten­dên­ci­as par­ti­dá­ri­as que não po­de ser des­pre­za­do. En­quan­to na vi­da pri­va­da, ob­ter su­ces­so em­pre­sa­ri­al é co­mo re­mar em uma ca­noa fu­ra­da sem re­mos em um rio de cor­re­dei­ra ru­mo à nas­cen­te, no po­der pú­bli­co a ima­gem é qua­se a mes­ma, com a di­fe­ren­ça que nas mar­gens há os ini­mi­gos ati­ran­do fle­chas in­cen­diá­ri­as. Di­a­lo­gar com a so­ci­e­da­de com cla­re­za e ex­pli­car com pre­ci­são as de­ci­sões ad­mi­nis­tra­ti­vas em um am­bi­en­te hos­til é ta­re­fa das mais di­fí­ceis. Não sei se es­tou ap­to a ta­ma­nho de­sa­fio, mas acre­di­to po­der aju­dar com mi­nha ex­pe­ri­ên­cia ao no­vo go­ver­no que se ini­cia. E ao pre­fei­to elei­to, um ho­mem de bem que me­re­ce a opor­tu­ni­da­de de mos­trar à po­pu­la­ção a qua­li­da­de de ad­mi­nis­tra­dor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.