Es­tre­li­nha de Je­sus Cris­to

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁ­RIO DO NOR­TE DO PA­RA­NÁ -

a to­da ho­ra. To­do mun­do mor­re a to­do ins­tan­te. A mor­te que re­sul­ta em lá­gri­mas, nos­tal­gia, sau­da­de da­qui­lo que ain­da nem foi vi­vi­do, cor­po ju­di­a­do pe­lo im­pac­to, al­ma que se es­vai, cor­po que fi­ca, de­bai­xo da ter­ra. Além de to­das as lem­bran­ças com aque­le que mor­reu, o ba­ru­lho do cai­xão sen­do ar­ras­ta­do no chão e os pu­nha­dos de ter­ra ar­re­mes­sa­dos pa­ra den­tro da co­va cos­tu­mam fi­car guar­da­dos na me­mó­ria pa­ra sem­pre. O bei­jo da fi­lha no cor­po que se des­pe­de, a mes­ma cri­an­ça que acre­di­ta que o pai se tor­nou uma es­tre­li­nha de Je­sus Cris­to, tam­bém é uma ima­gem mar­can­te. Os se­res hu­ma­nos, in­ca­pa­zes de li­dar fri­a­men­te com des­pe­di­das eter­nas, cos­tu­mam fi­car mar­ca­dos com os cer­ca­men­tos da mor­te e de to­dos seus ri­tu­ais. É co­mo um fil­me de ter­ror, só que de ver­da­de. As ima­gens, em flashes de pen­sa­men­tos tur­vos, são in­ter­mi­ten­tes na ca­be­ça. A ima­gi­na­ção do ini­ma­gi­ná­vel. A co­li­são vi­o­len­ta, vi­da que se vai co­mo um so­pro, me­tais re­tor­ci­dos, vi­dros que­bra­dos, rou­pas ras­ga­das e en­san­guen­ta­das, os­sos que­bran­do, pe­les gas­tan­do e uma dor in­cal­cu­lá­vel pa­ra quem não mor­reu e que ago­ra pre­ci­sa ve­lar e en­ter­rar um cor­po mal­tra­ta­do pe­la in­sa­ni­da­de re­sul­tan­te dos mais ab­sur­dos dos acon­te­ci­men­tos: um trá­gi­co aci­den­te de trân­si­to. Nin­guém nas­ceu pa­ra mor­rer em um aci­den­te. Car­ros e mo­tos são ar­mas de des­trui­ção em mas­sa na guer­ra vi­o­len­ta do trân­si­to em ro­do­vi­as, es­tra­das, ru­as e ave­ni­das. Nin­guém nas­ceu pa­ra vi­ver tão pou­co. Nin­guém me­re­ce as com­pli­ca­ções psi­co­ló­gi­cas acon­te­ci­das de­pois da mor­te trá­gi­ca do filho, do pai, do ami­go. Olha o que fi­ze­ram com o me­ni­no! Olha co­mo dei­xa­ram o me­ni­no! Pa­ra quê, meu Deus, ta­ma­nha vi­o­lên­cia com aque­le que ain­da ti­nha a exis­tên­cia? Fi­ze­ram a bar­ba de­le pa­ra o ve­ló­rio. Co­lo­ca­ram uma ca­mi­sa lis­tra­da bo­ni­ta. E ele des­can­sa dei­ta­do, con­for­ta­vel­men­te em meio às flo­res, em meio aos en­tes qu­e­ri­dos. Nun­ca mais va­mos sa­ber da exis­tên­cia de­le, pe­lo me­nos não aqui na Ter­ra. Ele não co­me­mo­rou o Na­tal. Não vai brin­dar na vi­ra­da de ano. Fa­zia um ven­to es­tra­nho so­men­te na rua da ca­pe­la mor­tuá­ria. Na ma­nhã do en­ter­ro, um dia exa­ge­ra­da­men­te cla­ro, fez sol e calor. Ro­sas fo­ram jo­ga­das. O cai­xão foi en­ter­ra­do. To­dos de­ram as cos­tas e se di­ri­gi­ram ru­mo ao gran­de por­tão do ce­mi­té­rio. Quem não mor­reu ain­da pre­ci­sa con­ti­nu­ar vi­ven­do. Os anos vão se pas­sar e só em da­tas es­pe­ci­ais al­gu­mas pes­so­as vão re­tor­nar ao ce­mi­té­rio pa­ra ver o ja­zi­go. Is­so pou­co im­por­ta. Pa­ra ela (o seu mai­or fei­to em vi­da), ago­ra seu pai é uma es­tre­li­nha de Je­sus Cris­to. E nin­guém aqui na Ter­ra po­de mu­dar is­so.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.