Over­do­se de

Cai­xa lu­xu­o­sa reú­ne 14 fil­mes clás­si­cos de Al­fred Hit­ch­cock em Blu-ray, en­tre eles “Um Cor­po que Cai”, con­si­de­ra­do o me­lhor fil­me de to­da a his­tó­ria do ci­ne­ma

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁ­RIO DO NOR­TE DO PA­RA­NÁ - Luiz Car­los Mer­ten

Nos anos 1990, uma pes­qui­sa fei­ta com diretores de to­do o mun­do apon­tou Al­fred Hit­ch­cock co­mo o mai­or e o mais in­flu­en­te au­tor de ci­ne­ma. Em agos­to des­te ano, ou­tra pes­qui­sa, do Ame­ri­can Film Ins­ti­tu­te, sub­ver­teu ve­lhos con­cei­tos con­sa­gra­dos. “Ci­da­dão Ka­ne”, de Or­son Wel­les, e “O En­cou­ra­ça­do Po­tem­kin”, de Ser­gei M. Ei­sens­tein, que sem­pre li­de­ra­ram as pes­qui­sas, dei­xa­ram de ser os mai­o­res fil­mes de to­dos os tem­pos e fo­ram subs­ti­tuí­dos por um no­vo cam­peão – “Um Cor­po Que Cai (Ver­ti­go)”, do mes­tre do sus­pen­se.

É cu­ri­o­so co­mo em “Hit­ch­cock”, de Sa­cha Ger­va­si, o pre­si­den­te da Pa­ra­mount se re­cu­sa a fi­nan­ci­ar “Psi­co­se” di­zen­do que sem­pre que Hit­ch­cock quer ino­var, o re­sul­ta­do de­cep­ci­o­na, e ele ci­ta jus­ta­men­te “Um Cor­po Que Cai”. A obra-pri­ma de 1958 é um dos 14 fil­mes que in­te­gram a co­le­ção “Al­fred Hit­ch­cock – The Mas­ter­pi­e­ce Col­lec­ti­on”, da Uni­ver­sal. Os lon­gas, pro­du­zi­dos en­tre 1942 e 1976 e to­dos re­mas­te­ri­za­dos pa­ra que seu bri­lho au­di­o­vi­su­al re­lu­za ain­da mais em Blu-ray, são “Psi­co­se”, “Um Cor­po Que Cai”, “Os Pás­sa­ros”, “Ja­ne­la In­dis­cre­ta”, “Fes­tim Di­a­bó­li­co”, “O Ho­mem Que Sa­bia De­mais”, “Cor­ti­na Ras­ga­da”, “Fre­ne­si”, “Mar­nie”, “As Con­fis­sões de Uma La­dra”, “To­pá­zio”, “Sa­bo­ta­dor”, “O Ter­cei­ro Ti­ro”, “A Som­bra de Uma Dú­vi­da” e “Tra­ma Ma­ca­bra”.

Os pu­ris­tas vão re­cla­mar que “Pac­to Si­nis­tro”, “La­drão de Ca­sa­ca” e “In­tri­ga In­ter­na­ci­o­nal”, en­tre ou­tros clás­si­cos, te­nham fi­ca­do de fo­ra, mas a cai­xa é im­pres­cin­dí­vel, prin­ci­pal­men­te ago­ra que dois fil­mes – “Hit­ch­cock” e “A Ga­ro­ta” – fa­zem a re­vi­são, não da car­rei­ra, mas da pró­pria vi­da do ar­tis­ta. A psi­ca­ná­li­se do ho­mem re­ve­la as­pec­tos inu­si­ta­dos de sua per­so­na­li­da­de – e da obra. Hit­ch­cock nas­ceu em Lon­dres, em 1899, e mor­reu em Los An­ge­les, em 1980. Co­me­çou sua car­rei­ra na épo­ca do ci­ne­ma mu­do e se adap­tou ao fa­la­do, in­cor­po­ran­do e até an­te­ci­pan­do ino­va­ções téc­ni­cas e es­té­ti­cas que re­vo­lu­ci­o­na­ram o ci­ne­ma. Quan­do “Psi­co­se” se re­ve­la um fra­cas­so em Hit­ch­cock, sua mu­lher e ro­tei­ris­ta, Al­ma Re­vil­le, pres­si­o­na o ma­ri­do a re­to­mar a mon­ta­gem, di­zen­do que é o que ele sa­be fa­zer de me­lhor. Hit­ch­cock foi um gê­nio, mas o que “Hit­ch­cock” e “A Ga­ro­ta” re­ve­lam é o la­do som­brio des­se gê­nio.

Divulgação

Além de cai­xa con­ten­do 14 fil­mes de Hit­ch­cock, ano que vem os fãs po­de­rão ver dois fil­mes ins­pi­ra­dos na vi­da do di­re­tor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.