Lan­ça­men­tos pa­ra o ano que vem

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁ­RIO DO NOR­TE DO PA­RA­NÁ -

Sem­pre foi mo­ti­vo de es­pe­cu­la­ção de ci­né­fi­los – co­mo foi pos­sí­vel que um dos mai­o­res au­to­res do mun­do, e tal­vez o mai­or de to­dos, te­nha vi­ven­ci­a­do um pro­ces­so tão rá­pi­do de de­ca­dên­cia? E o que é exa­ta­men­te es­sa de­ca­dên­cia? Pois Al­fred Hit­ch­cock, mes­mo nos fil­mes após sua tri­lo­gia edi­pi­a­na – “Psi­co­se”, “Os Pás­sa­ros e Mar­nie”, “As Con­fis­sões de Uma La­dra” – nun­ca dei­xou de cons­truir ce­nas in­ven­ti­vas que, até o fim, acres­cen­ta­ram a seu gê­nio. Mas há uma di­fe­ren­ça de am­bi­ção, de tom en­tre os gran­des fil­mes dos anos 1950 – “Ja­ne­la In­dis­cre­ta”, “Um Cor­po Que Cai”, “In­tri­ga In­ter­na­ci­o­nal” – e os ir­re­gu­la­res da fa­se fi­nal.

Dois fil­mes, um pa­ra ci­ne­ma, ou­tro pa­ra TV, ten­tam de­ci­frar o enig­ma, no mo­men­to em que sai uma cai­xa de Blu-ray com os 14 fil­mes con­si­de­ra­dos mais re­pre­sen­ta­ti­vos do mes­tre do sus­pen­se. A cai­xa es­tá dis­po­ní­vel, “Hit­ch­cock” (o fil­me) es­treia em 8 de fe­ve­rei­ro, só fal­ta a HBO Bra­sil pro­gra­mar “The Girl, A Ga­ro­ta” pa­ra que che­gue lo­go ao País. Hit­ch­cock ba­seia-se no li­vro re­cen­te de Stephen Re­bel­lo so­bre os bas­ti­do­res da re­a­li­za­ção de “Psi­co­se”. Bem an­tes, na re­vi­são de seu li­vro de en­tre­vis­tas com o gran­de ar­tis­ta – “Hit­ch­cock Truf­faut” –, Fran­çois Truf­faut já ar­ris­ca­ra uma in­ter­pre­ta­ção. O fra­cas­so de pú­bli­co de “Mar­nie” ha­via pro­vo­ca­do dú­vi­das que con­su­mi­am o di­re­tor. Truf­faut, pa­ra qu­em “Mar­nie” era uma obra-pri­ma do­en­te, la­men­ta­va que Hit­ch­cock, aos 60 e pou­cos anos, se dei­xas­se aba­lar pe­la in­se­gu­ran­ça.

“Hit­ch­cock”, o fil­me, abre-se com es­se aba­lo no edi­fí­cio da psi­que de um ar­tis­ta ex­cep­ci­o­nal. O di­re­tor Sa­cha Ger­va­si do­cu­men­tou-se no li­vro de Re­bel­lo. Lo­go na pri­mei­ra ce­na, Hit­ch­cock e a mu­lher, Al­ma Re­vil­le, che­gam ao ta­pe­te ver­me­lho de In­tri­ga In­ter­na­ci­o­nal. No fim da pro­je­ção, um jor­na­lis­ta lan­ça a per­gun­ta que faz com que Al­ma con­ge­le – che- ga­do aos 60 anos, o sr. Hit­ch­cock não pen­sa em se apo­sen­tar? É pre­ci­so re­por­tar-se ao es­pí­ri­to da épo­ca. Em 1959, um no­vo ci­ne­ma sur­ge na Fran­ça – a nou­vel­le va­gue. Sua pa­la­vra de or­dem – to­do po­der aos jo­vens.

Na ca­pa do jor­nal, co­mo se Hit­ch­cock es­ti­ves­se li­qui­da­do, es­tão apon­ta­dos os no­vos mes­tres do sus­pen­se, e um de­les é o fran­cês Clau­de Cha­brol. Co­lo­ca­do em xe­que, Hit­ch­cock ar­ris­ca tu­do na re­a­li­za­ção de um fil­me di­fe­ren­te de to­dos os que fez an­tes. Es­co­lhe um pulp de Ro­bert Blo­ch, cu­jo clí­max, per­ce­be, nem é tan­to a re­ve­la­ção fi­nal da iden­ti­da­de do cri­mi­no­so, mas o as­sas­si­na­to de uma cer­ta Ma­ri­on Cra­ne na du­cha, e is­so de­ve ocor­rer no fim do pri­mei­ro ter­ço da nar­ra­ti­va.

A Pa­ra­mount re­cua do fi­nan­ci­a­men­to, Hit­ch­cock hi­po­te­ca a pró­pria ca­sa. No pro­ces­so, sen­te­se traí­do por Al­ma e che­ga a sus­pei­tar de que ela es­te­ja ten­do um af­fair. Tu­do no fil­me é no­vo – a téc­ni­ca de TV, a es­tru­tu­ra nar­ra­ti­va. Hit­ch­cock fra­gi­li­za-se. Al­ma di­ri­ge ce­nas im­por­tan­tes. O fil­me não po­de pa­rar só por­que ele es­tá mal. A pri­mei­ra exi­bi­ção é um fra­cas­so e Al­ma, que po­de ter so­fri­do al­gu­ma ten­ta­ção – co­mo o pró­prio Hit­ch­cock tam­bém foi sem­pre se­du­zi­do por su­as loi­ras –, em­pur­ra o ma­ri­do. Rein­ven­ta com ele a ce­na fa­mo­sa da du­cha. In­tro­duz a mú­si­ca. Aque­las 70 po­si­ções de câ­me­ra pa­ra cer­ca de 45 se­gun­dos de fil­me mu­da­ram o ci­ne­ma e vi­ra­ram um mar­co – co­mo a es­ca­da­ria de Odes­sa de Ser­gei M. Ei­sens- tein em “O En­cou­ra­ça­do Po­tem­kin”.

É mui­to ins­tru­ti­vo co­mo Ger­va­si e Re­bel­lo mos­tram que tu­do ocor­reu e dão cré­di­to a Al­ma Re­vil­le. Anthony Hop­kins po­de não ter o phy­si­que du rô­le pa­ra fa­zer Hit­ch­cock, mas se trans­for­ma e con­ven­ce. He­len Mir­ren cap­ta to­da a com­ple­xi­da­de de Al­ma. Scar­lett Johans­son é uma en­can­ta­do­ra Ja­net Leigh.

No des­fe­cho de “Hit­ch­cock”, “Psi­co­se” ar­re­ben­ta. Hit­ch­cock, de no­vo no to­po, não sa­be qual se­rá o pró­xi­mo fil­me, mas, quan­do diz is­so, um pás­sa­ro vem pou­sar no seu om­bro. Se Hit­ch­cock va­ci­la­va em “Psi­co­se”, o des­mo­ro­na­men­to co­me­çou em “Os Pás­sa­ros”, quan­do ele fi­cou ob­ce­ca­do pe­la loi­ra da vez, Tip­pi He­dren. É o te­ma de “The Girl”, de Ju­li­an Jar­rold. Si­en­na Mil­ler faz Tip­pi, Toby Jo­nes é Hit­ch­cock. Quan­do Tip­pi o re­jei­tou, o gran­de ar­tis­ta exi­biu seu la­do mais som­brio. Tor­nou-se abu­si­vo. Na ce­na do ar­má­rio, em que ela é bi­ca­da pe­los pás­sa­ros, Hit­ch­cock subs­ti­tuiu os pás­sa­ros me­câ­ni­cos por aves de ver­da­de. Tip­pi, acu­a­da, ten­tou lar­gar a pro­du­ção. Ele lhe es­fre­gou na ca­ra o con­tra­to ao qual ela es­ta­va pre­sa. Os crí­ti­cos gos­tam de di­zer que Hit­ch­cock e Sig­mund Freud nas­ce­ram um pa­ra o ou­tro. “Hit­ch­cock” e “The Girl” dei­tam o mes­tre no di­vã e o psi­ca­na­li­sam. É co­mo se sou­bés­se­mos de­mais so­bre o gran­de ho­mem. O rei fi­ca nu, e é dig­no de dó.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.