Po­de­res harmô­ni­cos e in­de­pen­den­tes

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

O ano po­lí­ti­co es­tá ter­mi­nan­do de ma­nei­ra pe­lo me­nos in­con­ve­ni­en­te. O pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos con­fron­ta o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), que cas­sa o man­da­to de três par­la­men­ta­res con­de­na­dos no men­sa­lão. O pre­si­den­te do Se­na­do tam­bém en­fren­ta a Su­pre­ma Cor­te ao con­vo­car uma ses­são pa­ra vo­tar mais de 3 mil ve­tos que dor­mem na Ca­sa des­de os tem­pos de FHC e, com is­so, poder tam­bém vo­tar o ve­to pre­si­den­ci­al as royal­ti­es do pe­tró­leo. É te­me­rá­rio quan­do há o con­fron­to en­tre os po­de­res que, se­gun­do a Cons­ti­tui­ção, de­ve ser harmô­ni­cos e in­de­pen­den­tes. A his­tó­ria es­tá cheia de des­fe­chos trá­gi­cos que nin­guém, em sã cons­ci­ên­cia, quer pa­ra o Bra­sil.

O STF aca­ba de cum­prir a ex­te­nu­an­te jor­na­da de jul­gar, ab­sol­ver e con­de­nar os en­vol­vi­dos no men­sa­lão e de­ter­mi­nar ca­deia pa­ra fi­gu­ras an­tes ti­das co­mo blindadas. Par­te ago­ra pa­ra a bu­ro­cra­cia do cum­pri­men­to das pe­nas, que de­ve de­mo­rar pe­lo me­nos de 5 a 6 me­ses. Os mi­nis­tros são li­vres pa­ra, à som­bra dos au­tos, de­ci­dir pe­la con­de­na­ção dos en­vol­vi­dos e tam­bém pa­ra en­ten­der que os de­ten­to­res de man­da­tos ele­ti­vos, uma vez con­de­na­dos, são au­to­ma­ti­ca­men­te cas­sa­dos.

Co­mo o tri­bu­nal não faz lei (ape­nas as in­ter­pre­ta), a úni­ca for­ma que a Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos te­ria pa­ra im­pe­dir a cas­sa­ção dos seus con­de­na­dos se­ria pro­por e vo­tar uma Pro­pos­ta de Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal que ex­clua da Jus­ti­ça e atri­bua ex­clu­si­va­men­te à Ca­sa Le­gis­la­ti­va, em qual­quer cir­cuns­tân­cia, o di­rei­to de cas­sar seus mem­bros. Mas te­ria de fa­zer tudo com gran­de ra­pi­dez, an­tes da exe­cu­ção das pe­nas im­pos­tas pe­lo STF. Aí po­de­ria até sal­var seus três mos­que­tei­ros, in­vo­can­do o prin­cí­pio de que a lei mais be­né­fi­ca re­tro­a­ge em fa­vor do réu. Mas is­so é im­pra­ti­cá­vel, to­dos sa­be­mos, in­clu­si­ve o de­pu­ta­do Mar­co Maia, que pa­re­ce es­tar ape­nas bus­can­do ho­lo­fo­tes com sua re­a­ção, pois não se­rá mais pre­si­den­te quan­do a Câ­ma­ra ti­ver de ju­bi­lar os con­de­na­dos.

O ve­lho ca­ci­que José Sar­ney, por seu la­do, tam­bém pro­cu­ra ti­rar uma cas­qui­nha na di­fi­cul­da­de de re­la­ci­o­na­men­to Ju­di­ciá­rio-Le­gis­la­ti­vo. En­car­na a de­fe­sa dos Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os não pro­du­to­res de pe­tró­leo, con­vo­can­do uma ses­são do Con­gres­so Na­ci­o­nal pa­ra dis­cu­tir 3 mil ve­tos pre­si­den­ci­ais acu­mu­la­dos nas úl­ti­mas 2 dé­ca­das e, as­sim, des­tran­car a pau­ta e poder vo­tar o ve­to dos royal­ti­es. Di­fi­cil­men­te con­se­gui­rá vo­tar, nu­ma só pe­na­da, es­sa mon­ta­nha de pro­ces­sos, mas res­ta­rá cre­dor das li­de­ran­ças dos 24 Es­ta­dos que que­rem ver o ve­to de Dil­ma re­jei­ta­do. Co­mo não con­se­gui­rá vo­tar a ma­té­ria, tam­bém não fi­ca­rá mal com o go­ver­no. Mas ex­põe à na­ção a inér­cia do Poder Le­gis­la­ti­vo, que dei­xa as ma­té­ri­as apo­dre­ce­rem pa­ra não ter de to­mar uma po­si­ção.

De­ci­são ju­di­ci­al não se dis­cu­te. Cum­pre-se e, quan­do é pos­sí­vel, re­cor­re-se na ins­tân­cia ade­qua­da. To­dos os en­vol­vi­dos nes­sa tra­pa­lha­da po­lí­ti­co-cri­mi­nal sa­bem mui­to bem dis­so. É pe­na que, em vez de dis­cu­tir as ques­tões no tem­po cer­to, pre­fe­rem fa­zê-lo só quan­do is­so pos­sa lhes ren­der al­gum di­vi­den­do po­lí­ti­co. As­sim é di­fí­cil en­ten­der e im­pos­sí­vel acei­tar. Tem de mu­dar!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.