Fis­ca­li­za­ção in­ten­sa nas es­tra­das pa­ra o Ano No­vo

As po­lí­ci­as ro­do­viá­ri­as Es­ta­du­al e Fe­de­ral man­têm ope­ra­ções pa­ra evi­tar aci­den­tes e au­tu­ar mo­to­ris­tas in­fra­to­res. Ri­gor da Lei Se­ca es­tá sen­do apli­ca­do

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Ivy Val­sec­chi

ivy­val­sec­chi@odi­a­rio.com Co­me­ça ho­je, às oi­to ho­ras, a ope­ra­ção Ré­veil­lon da Po­lí­cia Ro­do­viá­ria Es­ta­du­al (PRE). A fis­ca­li­za­ção se­rá man­ti­da até as 12 ho­ras da pró­xi­ma qu­ar­ta-fei­ra. A pre­vi­são é de que o trá­fe­go in­ten­si­fi­que a par­tir das 18 ho­ras de ho­je. O mo­vi­men­to tam­bém de­ve ser al­to ama­nhã, das se­te às 11 ho­ras, na ter­ça, das 15 às 20 ho­ras, e das se­te às 12 ho­ras da quar­ta­fei­ra. Os tre­chos de mai­or mo­vi­men­to de­ve­rão ser os da PR-323, en­tre Ma­rin­gá e re­gião de Umu­a­ra­ma, e PR-317, de En­ge­nhei­ro Bel­trão até San­to Iná­cio e tam­bém em sen­ti­do a São Pau­lo. As in­for­ma­ções são da 4ª Com­pa­nhia, res­pon­sá­vel pe­la fis­ca­li­za­ção de 3,65 mil km no no­ro­es­te Na ro­do­viá­ria de Ma­rin­gá, o mo­vi­men­to de­ve au­men­tar até 80%, se­gun­do es­ti­ma­ti­va da ad­mi­nis­tra­ção. Em di­as nor­mais cir­cu­lam pe­lo ter­mi­nal, em mé­dia, 2 mil pes­so­as. De ho­je à noi­te até do­min­go, o nú­me­ro de­ve su­bir pa­ra 4 mil pes­so­as por dia. “O mo­vi­men­to no Na­tal sur­pre­en­deu, por is­so, a ex­pec­ta­ti­va é de mo­vi­men­to 50% mai­or que no Ano No­vo de 2011. Do dia 21 a 24 des­te ano, pas­sa­ram pe­la ro­do­viá­ria cer­ca de 5 mil pes­so­as por dia, 40% a mais que no Na­tal de 2011”, diz o ad­mi­nis­tra­dor Mu­ri- do Es­ta­do, abran­gen­do 122 mu- ni­cí­pi­os.

Se­gun­do o te­nen­te Eli­seu Gon­çal­ves, haverá au­men­to de 30% no efe­ti­vo po­li­ci­al em re­la­ção aos di­as co­muns. “Se­rão usa­dos to­dos os bafô­me­tros e as equi­pes te­rão uma co­ta mí­ni­ma de tes­tes, pa­ra com­ba­ter a di­re­ção sob efei­to de ál­co­ol. Com as mu­dan­ças na Lei Se­ca, há mais res­pal­do pa­ra atu­ar, pois exis­tem ou­tros mei­os de pro­va além do bafômetro. A boa no­tí­cia é que a mai­o­ria acei­ta fa­zer o tes­te e com as mu­dan­ças, a ten­dên­cia é que a acei­ta­ção se­ja mai­or, pois, se a pes­soa re­al­men­te não es­ti­ver bê­ba­da, fa­zer o bafômetro é uma for­ma de se de­fen­der. Além dis­so, o va­lor da mul­ta por di­ri­gir al­co­o­li­za­do pra­ti­ca­men­te do­brou”, des­ta­ca.

Na ope­ra­ção de 2011, de 28 de de­zem­bro a pri­mei­ro de ja­nei­ro, fo­ram re­gis­tra­dos 29 aci­den­tes, 21 fe­ri­dos e ne­nhu­ma mor­te. O nú­me­ro de mul­tas foi de 314. “A mai­o­ria dos aci­den­tes ocor­re em lo Ro­ber­to Ma­ri­a­ni.

Já no ae­ro­por­to, de­ve ha­ver re­du­ção de 10%, por­que, se­gun­do o su­pe­rin­ten­den­te Mar­cos Va­lên­cio, a exem­plo dos ou­tros fe­ri­a­dos, as em­pre­sas aé­re­as di­mi­nu­em o nú­me­ro de vo­os, pois re­di­re­ci­o­nam ae­ro­na­ves pa­ra ter­mi­nais que têm pon­tos tu­rís­ti­cos co­mo des­ti­nos, di­mi­nuin­do a quan­ti­da­de de vo­os que par­tem da ci­da­de. Se­gun­do Va­lên­cio, por dia, em­bar­cam e de­sem­bar­cam cer­ca de 2 mil pes­so­as. Em fe­ri­a­dos pro­lon­ga­dos, o nú­me­ro pas­sa pa­ra 1,8 mil. lo­cais on­de é ne­ces­sá­rio re­du­zir a ve­lo­ci­da­de, a exem­plo dos tre­vos, pois o mo­to­ris­ta pas­sa rá­pi­do ou de­va­gar de­mais, e acon­te­cem as co­li­sões tra­sei­ras. Mas as ba­ti­das mais gra­ves acon­te­cem por cau­sa de ul­tra­pas­sa­gens proi­bi­das, que pro­vo­cam co­li­sões fron­tais. Em re­la­ção às mul­tas, a mai­o­ria é por pro­ble­mas com do­cu­men­ta­ção, ex­ces­so de ve­lo­ci­da­de e ul­tra­pas­sa­gens em fai­xa con­tí­nua”, res­sal­ta.

O te­nen­te lem­bra que a fis­ca­li­za­ção in­ten­sa tem da­do bons re­sul­ta­dos e a ex­pec­ta­ti­va é que is­so re­fli­ta nas es­ta­tís­ti­cas, a exem­plo do que foi re­gis­tra­do no Na­tal, cu­jo nú­me­ro de mor­tes te­ve que­da de 40% em re­la­ção ao Na­tal de 2011, e o de aci­den­tes de qua­se 15%. “Além da fis­ca­li­za­ção que se in­ten­si­fi­ca a ca­da ano, no ano pas­sa­do o fe­ri­a­do de Na­tal foi mais cur­to. Es­se ano foi dis­tri­buí­do em cin­co di­as, en­tão as pes­so­as vi­a­ja­ram com me­nos pres­sa. A ex­pec­ta­ti­va é que, pe­lo mes­mo mo­ti­vo, o ano no­vo si­ga o mes­mo ca­mi­nho”, ava­lia.

PRF

Pros­se­gue até meia noi­te do dia dois, a “Ope­ra­ção Fim de Ano”, da Po­lí­cia Ro­do­viá­ria Fe­de­ral (PRF), que co­me­çou dia 21. No Pa­ra­ná, o mo­vi­men­to de­ve ser mai­or na BR277, sen­ti­do Pa­ra­na­guá e BR-376, sen­ti­do San­ta Ca­ta­ri­na. Se­gun­do o agen­te do Nú­cleo de Comunicação da PRF do Pa­ra­ná, Cris­ti­a­no Mendonça, os agen­tes es­tão se re­ve­zan­do em ações de pre­ven­ção e fis­ca­li­za­ção pa­ra con­tro­lar as in­fra­ções e con­du­tas de ris­co.

Em 2011, fo­ram 266 aci­den­tes, oi­to8 mor­tes e 2.273 mul­tas, sen­do a mai­o­ria por ex­ces­so de ve­lo­ci­da­de, ul­tra­pas­sa­gens proi­bi­das e em­bri­a­guez. “O Ano No­vo é mais pre­o­cu­pan­te que o Na­tal, pois as pes­so­as be­bem mais. Mas as mu­dan­ças na Lei Se­ca de­ve­rão aju­dar a re­du­zir os aci­den­tes cau­sa­dos por em­bri­a­guez”, pre­vê Mendonça.

A ex­pec­ta­ti­va é a de que tam­bém o nú­me­ro de aci­den­tes se­ja me­nor du­ran­te a ope­ra­ção ro­do­via, que es­tá na se­gun­da edi­ção. A ação co­me­çou em 15 de de­zem­bro e se­gue até 13 de fe­ve­rei­ro. “É uma ação in­te­gra­da com ou­tros ór­gãos, o que aju­da a fe­char o cer­co. Hou­ve re­du­ção de 15% no nú­me­ro de aci­den­tes em re­la­ção à 2010”, fri­sa.

Joao Cláudio Fra­go­so

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.