Ban­di­dos li­be­ram ca­sal se­ques­tra­do no Na­tal Vân­da­los in­va­dem igre­ja ma­triz

O Diario do Norte do Parana - - REGIÃO - Rú­bia Pi­men­ta Luiz de Car­va­lho

odi­a­rio.com Foi lo­ca­li­za­do, na ma­dru­ga­da de on­tem o ca­sal de na­mo­ra­dos de­sa­pa­re­ci­do, após a ceia de Na­tal, em Pa­ra­na­city (a 74 quilô­me­tros de Ma­rin­gá). Maria Isa­bel Or­ne­las Fer­rei­ra e Osei­as Lima Fer­rei­ra Dal­co­li fo­ram ren­di­dos por dois ho­mens, que rou­ba­ram a ca­mi­nho­ne­te S-10 do ra­paz. Eles fo­ram man­ti­dos co­mo re­féns por 24 ho­ras, em uma ca­sa na zo­na rural de Ter­ra Ro­xa, pró­xi­mo a Gu­aí­ra (a 265 e 276 quilô­me­tros deMaringá, res­pec­ti­va­men­te).

Se­gun­do a Po­lí­cia Ci­vil de Ter­ra Ro­xa, por vol­ta da uma ho­ra de ter­ça-fei­ra, o ca­sal dei­xou a re­si­dên­cia de Maria Isa­bel, no Cen­tro de Pa­ra­na­city, pa­ra dar uma vol­ta. No tra­je­to, eles fo­ram ren­di­dos por dois ho­mens ar­ma­dos com re­vól­ver e en­ca­pu­za­dos. Um dos ban­di­dos as­su­miu a di­re­ção da ca­mi­nho­ne­te e se­guiu ru­mo à fron­tei­ra com o Pa­ra­guai.

Por vol­ta das 5h30 da ter­ça- fei­ra, o ca­sal foi co­lo­ca­do em um au­to­mó­vel e le­va­do até uma re­si­dên­cia na zo­na rural, on­de foi man­ti­do co­mo re­fém. No iní­cio da ma­dru­ga­da de on­tem, os ban­di­dos os aban­do­na­ram nas pro­xi­mi­da­des do bair­ro São José, em Ter­ra Ro­xa. Os dois an­da­ram vá­ri­os quilô­me­tros a pé até en­con­trar um guar­da, que os en­ca­mi­nhou pa­ra a de­le­ga­cia da ci­da­de.

“Ela en­trou em con­ta­to com a fa­mí­lia e dis­se que o na­mo­ra­do so­freu agres­sões por par­te dos ban­di­dos, mas na­da gra­ve. Es­ta­mos ali­vi­a­dos por tê-los en­con­tra­dos bem”, in­for­mou Clau­di­neia Go­mes da Sil­va Bi­an­chi, tia de Maria Isa­bel. Depois de pres­tar de­poi­men­to à po­lí­cia, o ca­sal re­tor­nou pa­ra Pa­ra­na­city.

A Po­lí­cia Ci­vil con­se­guiu des­co­brir, por meio do ras­tre­a­dor da ca­mi­nho­ne­te, que o veí­cu­lo atra­ves­sou a fron­tei­ra pe­la pon­te que dá aces­so a Sal­to del Gu­ai­rá, no Pa­ra­guai, ain­da na ter­ça-fei­ra. Ain­da não há pis­tas so­bre o pa­ra­dei­ro dos cri­mi­no­sos.

car­va­lho@odi­a­rio.com O Sa­crá­rio, lu­gar on­de são guar­da­das as hós­ti­as con­sa­gra­das, da Igre­ja Ma­triz de São Ju­das Ta­deu, de Cru­zei­ro do Sul (a 69 quilô­me­tros de Ma­rin­gá), foi des­truí­do na ma­dru­ga­da de do­min­go por vân­da­los. Além de in­va­dir a Sa­cris­tia, os mar­gi­nais de­pre­da­ram o in­te­ri­or e rou­ba­ram o sis­te­ma de som do tem­plo. Na mes­ma noi­te, um ca­sal foi as­sal­ta­do em ou­tro pon­to da ci­da­de e fei­to re­fém por mais de uma ho­ra. O mu­ni­cí­pio de 4.563 ha­bi­tan­tes, de acor­do com o Cen­so 2010, do Instituto Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca (IBGE), não tem po­lí­cia.

O cri­me foi des­co­ber­to pe­la ma­nhã, quan­do a igre­ja foi aber­ta pa­ra a mis­sa do­mi­ni­cal. De­ze­nas de fi­eis fi­ca­ram cho­ca­dos com o ata­que aos ob­je­tos que os ca­tó­li­cos con­si­de­ram sa­gra­dos. “Os fur­tos em igre­jas, re­si­dên­ci­as ou em­pre­sas são inad­mis­sí­veis, mas a co­mu­ni­da­de fi­cou mais ofen­di­da, por cau­sa da des­trui­ção do San­tís­si­mo Sacramento”, des­ta­ca a co­mer­ci­an­te Maria do Carmo da Sil­va. Mi­nis­tra ex­tra­or­di­ná­ria da San­ta Co­mu­nhão Eu­ca­rís­ti­ca, ela res­sal­ta que o Sa­crá­rio é um ob­je­to sem va­lor co­mer­ci­al. “Só tem va­lor pa­ra a nos­sa Fé. A Eu­ca­ris­tia é tudo pa­ra nós, que cre­mos noC­ris­to res­sus­ci­ta­do”, fri­sa.

Pa­ra o es­tu­dan­te uni­ver­si­tá­rio Alan Pe­li­ser, que tam­bém pre­sen­ci­ou a ce­na de van­da­lis­mo, a ação dos mar­gi­nais foi um des­res­pei­to pa­ra com Deus e com os fiéis que ba­ta­lham pa­ra man­ter a igre­ja.

O pa­dre Antônio Car­los da Sil­va cha­ma aten­ção pa­ra a cres­cen­te on­da de fur­tos e rou­bos em Cru­zei­ro do Sul. Ele lem­bra que a ci­da­de era tran­qui­la até pou­co tem­po atrás. Ho­je, no en­tan­to, ele afir­ma re­ce­ber cons­tan­tes in­for­ma­ções so­bre ata­ques a fa­mí­li­as, em­pre­sas e até na zo­na rural. De acor­do com o lí­der re­li­gi­o­so, a cri­mi­na­li­da­de cres­ce na proporção que as au­to­ri­da­des go­ver­na­men­tais re­le­gam a área de se­gu­ran­ça pú­bli­ca ao se­gun­do pla­no.

O sa­cer­do­te co­men­ta que o mu­ni­cí­pio não con­ta com um po­li­ci­al se­quer. Quan­do há al­gu­ma ocor­rên­cia, qu­em so­cor­re a po­pu­la­ção é a Po­lí­cia Mi­li­tar de Pa­ra­na­city (a 74 quilô­me­tros de Ma­rin­gá), ci­da­de vi­zi­nha, com 10.250 ha­bi­tan­tes, de acor­do com o Cen­so 2010 do IBGE, que con­ta com ape­nas um po­li­ci­al tra­ba­lhan­do por plan­tão.

“Os cri­mes au­men­tam e nin­guém to­ma pro­vi­dên­cia. O cli­ma de me­do pas­sa a pre­do­mi­nar. O que ve­mos, ho­je, são os ban­di­dos sol­tos, mui­to à von­ta­de, en­quan­to a po­pu­la­ção fi­ca ca­da vez mais pre­sa”, afir­ma o pá­ro­co.

Pa­dre An­to­nio Car­los ci­ta fa­tos re­cen­tes pa­ra pro­var que Cru­zei­ro do Sul es­tá à mer­cê de ban­di­dos. Na noi­te em que fur­ta­ram a apa­re­lha­gem de som da igre­ja e des­truí­ram o Sa­crá­rio, um ca­sal foi as­sal­ta­do, se­ques­tra­do e man­ti­do co­mo re­fém. Há al­guns di­as, uma fa­mí­lia tra­di­ci­o­nal da ci­da­de foi as­sal­ta­da, fei­ta re­fém den­tro da pró­pria ca­sa e te­ve ob­je­tos de va­lo­res le­va­dos por uma qua­dri­lha, in­clu­si­ve, uma ca­mi­nho­ne­te. “Fa­mí­li­as que aju­da­ram a cons­truir a ci­da­de e de­se­ja­vam vi­ver em um lu­gar de paz, es­tão trau­ma­ti­za­das, por­que na­da é fei­to pa­ra dar mais se­gu­ran­ça à po­pu­la­ção”, de­cla­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.