Fo­ra do con­so­le

In­di­ca­do ao Glo­bo de Ou­ro na ca­te­go­ria de me­lhor fil­me ani­ma­do, “De­to­na Ralph” res­ga­ta o uni­ver­so dos ga­mes dos anos 80 e 90 e dá vez pa­ra o vi­lão mos­trar a que veio; lon­ga es­treia ho­je em Ma­rin­gá

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ana Lui­za Ver­zo­la

ana­ver­zo­la@odi­a­rio.com “Meu no­me é De­to­na Ralph. Há 30 anos eu ve­nho fa­zen­do is­so, e co­me­ça a fi­car di­fí­cil gos­tar do tra­ba­lho quan­do pa­re­ce que nin­guém gos­ta do que vo­cê faz. Cla­ro que é mais le­gal ser um mo­ci­nho”, é o de­poi­men­to de Ralph, um ban­di­do que bus­ca por mu­dan­ças. O que tor­na a ani­ma­ção “De­to­na Ralph” um di­fe­ren­ci­al é que to­da a his­tó­ria traz per­so­na­gens nos­tál­gi­cos de vi­de­o­ga­mes que mui­to pro­va­vel­men­te vão fa­zer a ale­gria de qu­em con­vi­veu par­te da in­fân­cia e ado­les­cên­cia na com­pa­nhia de­les – os idos anos 1980 e 90. Ago­ra eles sa­em das fa­ses e dos grá­fi­cos em 8-bit direto pa­ra o 3D, na es­treia de ho­je, nos ci­ne­mas de Ma­rin­gá.

Ralph é um per­so­na­gem do jo­go “Con­ser­ta Félix Jr.”, ga­me de fli­pe­ra­ma po­pu­lar que es­tá com­ple­tan­do 30 anos. Nos grá­fi­cos do jo­go, ele é o vi­lão que ten­ta que­brar tudo o que o he­rói que le­va a fa­ma, Félix Jr., cons­trói. Os mo­ra­do­res do pré­dio sem­pre aca­bam por ex­pul­sá-lo do edi­fí­cio, ce­na que se re­pe­te cons­tan­te­men­te a ca­da no­vo jo­ga­dor. No lon­ga-me­tra­gem, Ralph de­se­ja pro­var que po­de sim ter uma fa­ce­ta di­fe­ren­te e fa­zer o pa­pel de mo­ci­nho ao me­nos uma vez na vi­da. “Eu não que­ro mais ser mal­va­do”, diz, hor­ro­ri­zan­do seus com­par­sas vi­lões de ou­tros ga­mes – Zan­gi­ef, do jo­go Stre­et Figh­ter, Ka­no, do Mor­tal Kom­bat, Bow­ser Ko­o­pa, o vi­lão de Su­per Má­rio, e, cla­ro, o Pac-Man, co­mo não po­de­ria fal­tar.

Com di­re­ção do ini­ci­an­te Ri­ch Mo­o­re, que di­ri­giu al­guns epi­só­di­os de Os Simp­sons, a ani­ma­ção dis­tri­buí­da pe­la Dis­ney tem 101 mi­nu­tos de du­ra­ção e um or­ça­men­to de US$ 165 mi­lhões. Exi­bi­do em Ma­rin­gá ape­nas na ver­são du­bla­da, o es­pec­ta­dor po­de­rá con­fe­rir o de­sem­pe­nho do ator Ti­a­go Abra­va­nel, do hu­mo­ris­ta Ra­fa­el Cor­tez e da apre­sen­ta­do­ra de TV Mari Mo­on em­pres­tan­do su­as vo­zes pa­ra os per­so­na­gens prin­ci­pais – Ralph, Félix Jr. e Va­nel­lo­pe Von Schwe­etz, res­pec­ti­va­men­te. O fil­me mes­cla hu­mor, emo­ção e é uma be­la ho­me­na­gem ao uni­ver­so dos ga­mes.

His­tó­ria

“De­to­na Ralph” soa co­mo um “Toy Story” do mun­do dos jo­gos ele­trô­ni­cos: o que é que os per­so­na­gens fa­zem quan­do nin­guém es­pe­ra que eles fa­çam al­go? Quan­do a lo­ja de fli­pe­ra­mas se fe­cha é que eles vêm à to­na. Ralph fi­ca cha­te­a­do por nun­ca ser cha­ma­do pa­ra par­ti­ci­par das fes­tas no pré­dio de on­de ele é ar­re­mes­sa­do pe­los mo­ra­do­res dia após dia. E é en­tão que ele par­te pa­ra a bus­ca de uma me­da­lha que o con­so­li­da­ria co­mo he­rói – a aven­tu­ra co­me­ça quan­do ele re­sol­ve pas­sar de jo­go em jo­go pa­ra con­se­guir o “mé­ri­to” e pro­var aos per­so­na­gens do pró­prio ga­me que po­de mu­dar.

É nes­se ca­mi­nho que ele co­nhe­ce a per­so­na­gem Va­nel­lo­pe, um “bug” do jo­go Cor­ri­da Do­ce, que pas­sa a acom­pa­nhá-lo na em­prei­ta­da. Um en­re­do tí­pi­co da Dis­ney, on­de o per­so­na­gem pas­sa por um mo­men­to de re­fle­xão e bus­ca por um ide­al mai­or.

Ar­re­ca­da­ção

Fo­ram US$ 49,1 mi­lhões ar­re­ca­da­dos no pri­mei­ro fim de se­ma­na de es­treia nos Es­ta­dos Uni­dos – a mai­or aber­tu­ra da his­tó­ria das ani­ma­ções da Dis­ney, sem con­tar os fil­mes em par­ce­ria com a Pi­xar. A ani­ma­ção ba­teu o re­cor­de que até en­tão era vin­cu­la­do ao “En­ro­la­dos”, que abo­ca­nhou US$ 48,8 mi­lhões no pri­mei­ro fim de se­ma­na quan­do es­tre­ou, em 2010. O fil­me con­quis­tou tam­bém uma in­di­ca­ção ao Glo­bo de Ou­ro na ca­te­go­ria de me­lhor ani­ma­ção. Es­se fe­ed­back po­si­ti­vo já foi o su­fi­ci­en­te pa­ra uma apos­ta na sequên­cia do fil­me, já anunciada. Em “De­to­na Ralph 2” te­mos a pro­mes­sa de con­fe­rir nas te­lo­nas as pe­ri­pé­ci­as do que­ri­di­nho da Nin­ten­do, Ma­rio Bros.

Divulgação

De­to­na Ralph re­ce­be aju­da da per­so­na­gem Va­nel­lo­pe pa­ra pro­var que po­de ser o mo­ci­nho da his­tó­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.