De vol­ta

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

pro­va­vel­men­te por con­ta do re­for­ço do po­li­ci­a­men­to pa­ra o Na­tal. Os tra­ves­tis se­guem nos mes­mos lu­ga­res, na es­qui­na da Bra­sil com a Pi­ra­ti­nin­ga ou ca­mi­nhan­do pe­la Co­lom­bo, mas o nú­me­ro de­les (ou de­las) pa­re­ce ser bem me­nor. Qu­em en­ten­de do as­sun­to diz que, nes­sa épo­ca, é cos­tu­me que eles (ou elas) se en­ca­mi­nhem pa­ra o li­to­ral. Os men­sa­lei­ros ain­da não fo­ram pre­sos, as rá­di­os con­ti­nu­am to­can­do “Gang­nam Sty­le” e “Es­se Ca­ra Sou Eu”. Cla­ro que o ser­ta­ne­jo uni­ver­si­tá­rio do­mi­na as pa­ra­das, mas o que se es­pe­rar nu­ma ci­da­de do in­te­ri­or com tan­tas va­gas em ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or? As pes­so­as con­ti­nu­am apa­re­cen­do, lin­das, ri­cas e fe­li­zes no Fa­ce­bo­ok, em um con­tras­te se­ve­ro com a re­a­li­da­de. Mas o que se es­pe­rar de al­go que é pro­du­zi­do e vi­ven­ci­a­do no cha­ma­do “es­pa­ço vir­tu­al”? Pais e mães se des­ca­be­lam ten­tan­do des­co­brir o que fa­zer com os fi­lhos du­ran­te os lon­gos me­ses das fé­ri­as es­co­la­res. E os fi­lhos se des­ca­be­lam ten­tan­do des­co­brir o que fa­zer com os pais nes­te mes­mo pe­río­do. Épo­ca de ou­ro pa­ra ba­bás e lo­cais que ofe­re­cem al­gum es­que­ma es­pe­ci­al que re­sol­va es­sa si­tu­a­ção, nem que se­ja por uma se­ma­na. Li­qui­da­ções pro­me­tem des­con­tos ar­ra­sa­do­res, mas jus­ta­men­te aqui­lo que cha­ma a aten­ção e in­duz ao con­su­mo se­gue com o mes­mo pre­ço de an­tes da far­ra na­ta­li­na (se é que não su­biu). E quan­do vo­cê acha al­go mais ba­ra­to, des­co­bre que pa­gou mais ca­ro nas 24 ho­ras que an­te­ce­de­ram o Na­tal. Ár­vo­res, lu­zes, en­fei­tes ain­da pen­du­ra­dos, or­nan­do ca­sas e es­cri­tó­ri­os, es­pa­ços pri­va­dos e pú­bli­cos. Mas o bom da fes­ta é es­pe­rar por ela. E ago­ra que o Na­tal pas­sou e o mun­do não aca­bou, os ade­re­ços as­su­mem um ar meio de­modè. Es­ta­mos sem­pre aguar­dan­do pe­lo fim: do mun­do, da se­ma­na, do re­la­ci­o­na­men­to, das contas, do sa­lá­rio, do emprego, da saú­de, da pi­ca­da... Ago­ra, a bo­la da vez é o fim do ano, quan­do po­de­mos nos ilu­dir pensando que a mu­dan­ça no ca­len­dá­rio im­po­rá ne­ces­sa­ri­a­men­te uma trans­for­ma­ção ine­xo­rá­vel em nos­sas vi­das. Após 42 fi­nais de ano, des­co­bri que não é bem as­sim que fun­ci­o­na. Mas, pa­ra não pa­re­cer pes­si­mis­ta, ran­zin­za e mau agou­ren­to, é re­con­for­tan­te lem­brar que es­sa no­va era se ini­cia jus­ta­men­te em um fe­ri­a­do. Re­tor­nei à co­lu­na, co­mo pro­me­ti. Na­da mais jus­to que, com a de­cep­ção cau­sa­da pe­lo não-fim do mun­do, eu de­se­je aos mi­lhões de lei­to­res des­te es­pa­ço um ano no­vo no qual seus so­nhos se trans­for­mem em re­a­li­da­de – nem que eles en­vol­vam um pla­ne­ta cha­ma­do Ni­bi­ru, um ca­len­dá­rio maia ou um cer­to cantor co­re­a­no cha­ma­do Psy.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.