San­to Iná­cio res­pi­ra pro­gres­so

Com a ins­ta­la­ção de in­dús­tri­as, fo­ram ge­ra­dos três mil em­pre­gos nas du­as úl­ti­mas ges­tões; hou­ve in­cre­men­to da ren­da, ISS e ICMS

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Tar­ci­la Fran­ça

Qu­em co­nhe­ce o mu­ni­cí­pio de San­to Iná­cio, a 90 quilô­me­tros de Ma­rin­gá, à bei­ra do Rio Pa­ra­na­pa­ne­ma e di­vi­sa com o Es­ta­do de São Pau­lo, não ima­gi­na o sal­to de pros­pe­ri­da­de nos úl­ti­mos oi­to anos. O mo­vi­men­to nas prin­ci­pais ave­ni­das é pro­va de que a in­dus­tri­a­li­za­ção im­pac­tou po­si­ti­va­men­te a vi­da dos mo­ra­do­res. O sur­to de em­pre­gos fa­vo­re­ceu não só os mu­ní­ci­pes, mas mo­ra­do­res de to­da a re­gião. Ho­je, a ci­da­de re­cru­ta tra­ba­lha­do­res de fo­ra pa­ra com­por o sal­do de va­gas das in­dús­tri­as que se ins­ta­la­ram na lo­ca­li­da­de. O co­mér­cio vi­ve uma era de pro­gres­so. A re­cei­ta do mu­ni­cí­pio au­men­tou e o prin­ci­pal de­sa­fio da atu­al ges­tão é pro­mo­ver in­fra­es­tru­tu­ra que adap­te à no­va re­a­li­da­de.

No­tó­rio por an­ga­ri­ar con­di­ções pa­ra se­di­ar in­dús­tri­as co­mo a ter­ra­pla­na­gem, o pre­fei­to João Venceslau tam­bém fa­ci­li­tou o trân­si­to po­lí­ti­co e bu­ro­crá­ti­co pa­ra pro­mo­ver a in­dus­tri­a­li­za­ção. A es­ti­ma­ti­va do go­ver­no mu­ni­ci­pal é de que fo­ram ge­ra­dos em tor­no de três mil va­gas de emprego nos úl­ti­mos oi­to anos - o nú­me­ro equi­va­le a qua­se 60% do to­tal de ha­bi­tan­tes da ci­da­de (5,2 mil, se­gun­do o úl­ti­mo Cen­so do IBGE). Não pa­ra por aí. O que a ad­mi­nis­tra­ção plan­tou on­tem ain­da se­rá co­lhi­do na pró­xi­ma ges­tão. A ex­pec­ta­ti­va em três anos é de que se­jam aber­tos seis mil pos­tos de tra­ba­lho no mu­ni­cí­pio. O re­sul­ta­do é uma no­va di­nâ­mi­ca econô­mi­ca. O Im­pos­to so­bre Cir­cu­la­ção de Mer­ca­do­ri­as e Pres­ta­ção de Ser­vi­ço (ICMS), que era de R$ 150 mil men­sal, sal­tou pa­ra R$ 600 mil ao mês - o nú­me­ro cor­res­pon­de às du­as ges­tões do pre­fei­to. A in­dus­tri­a­li­za­ção im­pul­si­o­na a eco­no­mia de cer­ca de 15 ci­da­des da re­gião, atra­vés da con­tra­ta­ção de mo­ra­do­res de mu­ni­cí­pi­os vi­zi­nhos. Na prá­ti­ca, sig­ni­fi­ca mais ren­da. O poder aqui­si­ti­vo da po­pu­la­ção re­fle­te no au­men­to do Im­pos­to so­bre Ser­vi­ços de Qual­quer Na­tu­re­za (ISS), que an­tes não re­pre­sen­ta­va ‘qua­se na­da’ – nas pa­la­vras do se­cre­tá­rio de Fi­nan­ças, San­to Ben­to, re­fe­rin­do­se à épo­ca em que o pre­fei­to as­su­miu a ad­mi­nis­tra­ção ain­da em 2005. Ho­je, ao fi­nal do se­gun­do man­da­to do pre­fei­to João Venceslau, a ar­re­ca­da­ção

Pro­gres­so

gi­ra em tor­no de R$ 80 mil a R$ 100 mil por mês. “Ti­ve­mos um im­por­tan­te avan­ço econô­mi­co. A pre­fei­tu­ra pro­pi­ci­ou ser­vi­ço pú­bli­co pa­ra tra­zer in­dús­tri­as, o que me­lho­rou a vi­da da po­pu­la­ção”, afir­ma Ben­to. Um dos efei­tos des­te ‘bo­om’ econô­mi­co lo­cal é o re­gis­tro de cin­co lo­te­a­do­ras pri­va­das e um lo­te­a­men­to pú­bli­co no mu­ni­cí­pio. Além do po­ten­ci­al tu­rís­ti­co da re­gião, agre­ga­do ao va­lor his­tó­ri­co de ocu­pa­ção je­suí­ti­ca, o mer­ca­do imo­bi­liá­rio de San­to Iná­cio tam­bém es­tou­rou – hou­ve uma va­lo­ri­za­ção de pe­lo me­nos 500% nos pre­ços dos imó­veis em oi­to anos de ad­mi­nis­tra­ção. A ci­da­de ain­da aco­mo­da o re­fle­xo in­dus­tri­al e a pers­pec­ti­va é efe­ti­var con­vê­ni­os pa­ra pro­mo­ver in­fra­es­tru­tu­ra nos di­ver­sos se­to­res. Uma es­co­la que en­si­na mo­to­ris­tas era al­go distante do ima­gi­ná­rio lo­cal. Apren­der a di­ri­gir, só nu­ma au­to­es­co­la de uma ci­da­de que ofe­re­ce mais re­cur­so lo­ca­li- za­da nas ime­di­a­ções. No en­tan­to, ho­je, os ci­da­dãos têm uma au­to­es­co­la a re­cor­rer. O ei­xo em ‘T’, que aco­mo­da as prin­ci­pais vi­as, tem vi­da no­va em abun­dân­cia. São lo­jas e pres­ta­do­ras de ser­vi­ço que, an­tes, só eram en­con­tra­das nas ci­da­des mais prós­pe­ras. No mu­ni­cí­pio que até pou­co tem­po, em cin­quen­ta anos, te­ve um pas­sa­do de mo­ra­dia rural pre­do­mi­nan­te, em ru­as de ter­ra, tan­to pro­gres­so soa es­pan­to. Mas, um es­pan­to po­si­ti­vo - da­da à apro­va­ção unâ­ni­me nas ru­as de San­to Iná­cio. Um mis­to de po­pu­la­ri­da­de e gra­ti­dão. Pa­ra o pre­fei­to, a lo­gís­ti­ca de San­to Iná­cio e sua pri­vi­le­gi­a­da lo­ca­li­za­ção foi um dos ar­gu­men­tos pa­ra con­ven­cer os in­dus­tri­ais. Afi­nal, es­tá pró­xi­ma a três ci­da­des im­por­tan­tes: Lon­dri­na (PR), Ma­rin­gá (PR) e Pre­si­den­te Pru­den­te (SP). “Sen­si­bi­li­za­mos a co­mu­ni­da­de lo­cal e vi­zi­nha pa­ra tra­du­zir os be­ne­fí­ci­os que as in­dús­tri­as tra­ri­am pa­ra a re­gião. Pa­ra is­so, con­ver­sa­mos com au­to­ri­da­des, mo­ra­do­res e os pro­du­to­res ru­rais no con­ven­ci­men­to pa­ra o pro­gres­so”, afir­ma ele.

Mu­ni­cí­pio co­me­mo­ra de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co e so­ci­al com a ins­ta­la­ção de in­dús­tri­as; o co­mér­cio vi­ve seu apo­geu

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.