Edu­ca­ção: um pa­no­ra­ma de 2012

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

Mais um ano ter­mi­na. Mo­men­to de re­fle­xão e aná­li­se dos pro­je­tos e pla­nos que tí­nha­mos no co­me­ço de 2012.

Ha­via uma ex­pec­ta­ti­va mui­to gran­de em re­la­ção à apli­ca­ção e re­a­li­za­ção da pro­va do Exa­me Na­ci­o­nal do En­si­no Mé­dio (Enem). Depois de al­guns er­ros nas edi­ções an­te­ri­o­res, o go­ver­no se pre­pa­rou, in­ves­tiu, e a pro­va trans­cor­reu sem di­fi­cul­da­des. Uma vi­tó­ria. Con­quis­ta dos alu­nos que se pre­pa­ra­ram e de­po­si­ta­ram su­as es­pe­ran­ças nes­se exa­me. Ago­ra res­ta acom­pa­nhar o pro­ces­so do Sis­te­ma de Se­le­ção Uni­fi­ca­da (Si­su), que ocor­re­rá em ja­nei­ro pa­ra efe­ti­va­ção das va­gas nas uni­ver­si­da­des e ins­ti­tu­tos fe­de­rais.

O re­sul­ta­do do Enem 2011 re­ve­lou al­guns as­pec­tos das di­fi­cul­da­des que ain­da são en­con­tra­das na for­ma­ção do alu­no do en­si­no mé­dio: 80% de­les es­tão na re­de pú­bli­ca de en­si­no e ape­nas al­gu­mas es­co­las são ilhas de ex­ce­lên­cia, por te­rem pro­ces­sos se­le­ti­vos pa­ra o in­gres­so, cur­rí­cu­lo di­fe­ren­ci­a­do, car­ga ho­rá­ria mai­or e pro­fes­so­res com tem­po de de­di­ca­ção in­te­gral a uma úni­ca ins­ti­tui­ção.

Em São Pau­lo, o go­ver­no vem in­ves­tin­do na for­ma­ção téc­ni­ca co­mo uma op­ção pa­ra a en­tra­da mais rá­pi­da no mer­ca­do de tra­ba­lho, ga­ran­ti­do mão de obra es­pe­ci­a­li­za­da e ofe­re­cen­do ao jo­vem a op­ção de um cur­rí­cu­lo mais di­re­ci­o­na­do já no en­si­no mé­dio. Uma boa op­ção pa­ra qu­em pre­ci­sa tra­ba­lhar ou de­se­ja se apro­xi­mar de uma área de co­nhe­ci­men­to pa­ra apri­mo­rar os co­nhe­ci­men­tos. Uma coi­sa é cer­ta: qu­em so­nha com o in­gres­so na uni­ver­si­da­de pú­bli­ca de qua­li­da­de pre­ci­sa se pre­pa­rar pa­ra o ves­ti­bu­lar e fa­zer um en­si­no mé­dio re­gu­lar de qua­li­da­de.

A con­cor­rên­cia tem au­men­ta­do. Com a apro­va­ção da lei das co­tas nas uni­ver­si­da­des pú­bli­cas, em 10 anos to­das te­rão que de­di­car até 50% de su­as va­gas o pro­gra­ma: ne­gros, ín­di­os e tam­bém os des­fa­vo­re­ci­dos eco­no­mi­ca­men­te, e is­so sig­ni­fi­ca que vai fi­car mais di­fí­cil con­cor­rer.

Qu­em es­tá nes­sa cor­ri­da pre­ci­sa de pre­pa­ro: tem­po e es­for­ço pa­ra se des­ta­car, co­mo em qual­quer pro­fis­são. Ser es­tu­dan­te é uma pro­fis­são em que o re­sul­ta­do do es­for­ço é fru­to do tem­po que se de­di­ca a es­sa ta­re­fa.

Creio que a con­so­li­da­ção do mo­de­lo do Enem po­de­rá tra­zer mais be­ne­fí­ci­os pa­ra os can­di­da­tos e po­de­rá se tor­nar um exa­me ain­da mais con­fiá­vel e acei­to na­ci­o­nal­men­te. Es­sa po­de ser uma saí­da pa­ra de­mo­cra­ti­zar a en­tra­da no en­si­no su­pe­ri­or.

Aos es­tu­dan­tes: as di­fi­cul­da­des não es­tão ape­nas no in­gres­so. Atu­al­men­te per­ce­be­mos um mo­vi­men­to mui­to mai­or de qua­li­fi­car os uni­ver­si­tá­ri­os ao fi­nal da for­ma­ção. O Con­se­lho Re­gi­o­nal de Me­di­ci­na do Es­ta­do de São Pau­lo (Cremesp) re­a­li­zou pe­la pri­mei­ra vez, em 11 de no­vem­bro de 2012, o Exa­me do Cremesp, obri­ga­tó­rio a to­dos os for­man­dos de Me­di­ci­na.

Den­tre 2.411 par­ti­ci­pan­tes, for­ma­dos em es­co­las mé­di­cas do Es­ta­do de São Pau­lo, 54,5% fo­ram re­pro­va­dos, pois acer­ta­ram me­nos de 60% da pro­va - 71 das 120 ques­tões. O exa­me con­tou com a pre­sen­ça de egres­sos das 28 es­co­las pau­lis­tas que fun­ci­o­nam há mais de 6 anos. Des­ses, 114 ti­ve­ram pro­vas in­va­li­da­das.

Sen­do Me­di­ci­na um dos cur­sos mais con­cor­ri­dos no País, ima­gi­na-se que o pre­pa­ro dos in­gres­san­tes po­de ga­ran­tir uma for­ma­ção de qua­li­da­de, mas na­da po­de as­se­gu­rar o que acon­te­ce ao lon­go dos 6 anos de for­ma­ção. Ima­gi­ne o que acon­te­ce­ria se to­dos os pro­fis­si­o­nais fos­sem tes­ta­dos, as­sim co­mo são os ad­vo­ga­dos e con­ta­bi­lis­tas...

Es­se é um no­vo de­sa­fio pa­ra as fa­cul­da­des, que de­vem im­plan­tar pro­ces­sos de apren­di­za­gem mais sig­ni­fi­ca­ti­vos e ava­li­a­ções ao lon­go da for­ma­ção mais ri­go­ro­sas pa­ra que os alu­nos pos­sam tor­nar-se ver­da­dei­ros pro­fis­si­o­nais.

São es­ses os de­sa­fi­os pa­ra 2013: me­lho­rar o aces­so e ga­ran­tir qua­li­da­de na for­ma­ção dos es­tu­dan­tes, que se­rão os fu­tu­ros pro­fis­si­o­nais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.