Ser­ven­te de pe­drei­ro é exe­cu­ta­do em Sa­ran­di

Ope­rá­rio re­tor­na­va pa­ra ca­sa de mo­to, quan­do foi sur­pre­en­di­do em es­tra­da rural e mor­to com cer­ca de vin­te ti­ros de pis­to­la 9 mm; po­lí­cia sus­pei­ta de cri­me pas­si­o­nal

O Diario do Norte do Parana - - REGIÃO - Ro­ber­to Sil­va

rsil­va@odi­a­rio.com Uma to­caia em uma es­tra­da rural de Sa­ran­di, re­gião me­tro­po­li­ta­na de Ma­rin­gá, ter­mi­nou com a mor­te do ser­ven­te de pe­drei­ro Wil­li­an de Oli­vei­ra Santos, 23 anos. Ele foi exe­cu­ta­do, on­tem à tar­de, com ti­ros de pis­to­la 9 mm, quan­do re­tor­na­va pa­ra a ca­sa de­le de mo­to.

Se­gun­do a Po­lí­cia Ci­vil, o cri­me ocor­reu por vol­ta das 16h45 na Es­tra­da do Oi­to, distante cer­ca de mil me­tros do Jar­dim No­vo In­de­pen­dên­cia, on­de a ví­ti­ma re­si­dia com a mãe e um ir­mão. Santos, que pi­lo­ta­va uma mo­to Hon­da 125, foi sur­pre­en­di­do e al­ve­ja­do com ti­ros em vá­ri­as par­tes do cor­po.

Ao la­do do cor­po, po­li­ci­ais ci­vis e mi­li­ta­res en­con­tra­ram cer­ca de vin­te cáp­su­las de­fla­gra­das de ca­li­bre 9 mm. A mo­to es­ta­va in­tac­ta e, apa­ren­te­men­te, na­da ha­via si­do rou­ba­do da ví­ti­ma, que es­ta­va com a car­tei­ra no bol­so da ber­mu­da.

Após re­co­nhe­cer o cor­po, um ado­les­cen­te de 14 anos en­car­re­gou-se de avi­sar a fa­mí­lia. A mãe da ví­ti­ma, a do­na de ca­sa Ze­nil­da de Oli­vei­ra Cam­pos, 59 anos, che­gou ao lo­cal cer­ca de vin­te mi­nu­tos depois e en­trou em cho­que ao ve­ri­fi­car que a ví­ti­ma era mes­mo o fi­lho de­la. Am­pa­ra­da por um ami­go da fa­mí­lia, ela exi­gia res­pos­tas pa­ra o ocor­ri­do.

“Meu fi­lho era um me­ni­no mui­to bom. Por que fi­ze­ram is­so com ele? Por que tan­ta mal­da­de?”, ques­ti­o­na­va, re­pe­ti­da­men­te, aos pran­tos. Sem se iden­ti­fi­car, o ho­mem que a am­pa­ra­va con­tou à re­por­ta­gem que Santos era ope­rá­rio da cons­tru­ção ci­vil e nun­ca se en­vol­ve­ra em coi­sa er­ra­da. “Se­quer dro­ga ele usa­va. Era um tra­ba­lha­dor”, des­ta­cou.

Pos­te­ri­or­men­te, Ze­nil­da con­tou que o fi­lho ha­via saí­do de ca­sa no meio da tar­de, com a mo­to do ir­mão, à pro­cu­ra de um lu­gar pa­ra guar­dar um ca­va­lo de pro­pri­e­da­de de­le. Se­gun­do ela, ele re­tor­na­va da ca­sa de uma ami­ga, re­si­den­te na zo­na rural.

A bru­ta­li­da­de do cri­me tam­bém sur­pre­en­deu ami­gos e co­le­gas de tra­ba­lho do ser­ven­te, que re­a­fir­ma­ram a per­so­na­li­da­de pa­ca­ta do ra­paz. Se­gun­do eles, Santos não ti­nha ini­mi­gos de­cla­ra­dos nem de­sa­ven­ça re­cen­te. A Po­lí­cia Ci­vil con­fir­mou que a ví­ti­ma não era rein­ci­den­te e não des­car­tou a hi­pó­te­se de cri­me pas­si­o­nal.

Com mais es­te ho­mi­cí­dio, su­biu pa­ra 56 o nú­me­ro de as­sas­si­na­tos re­gis­tra­dos, nes­te ano, em Sa­ran­di .

João Cláudio Fra­go­so

Ze­nil­da Cam­pos, mãe da ví­ti­ma, dis­se que o fi­lho era “um me­ni­no bom”; ami­gos de tra­ba­lho con­fir­ma­ram

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.