Áre­as ru­rais do no­ro­es­te são al­vos de la­drões

In­se­gu­ran­ça ti­ra a tran­qui­li­da­de, que an­tes era co­mum no cam­po. Por cau­sa do me­do, agri­cul­to­res pen­sam em dei­xar as pro­pri­e­da­des e se trans­fe­ri­rem pa­ra as ci­da­des On­da

O Diario do Norte do Parana - - GERAL - Leonardo Fi­lho

le­o­nar­do­fi­lho@ A in­ten­ção era en­con­trar um re­fú­gio da cor­re­ria da ci­da­de e da vi­o­lên­cia ur­ba­na que não pa­ra de cres­cer. Mas, o ad­vo­ga­do ma­rin­ga­en­se Luiz Ro­ber­to Ma­ça­nei­ro Santos, es­tá de­cep­ci­o­na­do com o que acon­te­ceu na pro­pri­e­da­de rural de­le em Cru­zei­ro do Sul (a 69 quilô­me­tros de Ma­rin­gá). Em ape­nas um ano, cri­mi­no­sos in­va­di­ram o lo­cal se­te ve­zes e pro­vo­ca­ram mui­to pre­juí­zo.

Além da ques­tão ma­te­ri­al, Santos per­deu o sos­se­go que sen­tia no cam­po. “A sen­sa­ção de in­se­gu­ran­ça é gran­de. A si- tu­a­ção é pre­o­cu­pan­te. Meus vi­zi­nhos tam­bém re­cla­mam mui­to”, co­men­ta.

O ad­vo­ga­do des­ta­ca que, nas in­ves­ti­das con­tra a pro­pri­e­da­de, os la­drões le­va­ram ob­je­tos e ani­mais. Fo­ram fur­ta­dos ove­lhas e ga­do, além de tra­lhas usa­das pa­ra a mon­ta­ria. “O pro­ble­ma mai­or é a pre­o­cu­pa­ção que a gen­te tem, quan­do vai pa­ra lá. Nós não fi­ca­mos sos­se­ga­dos. Os cri­mi­no­sos sa­em das ci­da­des mai­o­res e agem nas me­no­res, on­de o nú­me­ro de po­li­ci­ais é re­du­zi­do”, res­sal­ta.

Já um agri­cul­tor que pas­sou por um pro­ble­ma ain­da mais gra­ve, te­me re­pre­sá­li­as e pe­diu pa­ra não ser iden­ti­fi­ca­do. Ele mo­ra pró­xi­mo a Pa­ra­na­city (a 74 quilô­me­tros de Ma­rin­gá) e es­tá as­sus­ta­do. Cri­mi­no­sos in­va­di­ram a pro­pri­e­da­de de­le há qua­se três me­ses e pro­vo­ca­ram pâ­ni­co. “Ou­vi um ba­ru­lho de ma­dru­ga­da. Quan­do fui ver, um de­les es­ta­va na co­zi­nha. Fui ren­di­do e, lo­go depois, tran­ca­ram to­da a mi­nha fa­mí­lia em um dos quar­tos. Pen­sa­mos em sair da­qui”, desabafa.

To­dos os as­sal­tan­tes es­ta­vam ar­ma­dos com re­vól­ve­res e en­ca­pu­za­dos. Os la­drões fu­gi­ram le­van­do ob­je­tos dos mo­ra­do­res, de­fen­si­vos agrí­co­las e um dos veí- “A sen­sa­ção de in­se­gu­ran­ça é gran­de. A si­tu­a­ção é pre­o­cu­pan­te. Meus vi­zi­nhos tam­bém re­cla­mam mui­to” cu­los da fa­mí­lia. O au­to­mó­vel foi aban­do­na­do pou­cas ho­ras depois, mas os ob­je­tos não fo­ram en­con­tra­dos pe­la po­lí­cia. “Cha­ma­mos a po­lí­cia, mas a gen­te sa­be que tem pou­co po­li­ci­al tra­ba­lhan­do aqui”, de­cla­ra.

Os cri­mes es­tão sen­do in­ves­ti­ga­dos pe­la De­le­ga­cia Re­gi­o­nal de Po­lí­cia Ci­vil de Pa­ra­na­city. A uni­da­de é res­pon­sá­vel pe­las in­ves­ti­ga­ções em pe­lo me­nos cin­co mu­ni­cí­pi­os. A sus­pei­ta é de que os cri­mi­no­sos se­jam de uma mes­ma qua­dri­lha. “Es­ta­mos no ca­mi­nho pa­ra en­con­trar­mos es­ses sus­pei­tos”, afir­ma o es­cri­vão Félix So­a­res.

De acor­do com ele, a sus­pei­ta da po­lí­cia se re­for­ça pe­lo fa­to de os cri­mi­no­sos agi­rem qua­se sem­pre de ma­nei­ra se­me­lhan­te. “Eles en­tram e le­vam o que en­con­tram. Há ca­sos de fur­tos e os mais gra­ves que­são­os­rou­bos”, res­sal­ta. Os ca­sos de fur­tos e rou­bos não são re­gis­tra­dos com frequên­cia ape­nas na área rural. O Diá­rio mos­trou na edi­ção de on­tem que vân­da­los in­va­di­ram a igre­ja ma­triz da ci­da­de. Além da des­trui­ção do sa­crá­rio, os cri­mi­no­sos fur­ta­ram ob­je­tos de va­lor da igre­ja. O pa­dre Antônio Car­los da Sil­va, res­pon­sá­vel pe­la pa­ró­quia, re­cla­mou da fal­ta de po­li­ci­ais.

Em Fê­nix (a 95 quilô­me­tros de Ma­rin­gá), as­sal­tan­tes vol­ta­ram a agir na área rural. Após ren­de­rem o vi­gi­lan­te de uma em­pre­sa de ve­ne­nos, os ban­di­dos in­va­di­ram o bar­ra­cão e le­va­ram 2.500 li­tros de de­fen­si­vos usa­dos no com­ba­te a pra­gas agrí­co­las, que es­ta­vam no de­pó­si­to da em­pre­sa. A po­lí­cia foi cha­ma­da, mas os la­drões fu­gi­ram.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.