Pa­ra o fu­tu­ro

Lon­ga “vi­a­gem” fíl­mi­ca pas­san­do por pro­du­ções de inú­me­ros paí­ses fe­cha 2012 com exi­bi­ção de 50 fil­mes, sem­pre com en­tra­da

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

do ho­mem, aque­les que ama­ram de­mais e aque­les que não con­se­gui­ram amar. Es­ses, en­tre tan­tos ou­tros “re­tra­tos”, nos de­ram ao lon­go do ano um ci­ne­ma de in­ten­so vi­gor, ca­paz de sen­sa­ções e ex­pe­ri­ên­ci­as vi­su­ais que só mes­mo a ar­te po­de­ria nos le­gar.

Com exa­tos 50 fil­mes exi­bi­dos, es­ti­ve­mos em paí­ses co­mo Tur­quia, Es­lo­vê­nia, Dji­bou­ti, Fran­ça, Itá­lia, Se­ne­gal, Es­ta­dos Uni­dos, Ale­ma­nha, In­gla­ter­ra, Áus­tria, Hun­gria, No­ru­e­ga, Co­réia do Sul, Rús­sia, Bur­ki­na Fa­so, Ucrâ­nia, Sué­cia, Chi­le, Bél­gi­ca, Gré­cia, Ir­lan­da e Fin­lân­dia. Po­rém, mais do que vi­a­jar por es­tes paí­ses, o pro­je­to nos le­vou mes­mo pa­ra os lu­ga­res mais inós­pi­tos, ter­rí­veis e, por ve­zes, be­los, do co­ra­ção e da men­te hu­ma­na.

Con­fes­so que nun­ca ti­ve tan­to tra­ba­lho pa­ra fa­zer a pro­gra­ma­ção co­mo nes­te ano. Se há uma cer­ta dis­po­si­ção pa­ra o ecle­tis­mo, hou­ve, por ou­tro la­do, uma pes­qui­sa exaus­ti­va pa­ra “aco­mo­dar”, en­tre tan­tas pos­si­bi­li­da­des, al­guns dos me­lho­res tra­ba­lhos do ci­ne­ma re­cen­te, além de um nú­me­ro con­si­de­rá­vel (50%) de fil­mes que se man­tém iné­di­tos co­mer­ci­al­men­te no Bra­sil.

Nun­ca ti­ve uma pre­di­le­ção por listas, mas che­guei a ten­tar fa­zer a mi­nha dos 10 me­lho­res fil­mes exi­bi­dos es­te ano. Con­tu­do, aca­bei che­gan­do em 25 fil­mes. As­sim, sem or­dem, mas no apre­ço pe­las pos­tu­ras for­mais e de­mar­ca­ções emo­ci­o­nais, des­ta­co (abai­xo) seis be­los fil­mes que ti­ve­mos a opor­tu­ni­da­de de ver.

Seis gran­des lmes

“Era Uma Vez na Ana­tó­lia” (2011), do tur­co Nu­ri Bil­ge Cey­lan. Gran­de Prê­mio do Jú­ri em Can­nes/2011. A in­ves­ti­ga­ção de um as­sas­si­na­to que re­ve­la-se, a par­tir dos pe­que­nos ges­tos e do si­lên­cio (em evo­ca­ção ma­gis­tral ao rus­so An­ton Tchekhov), uma in­ves­ti­ga­ção ín­ti­ma e po­de­ro­sa das mo­ti­va­ções, dos de­se­jos e frus­tra­ções hu­ma­nas.

“O Ca­va­lo de Tu­rim” (2011), do hún­ga­ro Bé­la Tarr. Prê­mio Es­pe­ci­al do Jú­ri em Ber­lim/2011. Em lon­gos pla­nos sequên­ci­as e num pre­to e bran­co cre­pus­cu­lar, um ho­mem ve­lho, sua fi­lha e seu ca­va­lo, num lu­gar distante de tudo, pre­sen­ci­am o fim do mun­do.

“Ce­sa­re De­ve Mo­ri­re” (2012), dos ita­li­a­nos Vit­to­rio e Pa­o­lo Ta­vi­a­ni. Ur­so de Ou­ro co­mo me­lhor fil­me em Ber­lim/2012. “Jú­lio Cé­sar”, de Sha­kes­pe­a­re é en­ce­na­do por de­ten­tos de uma pri­são, em Ro­ma. Na os­ci­la­ção en­tre o do­cu­men­tá­rio e a fic­ção, os Ta­vi­a­ni ex­tra­em uma obra po­de­ro­sa so­bre a li­ber­da­de.

“Faus­to” (2011), do rus­so Alek­san­dr So­kú­rov. Leão de Ou­ro de me­lhor fil­me em Ve­ne­za. A gran- di­o­sa obra de Go­ethe le­va­da às te­las por um dos mais im­por­tan­tes di­re­to­res con­tem­po­râ­ne­os. A his­tó­ria do ci­en­tis­ta que ven­de sua alma ao di­a­bo em bus­ca da es­sên­cia do ho­mem.

“Las Aca­ci­as” (2011), do ar­gen­ti­no Pa­blo Gi­or­gel­li. Ven­ce­dor do Ca­me­ra D’Or, em Can­nes/2011. Um ca­mi­nho­nei­ro dá ca­ro­na, de As­sun­ción pa­ra Bu­e­nos Ai­res, pa­ra uma mu­lher e sua pe­que­na fi­lha. Do na­da, Gi­or­gel­li ex­trai tudo, nes­te fil­me de de­li­ca­de­zas, olha­res fur­ti­vos e si­lên­ci­os – nu­ma dra­ma­tur­gia que se re­ve­la vi­go­ro­sa na­qui­lo que não é fa­la­do.

“Es­sen­ti­al Kil­ling” (2010), do po­lo­nês Jerzy Sko­li­mows­ki. Prê­mio Es­pe­ci­al do Jú­ri e Me­lhor Ator (pa­ra Vin­cent Gallo), em Ve­ne­za/2010. O gran­di­o­so re­tor­no de Sko­li­mows­ki a um ci­ne­ma es­sen­ci­al, qua­se sem pa­la­vras. A lu­ta pe­la so­bre­vi­vên­cia de um sol­da­do afe­gão que, depois de ser pre­so e tor­tu­ra­do, con­se­gue fu­gir e te­rá de en­fren­tar o frio e a fo­me pe­la sua li­ber­da­de.

2013

Pa­ra 2013, o Pro­je­to Um Ou­tro Olhar já tem al­guns fil­mes pro- gra­ma­dos, en­tre clás­si­cos e con­tem­po­râ­ne­os. E, se de­pen­der do ci­ne­ma, do pú­bli­co e de mim, creio que po­de­re­mos re­pe­tir a “per­for­man­ce”: de com­par­ti­lhar, ver e dis­cu­tir o ci­ne­ma co­mo uma das mais be­las pos­si­bi­li­da­des de en­ten­der­mos o mun­do e, qu­em sa­be, de man­ter a fé no ho­mem. Co­mo dis­se o nos­so ami­go Aki Kau­ris­ma­ki, se a vi­da é mes­mo uma dro­ga, de que va­le ser pes­si­mis­ta? Gran­de 2013 a to­dos e obri­ga­do!

Divulgação

Os­car (De­nis La­vant) em um dos seus mui­tos per­so­na­gens no fil­me “Holy Mo­tors”, contemporâneo ga­ran­ti­do no Pro­je­to Um Ou­tro Olhar em 2013

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.